Coube ao governo do professor Tarcísio Burity dirigir as exéquias do 10 de março de 1980, quando a cidade se deu conta do que acabara d...

De volta ao Olho d'Água

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana jose americo almeida gonzaga rodrigues alagoa nova engenho olho dagua tarcisio burity fcja
Coube ao governo do professor Tarcísio Burity dirigir as exéquias do 10 de março de 1980, quando a cidade se deu conta do que acabara de ouvir pelo rádio, cedo da manhã, nas últimas palavras de um mito vivo, internado na antevéspera, José Américo, encerrando o discurso de toda uma vida: “Tudo.......consumado”.

Vem o telefonema de Alceu Amoroso Lima, acordado, no Rio pelo repórter de A União: “Volto a repetir, nesta hora de luto para a cultura brasileira, o que já disse, em dois discursos, e que o seu final de vida só o faz confirmar: “morre o homem mais representativo do Nordeste”.

Consumado o homem, consumado o modelo? Não veria assim o governador de então, em relação ao morto sempre em posição de discípulo: “A tragédia humana na obra de José Américo não é aquela que os gregos atribuíam a um desígnio dos deuses. Nem a que os clássicos dos séculos XVI e XVII consideravam fruto do destino. Nos seus livros, a tragédia humana é algo muito mais denso, porque concreto, nascida da vontade do homem. É a tragédia social, criada pelos que não têm consciência nem sensibilidade para tratar dos problemas da terra e do homem. (...) É a revelação desse drama que compõe a grandeza de José Américo”. E vincula a essa missão de convicto, o homem de ação, de atitudes, desde o ministro de 1932, que revigora as Obras Contra as Secas de Epitácio, do candidato missionário à Presidência, ao homem do grito, assim tachado quando rompeu a censura que segurava a ditadura de Getúlio.

Homem de ação, de grandes realizações e de pensamento e de letras. De longa convivência nos planos mais altos sem prejuízo do seu natural, dos pratos do seu gosto, das plantas do seu quintal, da linguagem da sua gente. Perguntei, à saída do velho pescador que conversava com ele: "— Ele fica à vontade com o senhor!?”. E o herói recolhido que as grandes lideranças vinham visitar e ouvir me responde, naturalmente : “Ele é que me deixa à vontade”.

De tanto ver em José Américo o precursor e, ao mesmo tempo, o mentor de uma cultura com os ares da terra e a resistência do homem, o governador Burity não esperou passar o luto para perceber o papel simbólico e a influência educativa e ao mesmo tempo imperiosa da casa de José Américo como fundação cultural. Além de preservar a memória do grande homem, único em qualquer meio ou ocasião, continuaria a convocar as inteligências da Paraíba e do Nordeste para o estudo, a reflexão sobre a região onde nasceu o Brasil.

O êxodo, ao tempo de José Américo, era o da seca; no tempo de Celso Furtado era o da zona rural para a urbana. Quem sabe, hoje, se já não se pode discutir o êxodo ao contrário, i.e., da volta aos campos, secos ou verdes, hoje desabitados.

As cidades já não cabem mais e, nas crises de fome ou sanitárias, como as de agora, o aceno de José Américo não seria outro senão para as terras do Olho d’Água, o engenho onde nasceu. Talvez, lá, nem precisasse de máscara. As técnicas, os meios são outros, os fins continuam os mesmos, quase intocados.

É o que me ocorre lembrar nesse 10 de janeiro, 134º ano de nascimento do grande patriarca.

comente via facebook
COMENTE
  1. A protagonista do filme Seis Graus de Separação conta que subiu nos andaimes que havia na Sistina, para restauração da pintura do teto, feita por Michelangelo e disse: "Dei um tapa na mão de Deus". É - também metaforicamente - o que sinto que fiz ao discutir com José Américo de Almeida a análise que fizera dele e de sua obra, no terraço de sua casa em Tambaú. Como seu personagem Lúcio é, para mim, o mesmo Lucius Junius que, ao se fazer de louco, para não ser morto como o pai, ganha o apelido de Brutus - que passaria a ser o de sua família - tornando-se base para a tragédia shakespeariana do Hamlet, senti, ali, a oportunidade única que Ernest Jones não tivera... de discutir com Shakespeare sobre o que escrevera a seu respeito em Hamlet e o Complexo de Édipo. Fui bastante combatido na época,em João Pessoa, meu livro - Zé Américo foi Princeso no Trono da Monarquia, editado pela Codecri - esquecido, mas esse momento me ficou em placa de bronze na memória, como o outro, em que ele foi com Lourdinha ao Banco do Brasil, onde eu trabalhava, pedir que publicasse logo o que escrevera, para que - ainda estando vivo - me respondesse, detalhe por detalhe. Consegui - bem antes da publicação da Codecri - que o livro saísse em capítulos no Correio da Paraíba, mas jamais tive retorno do escritor. Ele deve ter sentido o respeito com que o estudei e à sua obra-prima.

    ResponderExcluir

leia também