O que eu tenho Eu tenho pequenas coisas em caixinhas cranianas casulos de sinceridades palavras engavetadas que me dêem sustentação ...

(Re) encontros noturnos


O que eu tenho

Eu tenho pequenas coisas
em caixinhas cranianas
casulos de sinceridades
palavras engavetadas
que me dêem sustentação

ambiente de leitura carlos romero clovis roberto poesia reencontros saudades gavetas olhares amor
Eu tenho algumas coisas
risos depositados em conta
rendem juros ao coração
passeio sem banco de praça
pinturas sem toque de mão

Eu tenho mudas de roupas
penduradas em cabides, em guarda
vigias da própria rotina
ajustadas à pele, à saudade
em fagulhas de pingos pela janela

Eu tenho certas fotografias
da sala preta, claridades, revelações
fundamentais excessos, sem exceção
atalhos, porções em flashes
embaraços pausados pela imaginação

* Inspirado em "Pequeno mapa do tempo", de Belchior



Reconstrução olfativa

E tinha um perfume
perdido na memória
viagem sem matéria
intocável, impalpável

ambiente de leitura carlos romero clovis roberto poesia reencontros saudades retratos antigos gavetas olhares amor
era o ontem hoje
instantânea vida
recorte, uma cena
reconstrução olfativa

fugaz espectro, some, dorme
dissipa como névoa
no encontro da manhã
pelo sol atingida

nova identidade
recompor a figura
concretizar a volta
que esmorece imperfeita



Claro

E é claro
quando o dia se faz em sono
que o coração é respiro
ilha de desejo

E salta na chuva
transmuta ferro e fogo
que aviva ao vento
arde sem ferimento

ambiente de leitura carlos romero clovis roberto poesia reencontros saudades retratos antigos gavetas olhares amor
É a vã sorte
acaso contido nos dados?
o ditar o encontro ?
o achar tu pela vida?

Outros chamam de destino
sem desvios, único caminho
e o resto cuida o tempo
o sorriso, olho no olho

Que (r) seja um beijo
adolescente, adormecido
hidrate o corpo inteiro
em sussurros, arrepios



Bom dia

Hoje eu não direi para ti bom dia
pois transpus a simbólica batida com a tua voz
ela ecoava afirmações e risinhos
bebia água, andava pela casa no escuro
Sim, hoje tu não receberás um dom dia
pois estavas presente nos últimos e primeiros minutos
quando uma jornada se foi e outro se fez
e ainda falávamos de tudo
Por isso, não haverá para ti bom dia hoje
ao relógio seguir célere eu a escutava
e quase sentia teu perfume de feminina pele
revela um novo bom dia


Clóvis Roberto é jornalista e cronista
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também