Há mais ou menos 100 anos, a radiodifusão irrompeu no mundo criando novos paradigmas para a Comunicação. O dramaturgo alemão Bertolt Brecht...

Réquiem para o coronelismo midiático

josinaldo malaquias decadencia midia tradicional ambiente de leitura carlos romero

Há mais ou menos 100 anos, a radiodifusão irrompeu no mundo criando novos paradigmas para a Comunicação. O dramaturgo alemão Bertolt Brecht saudou o novo meio como uma concretização da ágora ateniense, ou seja, um espaço para a participação democrática em todas as esferas da vida, por intermédio da livre manifestação da opinião.

josinaldo malaquias decadencia midia tradicional ambiente de leitura carlos romero
Os “coronéis”, ou seja, os proprietários dos impérios de comunicação perceberam o potencial do rádio e, cooptando pífias e subservientes representações políticas, impuseram rígidas normas para a exploração da radiodifusão, dividindo-a com verdadeiros clãs e castas.

A mídia tradicional brasileira, por exemplo, encontra-se na mão de grupos familiares – Marinho, Saad, Macedo, Mesquita, Frias, Civita, Carvalho e Sirotsky – numa estrutura mais fechada do que as capitanias hereditárias. São os “coronéis” e “barões” da imprensa, que postulam a “ferro e fogo” e “no peito e na raça” a condição de pseudo deuses da “política dos corações e mentes”.

O advento da Sociedade de Informação, resultante da junção das Ciências da Informação + Ciências da Comunicação + Ciências da Computação, possibilitou, através das redes interativas, um novo paradigma de comunicação no qual o cidadão passa a questionar o processo unipolar da disseminação das notícias. Igualmente questiona os limites éticos, revelando que jornalista sem ética tem como destino o ostracismo e o descrédito. Daí a vertiginosa queda de audiência das televisões abertas e o fechamento paulatino de jornais impressos.

josinaldo malaquias decadencia midia tradicional ambiente de leitura carlos romero
No entanto, os “coronéis” e “barões” da mídia tradicional têm que achar um bode expiatório para o ocaso das suas práticas. Nesta semana, o grupo Folha começou a se insurgir contra as novas formas interativas da comunicação buscando “regulamentação” destas. Isso significa a tentativa de manietarem a opinião do cidadão comum, semelhante ao que fizeram com o processo de radiodifusão.

É verdade que nas redes interativas são veiculados fakes, opiniões tendenciosas, maldosas e tudo que caracteriza a condição humana. No entanto, isso não é culpa da internet não. E os programas e jornalecos sensacionalistas que não passam de assassinos de honras e de reputações?

O que se omite é que determinados portais, aqui e alhures, têm formados novas paradigmas de comunicação com textos analíticos e reportagens desveladoras da realidade. Isso sem a farsa da alegação de “linha editorial”, ou seja, uma espécie de licença para desacreditar aqueles que reagem e são contrários às práticas nefastas, abusivas e tendenciosas.

Novos portais têm mostrado o que é a convivência com a diversidade, sem agressões, sem trocas de insultos e sem ameaças. Com isso, decretam o fim do circo da notícia e do show da morte. É o réquiem para o coronelismo da notícia que se deteriorou diante das novas concepções de liberdade, ética, diversidade e esclarecimento.


Josinaldo Malaquias é jornalista, advogado e doutor em sociologia
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Obrigado, Alberto e Milton. Vocês me encabulam porque isso é o óbvio.

    ResponderExcluir

leia também