Ainda Desde o primeiro instante em nos encontramos Das ondas de prazer aos rios de amargura Muito tempo se escoou, um sécu...

Um barco chamado sonho

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana sonho passaro na poesia mares tempo amor reflexao poetica milfa araujo valerio

Ainda
Desde o primeiro instante em nos encontramos Das ondas de prazer aos rios de amargura Muito tempo se escoou, um século talvez... Pois o tempo no amor é diferente Porém, quanto mais penso Mais reencontro em mim secretamente Os delicados perfumes, a mágica ternura O milagre da beleza Desses momentos de ser. Imagens ainda nítidas de um álbum misterioso Que se oferece aos ventos que sopram As mais belas lembranças. Antes da neve
Sobretudo é preciso Dizer muito obrigada e recolher em festa Os poucos raios louros que ainda restam. É preciso deixar-me Invadir de calor, esse calor vasto vento A embalar esperança, Flutuante em coração de mar, Talvez num barco Chamado sonho. Delírio
Ficou no olhar Siderado o flagrante Do alvo impossível A um passo da mão. Bailou na festa Que a alma inventou Num ínfimo instante E a vida não. Marcou lá dentro E escapou dançante O sonho suspenso Abismo e canção. Despedida
Hoje, quando o sol se puser, bem de tardinha E de novo amanhã, quando nascer Onde estarás? Contemplarei a forma que te guardava Agora, então vazia De tudo que te inspirava e te movia De tua essência, teu verdadeiro ser, Pela última vez. Na fria madrugada, como estrela silente Com uma frase partida Interrompendo o refrão da canção mais dolorida Teu sopro se evolou. Tenho medo do meu coração Apanhado no mistério dessa travessia Atônito, impotente. Contemplo-te paralisada Outra vez à porta de uma ordem transcendente Sem chave, sem consolo, sem nada. Marés
De repente, o medo invade tudo: A paisagem, a conversa Minha reflexão. Nenhum pássaro voa na grande tela azul! Borboleta nenhuma Nada! Nada! Só um resto de vida em estertores Num formidável esforço para resistir. Fazendo-se afronta em vez de oferta Com abraços de tormentas e beijos de marés. Marés... Tenho medo! Tenho medo de não ter Do que ainda ter medo.


comente
  1. Parabéns Milfa!!!
    🙌🙌🙌🙌🙌🙌🙌🙌🙌Recebemos mais uma leva de lindos poemas!!!
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir

leia também