Como um rio Escrevo, quase sempre no arrastar dos dias, medindo a temperatura dos meus sentimentos. Mas também como um rio em busca do m...

Páginas soltas de um Diário Perdido (I)

ocaso crepusculo rio por sol nostalgia saudade
Como um rio

Escrevo, quase sempre no arrastar dos dias, medindo a temperatura dos meus sentimentos. Mas também como um rio em busca do mar. Estado que me dá a chave do tempo. Com ela, posso movê-lo ao meu bel-prazer e até aprisioná-lo. Meus olhos, mesmo fechados, se converteram em lentes poderosas.

Se soubesses... Tudo tão contraditório em mim! Quero apossar-me de todas as paisagens e passagens, com suas cores, marcas, perfumes, e ao mesmo tempo desejo adormecer, até mesmo anestesiar-me, algumas vezes. Cansaço!

O mundo também, hoje, me parece cansado! O canto dos pássaros e outros vestígios do dia se recolhem. Daqui a pouco, as nuvens vão trocar o manto de franjas corais, arrastado pelo sol, por outro azul profundo que será bordado, pouco a pouco, de luzes tímidas.

Bela hora indecisa, em véu de melancolia, convite a introspecção e prece! Olho para o alto e agradeço. Meu olhar passeia nessa contemplação sem desviar- se, buscando um milagre. O coração se alvoroça, embarca nessa viagem. Ainda não entendeu que é busca impossível...

Penso em ti, lembrando dos nossos fins de tarde, de ternura, de revelações, de comunhão que dispensa palavras. Choque entre desejo e realidade. A loucura de buscar o terreno mágico, em que nos movíamos, e não mais encontrá-lo.

Queria tanto ver-te! Alguns segundos, para reanimar-me e para ouvir tuas sábias palavras. “Viver intensamente cada instante ofertado é palavra de ordem, porque somos seres marcados pelo efêmero”. Aprendi tanto contigo! “O céu não é belo só porque é estrelado, mas também pelas estrelas que há em nós, pois a luz atrai luz, e a beleza atrai beleza”.

Tua falta me desconcerta! A vida num instante se dilui! No entanto, as marcas significativas de cada passagem resistem. As tuas se espalham por toda parte, vívidas, nas coisas que tocaste, disseste, criaste. Impossível apagá-las, ainda que eu quisesse.

Até porque refugio-me na arca das lembranças. Ritual de encantamento que ameniza a realidade... Amar é rama que se espalha nas terras do ser e faz brotar flores de fertilidade e alegria. O contrário de amar é tornar-se infértil, fazer-se deserto.

Nesse lugar, meu constante refúgio, faço tentativas de não endurecer, de me fazer oásis... Sonho com os abraços que gostaria de te dar, neste entardecer e a cada instante em que tua lembrança me invade. Sou como um rio, um rio sôfrego, correndo para o mar, porque tu és esse mar.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

leia também