Parte II Um célebre jantar na Borgonha Após dez dias na França, sendo uma semana em Paris e três dias no Vale do Loire, partimos...

Percorrendo a Rota do Vinho Tinto (II)

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana jose mario espinola rota vinho borgonha bourgogne hotel dieu hospices beaune Boeuf Bourguignon vin rouge cozinha turismo franca
Parte II
Um célebre jantar na Borgonha

Após dez dias na França, sendo uma semana em Paris e três dias no Vale do Loire, partimos para a região da Borgonha, berço da família Rolin.

Nós escolhemos este destino por três motivos: conhecer uma abadia; conhecer o famoso “Hôtel Dieu”, na cidade de Beaune; e comer um boeuf borguignon! Começamos pela cidade de Beaune, deixando a abadia para o dia seguinte.


Beaune tem tudo para ser um dos melhores destinos turísticos da França. É estratégica base para turismo de carro. Pois se situa no centro da Borgonha, entre cidadezinhas pequenas e medievais. E a sua vinícola, junto com outras da região, compõem a chamada Côte D’Or dos vinhos, brancos e tintos.

É também estratégica porque, por exemplo, fica ao sul de Dijon, outra cidade medieval, bastante conhecida por sua culinária, com destaque para a mostarda. Fica a nordeste de Autun, cidade do Chanceler Rolin, político muito importante da região, na Idade Média.

Beaune é uma cidadezinha da idade média tipicamente francesa, simpaticíssima. Possui várias atrações, mas o destaque mesmo é o hospital-museu L’Hospice de Beaune, também chamado Hôtel Dieu. Foi fundado em 1443 pelo chanceler Nicolas Rolin, natural de Autun, na Borgonha, e sua esposa, Guignone.

A Guerra dos Cem Anos deixou como herança muita fome e pobreza para os borgonheses. Casal muito católico, possuidor de sensibilidade social muito elevada, preocupavam-se com o sofrimento das classes inferiores borgonhesas. Assim, resolveram criar um hospital para as pessoas carentes. Durante o resto da sua vida, o casal destinou-lhe uma subvenção anual e participação nos vinhedos e usina de sal.

O hospital possui o telhado multicolorido, proporcionando um efeito visual muito atraente e agradável. Ao conhecê-lo, acessamos inicialmente pela cozinha. Como todas as instalações do hospital, muito bem conservadas, a cozinha está toda montada com a reprodução de uma cena do seu dia-a-dia. Bonecos de cera animados representam freiras, cozinheiras e ajudantes de cozinha, umas lavando louças, esfregando o assoalho, e outras depenando um pato ou destripando um coelho.

Lá dentro tivemos acesso a um imenso salão, que tem em seus lados leitos individuais. Cada leito continha seu próprio equipamento: uma caneca de cobre, escarradeira, jarra e urinol, todos do mesmo material.

A ala seguinte, em ângulo reto com a primeira, uma enorme enfermaria com camas que eram usadas para realizar cirurgias. Nesta ala, duas estruturas no piso chamam atenção. A primeira é uma fenda transversal, longa e estreita, com poucos centímetros de largura. A guia turística nos explicou que era por essa fenda que escorria toda a água suja da lavagem do salão, despejada sobre o canal, que passa logo abaixo do hospital.

A outra estrutura tem uma explicação macabra: trata-se de um buraco redondo, largo, tampado por uma grande peça de metal. Por ele eram jogados restos de membros amputados e outras peças cirúrgicas.


Na região mais central da Borgonha existem duas distintas regiões vinícolas: a Côte de Beaune e a Côte de Nuits. Juntas elas compõem a Côte D’Or, uma longa linha de vinhedos que se estende de Dijon a Santenay. Beaune é chamada de “capital do vinho da Borgonha”.

Após a visita ao Hôtel Dieu, fomos conhecer o Museu do Vinho de Borgonha, no centro de Beaune.

Neste museu, instalado em um belíssimo prédio, o antigo Hotel des Ducs de Bourgogne, nós tivemos a oportunidade de acompanhar a história da vinicultura na região central da França.

Nele pudemos ver como evoluíram os equipamentos de produção agrícola, e os recipientes para a deliciosa bebida, desde alforjes até as garrafas dos dias de hoje, passando pelas ânforas de cerâmica. Também conhecemos a evolução dos modelos de taças, com a especificação do uso de cada uma. O museu conta, também, a história dos artifícios usados para vedar os recipientes, desde o cimento feito à base de osso moído até a rolha.

À noite fomos até o restaurante Le Fleury para conhecer a mais célebre atração gastronômica da Borgonha: o boeuf bourguignon!

Este prato tradicional da Borgonha é um ensopado à base de carne de gado charolês e vinho borgonha, claro. Além disso, são utilizados cogumelos, cebola, bacon e bouquet de garni, que são ramos de ervas aromáticas. O prato é acompanhado por batatas e torradas com alho.

Considerada uma das melhores da França, a iguaria é também o prato mais representativo da Borgonha. São necessárias muitas horas de cozimento em fogo baixo. Há chefs mais exagerados que levam pelo menos um dia até o prato ser considerado pronto para ser degustado.

Com este jantar demos por encerrada a nossa visita à cidade de Beaune. No dia seguinte partimos para conhecer a Abadia de Fontenay, tema da próxima crônica de viagem.


comente
  1. Mais um roteiro de viagem narrado com extrema maestria. Parece que viajamos juntos com o escritor. Parabéns Zé Mário!

    ResponderExcluir
  2. Este era um dos roteiros que ainda nos faltam realizar e que, infelizmente, não sabemos quando poderá ser cumprido.
    Com uma descrição desse porte, aumenta sobremaneira o encanto pelo Vale do do Loire e sua vizinha Borgonha, que, ficam, neste momento de algumas angústias, no rol dos projetos a concretizar.
    Por enquanto, é só degustar essa imagem tão precisa que nos é dada.

    ResponderExcluir

leia também