Tomé era um homem preguiçoso. Ninguém sabe o porquê, mas já faz uns anos que bateu uma imensa preguiça nesse cidadão. Preguiça daquelas, b...

Um corpo rio abaixo

literatura paraibana conto preguica anedota delegado policia
Tomé era um homem preguiçoso. Ninguém sabe o porquê, mas já faz uns anos que bateu uma imensa preguiça nesse cidadão. Preguiça daquelas, bravas. De fazer inveja àquele bicho de unhas compridas que carrega no nome o estigma da inércia, da lombeira, do marasmo, da sornice e não sei mais lá quantos desses adjetivos. Sabem de qual bicho estou falando, não sabem? Pois é ele mesmo. Tanto foi que nosso amigo passou a ser chamado de Tomé Sossego ou Doutor Sossego, já que era delegado de polícia na cidadezinha que aqui chamaremos simplesmente de P.

É bom que saibam, P era bucólica, bem organizada, com uma agência dos Correios, outra do Banco do Brasil, uma UPA e tudo que era necessário para elevar o IDH daquelas quase cinco mil almas que habitavam o município. Tão aprazível era a localidade que trabalho mesmo, Doutor Sossego não tinha. Em sua delegacia a única cela existente vivia às moscas. Essa nossa autoridade, mais um cabo e dois praças gastavam as horas jogando truco, vendo revistas de mulher pelada. Ocorrências? Uma galinha que desaparecia de um quintal e podia surgir ao molho pardo em alguma panela, mais que isso ali nada acontecia por lá. Cronos, vez ou outra, buscava dali algum vivente com a certidão de nascimento vencida para o escolhido colocar os assuntos em dia com Deus. Um velório hoje, outro dois anos mais para frente. Além disso, quase nada. Lá em P até o tempo parecia ter preguiça..

Voltando à autoridade em questão...

Sol baixando, Doutor Tomé e o soldado Jurandir costumavam dar uma função à viatura oficial e embarcavam nela até o rio J que passava a três quilômetros dali. Rio caudaloso, de corredeira brava, havia engolido gente tempos passados. O povo tinha respeito por aquelas águas, ninguém ousava nadar ali, só pescar como gostava de fazer Doutor Sossego nas tardinhas ensolaradas.

O povo, à boca pequena, comentava a folga daquele funcionário do governo.

- Emprego desse, quem não ia querer? – questionava um.

- Esse não vai se aposentar, já está - reclamava outro

A uns treze quilômetros dali, rio abaixo, outra cidadezinha, bem parecida: H, com um pouquinho mais de gente, uns seis mil se tanto e um delegado, este sim, o Doutor Almeida, bravo e valente. Cioso das obrigações, sua delegacia era um brinco. Como as ocorrências eram poucas, nosso delegado vivia levando gente ao médico, arrecadando fundos para distribuir cesta básica; enfim, exercendo com plenitude sua cidadania.

Não gostava de Tomé. Haviam sido contemporâneos de faculdade e o preguiçoso, que à época nem era tanto, dizem, andou dando uns pegas naquela que um dia viria a ser a senhora Almeida. Daí o enguiço. E mágoa por esses motivos são para sempre. Almeida, que também era muito religioso, vira e mexe, desancava impropérios no lombo do colega rio acima

- Aquilo é um traste, devia ser exonerado. Preguiça é pecado. É bom que aquele vagabundo saiba disso.

Doutor Tomé ficava sabendo das ofensas, mas sacudia os ombros com descaso e rebatia.

- Inveja também é pecado, será que ele não sabe?

Mas um dia, não é que aparece bem perto de onde o Doutor Sossego pescava, enroscado nuns aguapés, um corpo boiando? A notícia correu ligeiro. Não deu nem uma hora do momento que o alarme foi dado e estava assim de gente à margem do J, para ver o defunto. O povo estava até curioso em saber de quem seria aquela carcaça em decúbito dorsal, mas queriam mesmo era ver Doutor Tomé trabalhar.

- Hoje aquele safado trabalha.

- Finalmente um serviço pro folgado.

- Ufa, uma ocorrência. Hoje aquela criatura vai pro batente.

Quase escurecendo, chega ele e seu eterno escudeiro, o soldado Jurandir. Cigarro no canto da boca, chapéu meio de banda, nó da gravata já frouxo, Doutor Tomé, com ares de quem estava muito compenetrado deu uma olhada cuidadosa e perguntou.

- Alguém sabe de quem é esse corpo? – ninguém sabia - então vou ter que resolver essa situação – disse nosso delegado.

A pequena multidão, se mostrou surpresa, mas ficou firme querendo saber como Doutor Sossego iria finalmente desvendar algum mistério, resolver um caso.

- Jurandir, vai ali, me corta um bambu e traz aqui,

Jurandir foi, cortou uma vara de uns três metros e trouxe para o Doutor Tomé. Com ela, o delegado desvencilhou o corpo da vegetação e este ligeiro ganhou a correnteza que foi levando o cadáver rio abaixo. Em seguida limpou as mãos, acendeu um cigarro e comentou:

- Estou mandando um serviço pro Almeida. Não é ele que gosta de trabalhar?

comente

leia também