Quando injetava sangue novo em formas poéticas já debilitadas e conseguia soerguê-las sob uma nova aparência, Mario Quintana procedia com...

Mário Quintana

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana sergio de castro pinto mario quintana surrealismo poema livre
Quando injetava sangue novo em formas poéticas já debilitadas e conseguia soerguê-las sob uma nova aparência, Mario Quintana procedia como um “construtivista”. E quase sempre procedeu como tal, já que possuía um temperamento oposto ao de Oswald de Andrade, cuja fama de “demolidor” fez história nos arraiais do modernismo e fora dele.

Mas entre não ser um “demolidor” e receber a pecha de epígono desse ou daquele movimento poético vai uma diferença muito grande. Tão grande que chega a soar como uma clamorosa injustiça tachar de epígono logo quem, apesar de tributário do parnaso-simbolismo, do surrealismo, do modernismo e de outros tantos ismos que tenham confluído à sua poesia, jamais arredou o pé de seu hábitat natural.
Enfim, quem não se filiando a nenhuma escola terminou sendo um contemporâneo de si mesmo, um poeta de formação clássica, mas congenialmente moderno.

Aliás, segundo Quintana, a maior conquista da poesia moderna não decorre da associação de idéias, mas da associação de imagens, concepção que o aproxima do surrealismo, cuja ênfase conferida à imagem é uma constante. Que o diga Aragon, para quem “o vício chamado Surrealismo é o emprego desregrado e passional da estupeficante imagem, ou melhor, a provocação incontrolável da imagem por ela mesma e pelas perturbações imprevisíveis e metamorfoses que ela carrega no domínio da representação, pois cada imagem, a cada vez, ordena uma revisão de todo Universo”.

Já o Quintana híbrido, a um só tempo clássico e moderno, além de se manifestar no plano da prática, pode ser visto pelo menos a partir de dois textos através dos quais emite alguns postulados teóricos sobre a “ars poetica”. São eles “Resposta” e “Carta”, ambos publicados em “Caderno H”.

No primeiro, respondendo ao jovem poeta Liberato, cujo nome fictício é uma referência explícita ao ponto nodal de suas reflexões, Quintana adverte que o verso-librismo libertou o verso, mas não o poeta. Conclusão, diga-se de passagem, diametralmente oposta ao “modus operandi” de Liberato, “que se sente muito a gosto em poetar de mão livre e coração aberto”.
ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana sergio de castro pinto mario quintana surrealismo poema livre
Mário Quintana
E continua: “Havia, antes, uma arte poética cujos rudimentos estavam ao alcance de todos e que, se não ensinava a fazer um poema perfeito, ao menos permitia fazê-lo sem imperfeições. // Agora, qualquer poema é uma aventura, boa ou má. O poema livre, como o seu nome diz, não é obrigado a ter versos de medida clássica, muito embora os possa ter, visto que um bom verso clássico é tão natural ou expressivo como outro qualquer. Mas se as linhas do poema que você estiver fazendo ‘livremente’ não se complementarem, se o todo não apresentar uma misteriosa unidade, o poema se desagrega. Tudo tem que estar interdependente, como num sistema planetário. O poema livre é um jogo de equilíbrio prestes a desabar ao mínimo descuido do construtor”.

Quintana tampouco dispensa críticas aos que armam o poema em versos regulares e muito menos aos parnasianos, pois se a tarefa dos primeiros se configurava tão segura quanto empilhar paralelepípedos, esses últimos pareciam utilizar uma rede de proteção com o receio de que, perdendo o equilíbrio, pudessem sofrer uma queda desastrosa. Eram, portanto, precavidos por natureza.

Quanto ao fato de não ministrar ou prescrever normas das quais o jovem poeta pudesse fazer uso no ato da criação, atenta que não há regras ou truques quando o assunto é poesia. “Ou, por outra, há. Mas isso depende do livre esforço de cada um. O verdadeiro criador é como esses presidiários que forjam, por si mesmos, as próprias armas...”

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!
  1. Parabéns👏👏👏👏👏👏👏
    Sergio Castro Pinto!!! uma verdadeira aula sobre o " Poetar" ..baseando sobre Quintana ..então referência para nortear seu objetivo didático!!
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir
  2. A "liberdade" com aspas do poeta moderno tem muito do voo de Neil Armstrong que, antes de que o Homem se livrasse da gravitação e atmosfera terrestres, teve de saber tudo sobre elas ... e sobre todas as outras coisas de que Sérgio de Castro Pinto é mestre.

    ResponderExcluir

leia também