Tento apurar a atenção, sobretudo as ouças, no que está dizendo o comentarista acerca das razões ou interesses de fundo e de impérios de...

A araponga e o que me lembra

Tento apurar a atenção, sobretudo as ouças, no que está dizendo o comentarista acerca das razões ou interesses de fundo e de impérios dessa invasão russa para deter o alinhamento da vizinha Ucrânia aos países da OTAN.

Estou nessa, a luz do entardecer já me aconselhando a acender a da Energisa, quando sou subitamente arremessado de mim e, por pouco, da cadeira em que me achava, agredido pela sonora violência de uma batida aguda de ferro ou de bigorna a um metro de minha janela. Janela alta de edifício urbano sem nenhuma mata mais próxima que justifique a visita.

Rudimar Cipriani
Respiro, recobro-me, e não acredito no que vejo: a um metro do meu susto a remota e longínqua araponga do antigo vizinho do Tambiá, no mesmo tom esverdeado da cabeça até o gogó, o resto das vestes de um branco azulado, aquele mesmo olhinho cintilante e duro, e de bico aberto como se tivesse pousado por cansaço, nem tanto dos quilômetros voados como dos cinquenta e mais anos de distância no tempo.

Numa puxada atrás de casa, seu Terto mantinha engaiolado esse bigorneiro então popularíssimo, presente em terraços e quintais de dezenas de amadores. “Cantor extraordinário das matas litorâneas” na bela descrição de Heretiano Zenaide, em seu precioso livro “Aves da Paraíba” . “Aí (nas matas) tem ele sua tenda e tange o ferro sobre o ferro, na hora solene do entardecer”.

É o famoso ferreiro que andou pelo meu telhado de infância rural. Presença incomum na região brejeira, e por isso marcante, inesquecível aos ouvidos de quem só tinha a passarada nativa como orquestra, dispersa durante o dia, mas invisivelmente reunida, completa e bem regida para receber ou se despedir, em cantata, do sol. Quando ouvi a “Fuga de Carlos Romero ou de Bach vagando na API da minha chegada aqui, só me lembrei da minha aérea passarada.

Mike & Chris
No tempo de curumim rural isto não chegava a ser lírico ou poético por ser a rotina. Como é rotina, sem muito encanto, a voz estridulada do bem-te-vi nas manhãs do meu arredor de hoje. Sobretudo para quem se deteve espantado, anos atrás, só para assistir, ao sol da manhã, a tirânica ferocidade desse pássaro para fazer de uma feia e mansa lagartixa a sua primeira refeição. Incrível como dois bichos de aparente insignificância protagonizam crueza tão selvagem!

Mexo-me, o ferreiro ou araponga dá-se por satisfeito, retoma seu voo, e saio atrás do velho Heretiano. Só a distância me consente hoje a liberdade desse tratamento. Menino, o que me chagava por ouvir dizer, trazida pelos ventos vizinhos de Alagoa Grande, era a fama do usineiro. Crescido, já colega de ofício do seu filho Hélio, avistava-o de barbas veneráveis em seu terraço ali pela Maximiano. Mas me liguei a ele, a sua memória, à sua verdadeira grandeza, quando li o “Meu herbário cariri” e, logo depois, “Aves da Paraíba”, obras raras do relicário natural e cultural da Paraíba e do Nordeste. Pena que me tenham levado ou não tenham devolvido o “Meu Herbário Cariri”. Se voltassem os tempos, eu o faria editar pela “Biblioteca Paraibana” de saudosa memória.


DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!

leia também