Na província em que o garoto morava, ainda não havia televisão: o cinema e os gibis (as revistas em quadrinhos) formavam o imaginário de c...

Shane e o garoto

literatura paraibana cronica bullying escolar faroeste violencia influencia criancas
Na província em que o garoto morava, ainda não havia televisão: o cinema e os gibis (as revistas em quadrinhos) formavam o imaginário de crianças e adolescentes do seu tempo, e o faroeste era o gênero preferido daquela molecada.

É incrível como os pais da época, tão autoritários, tão controladores, tão repressores e tão cuidadosos, não percebiam os traços de barbárie daquele gênero e deixavam os filhos freqüentarem os filmes e os gibis
de faroeste como se estivessem indo à santa missa. O faroeste, exibindo a lição de que o crime não compensava, dificilmente conseguia passar esta lição. O que a molecada aprendia mesmo era a transportar o faroeste do outro continente e do outro século para o interior da Paraíba: a ser brabo, a brigar por qualquer coisa, a promover brigas entre colegas, a urrar com cada murro, a aplaudir a pancadaria. Os pais, tão vigilantes em coisas menos relevantes, não enxergavam que o imaginário do faroeste não terminava no gibi ou na sala de exibição: atravessava a capa das revistas e a porta dos cinemas e se materializava rua afora, só voltando à fantasia quando os garotos chegavam em casa.

Um dos faroestes da época marcou o garoto indelevelmente: Shane (Os brutos também amam, no Brasil). O filme pode ser resumido assim: é a história de um garoto (Joey Starret) que tem sua pacífica família ameaçada por um latifundiário prepotente e desonesto, até o dia em que surge Shane, o herói (o mocinho, como se dizia na época) disposto a ajudar a família do garoto a enfrentar o bandido latifundiário. Joey não só passa a sentir-se seguro, como, deslumbrado com aquele mocinho solidário e destemido, passa a tentar acompanhar cada passo daquele mocinho, que, ao olhar do garoto, se torna um misto de herói de carne e osso e, ao mesmo tempo, lendário. Não bastasse, no final, o garoto participa ativamente da história, virando, também, herói.

literatura paraibana cronica bullying escolar faroeste violencia influencia criancas
Hoje, é difícil imaginar o poder de comoção provocado em uma criança ou em um adolescente por um filme de faroeste no qual o herói contracena o tempo quase todo com um garoto, que o acompanha em todas as suas façanhas e que chega a participar da ação decisiva da história. Nos momentos mais significativos do filme, o olhar da câmera se confunde com o olhar do garoto Joey, que se confunde com o olhar do espectador. Para aqueles garotos que viviam o faroeste nas ruas de uma província, era fácil comover-se com Shane, e vendo Shane, no escurinho do cinema, o garoto provinciano era transportado para a tela: ele era o próprio Joey, vivendo cada perigo com Shane, que virava seu amigo e o protegia e que seria salvo por ele mesmo (o garoto), no final.

Os colégios daquele tempo eram um faroeste sem Shane. Ali, o mundo de crianças e adolescentes estava separado do mundo do faroeste por uma imaginária portinhola móvel de “saloon”. Ao atravessar a porta da sala de aula para o corredor, todo o resto do mundo de crianças e de adolescentes era um “saloon”, do qual se retornava com dificuldade para o mundo sensato, que era o lar de cada um.
literatura paraibana cronica bullying escolar faroeste violencia influencia criancas
Entre o colégio e o lar, o mundo daqueles garotos regredia à barbárie da lei do mais forte e, adotando as regras do imaginário faroeste para cruzar a fronteira da violência, certamente era mais cínico e hipócrita do que o mundo bárbaro, porém transparente, do faroeste de verdade. No colégio, nas ruas, nos campos de futebol, na saída do cinema, às vezes até no átrio das igrejas, os garotos medrosos eram vítimas dos brabos, que se achavam os próprios bandidos provocadores dos filmes de faroeste. Esses “brabões” não se contentavam com provocar até conseguir brigar com os que não sabiam trocar murros, mas ficavam jogando os próprios medrosos uns contra os outros e os açulando até conseguir promover uma briga. No colégio, era raro o dia em que não havia uma briga na hora do recreio ou do lado de fora do portão, vivida ou promovida e dirigida pelos “brabões” e assistida pela molequeira, aos uivos e gargalhadas...

Tendo cruzado, aos 11 anos, a móvel portinhola do “saloon” com Shane do seu lado, aquele garoto, como a Cecília de A rosa púrpura do Cairo, se pudesse, nunca mais teria saído da sala de cinema nem daquele filme. Somente com Shane ao lado, o garoto sentia-se Joey, e nada de mal poderia lhe acontecer.

Hoje, não há mais faroeste nas telas, mas sempre que o menino antigo revê Shane em DVD, volta a ser Joey outra vez.

comente

leia também