Interessante como pegava seu lápis para colorir o caderno de desenho. Escolhia as cores mais alvoroçadas para pintar, por exempl...

Pintura de aluno

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia poema narrativa pauta cultural literatura paraibana jose leite guerra desenho de aluno pintura infantil sala de aula escola
Interessante como pegava seu lápis para colorir o caderno de desenho. Escolhia as cores mais alvoroçadas para pintar, por exemplo, as folhas de um arvoredo. E nos raios do sol encabulado, por trás de riscos curvos sinalizando uma montanha, largava um verde escuro sobre o astro que ficava sem condição de iluminar. Um verdadeiro eclipse verde. E assim ia colorindo a paisagem comum, onde existem árvore, casa, lago, sol.

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia poema narrativa pauta cultural literatura paraibana jose leite guerra desenho de aluno pintura infantil sala de aula escola
Themo Stinept
A professora, antes que tocasse a sineta do recreio, recolhia os trabalhos dos alunos para aproveitar o intervalo para uma vista geral sobre a genialidade de cada qual. Saíam todos, empurrões, gritos, soltos, a correr suas liberdades provisórias pela mancha gostosa da mangueira, escalando escadarias, pulando muros, fazendo pipi, comendo os lanches numa ausência de carteiras e bons comportamentos.

Ao tilintar o sininho de alerta sobre o final dos quinze minutos de descontração, retornavam todos suados, amarrotadas as fardas, os cabelos assanhados, cicios a estender a piada contada baixinho para que as meninas não ouvissem. Coisas de causos indecentes para os padrões e a idade que viviam. Logo se arrumavam nos lugares reservados e examinavam a expressão da professora que achavam bonita e cheirosa, usando um decente vestido de bolas. Uma elegância maior se não fora aquele repuxar o pescoço para o lado direito e estender o lábio inferior, para depois chamar o nome do discípulo a ser arguido.

A sala ficava menor para quem se levantava, a fim de justificar o trabalho de pintura. Antes do aluno de quem falamos, em destaque, no início, alguns e algumas se saíram bem ou medianamente nas notas variadas. Cada figura pintada com as tintas aplicadas corretamente. O sorriso nos lábios de quem passara no teste.

Por último, o que provocou o eclipse verde e revestiu a folhagem de tinta rubra, se dirigiu, sem tropeços, para ser avaliado. A professora abriu o caderno, disse ter sido ele o único dez da turma. Muitos reclamaram, zunzum sonoro de certa indignação. Conheciam a fama de anarquista do colega que procurava subverter os exercícios, zombando da cara de todos. A mestra emocionada estava abraçada a ele, dando-lhe os parabéns pela originalidade da pintura. Nem mesmo o aluno, que fizera o dever pictórico por espírito de contrariar, entendia tudo aquilo.
ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia poema narrativa pauta cultural literatura paraibana jose leite guerra desenho de aluno pintura infantil sala de aula escola
P. Animalista
E justificou a sua decisão: a árvore incendiada e o sol esverdeado. Justamente o que viria a acontecer, atualmente, nas matas virgens, nos tesouros das florestas, quando árvores são sacrificadas: vertendo sangue. O símbolo estava num sol que iluminasse em cores macias a esperança da redenção. Aplaudiram o colega vencedor.

Saíram de seus lugares e abraçaram aquele por quem tinham certa desconfiança e era considerado, no geral, como um número a mais na sala de aula. Ledo engano...


José Leite Guerra é bacharel em direito, poeta e cronista
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Salve José Leite Guerra...boas lembranças são dignas de compartilhamento!
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir

leia também