Suicida Autêntico, me interrompo, e quando leres estes versos não saberei de meu êxito. Histeria Recordo esse cort...

Breve dicionário poético da loucura

Suicida
Autêntico, me interrompo, e quando leres estes versos não saberei de meu êxito.
Histeria
Recordo esse corte, essas cicatrizes repetidas, e a milimétrica cautela de preservar espaços vazios. Desabo contorcido na gratuidade dessa inconsciência fingida.
Divã (a visão do analisado)
Pago e me deito para contemplar meus vazios. Pago e me destruo para ser aceito. Pago minutos lacanianos de suspense e lágrimas. Pago, e sou interrompido na súbita solidão do divã.
Divã (a visão do analista)
Eis meu presente: esse falso (re) pouso.
Fobia social
O abrupto medo – temor –antecipado dos olhos, dos homens.
PARANÓIA
O minuto dividido em sessenta pressentimentos.
TAB*
Tampar o rosto eufórico para enxugar uma lágrima de desespero. * transtorno afetivo bipolar
TOC*
Não interromper o ato continuo de repetir. * transtorno obsessivo compulsivo
Ansiedade generalizada
Passos apressados, peito apertado, – arfante– no instante imperfeito, no contínuo suspiro que se arvora .
Narcisismo
Malhar os músculos, dar uma mijadinha e alisar o cabelo com a mão suja do pinto.
Sonho
Plantar balas para brotar drops
SILÊNCIO
"... o silêncio é uma espessura." (Francisco Bosco) Encontre um tecido, qualquer papiro, revire essas coisas mirabulosas, - as páginas ávidas de luzeiros -, derrame o risco, desfaça-se em crostas. O mais é o menos desejado - míope de poesia, ruína, passo inútil, essa miragem na imensidão, acinte, avidez da boca, verdade fútil. Mora, remora, demora e vai, perseguindo o silvo do ignorado, pio despido, vazio entornado. Vadio silêncio, tinta incrustada, no inaudito desmundo de um nada, que reveste tudo, ladrilho, estrada.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

leia também