Se Goethe tivesse morrido aqui, no Brasil, sobretudo nesta manhã de sol, evidente que ele, no momento de fechar os olhos para o mundo, não ...

Luz... mais luz!

sol chuva sertão beleza cronica carlos romero

Se Goethe tivesse morrido aqui, no Brasil, sobretudo nesta manhã de sol, evidente que ele, no momento de fechar os olhos para o mundo, não rogaria, dramático:"Luz, mais luz!"

É que no momento em que escrevo esta crônica, faz uma bela manhã de sol. Nem parece que houve tanta chuva na cidade. Longe de mim estabelecer qualquer discriminação entre o sol e a chuva, pois ambos são necessários em nossa vida. Falte água ou falte luz, a reclamação será geral.

Acontece que a maioria das pessoas detesta a chuva, com exceção dos nossos irmãos sertanejos, que a adoram. Se houvesse um plebiscito para se saber quem é o mais querido, se o sol ou a chuva, não há dúvida que esta sofreria uma fragorosa derrota.

Quando abrimos a janela, manhã cedo, e recebemos no rosto a luz do sol, poeticamente bradamos, eufóricos: "Que belo, dia!". Tal exclamação não se ouve diante de um tempo chuvoso. Talvez há até quem pragueje: "Diabo desta maldita chuva, agora!".

Somos assim, irreverentes com a chuva, como se ela também não fosse uma benção divina. Vejam lá se os pássaros ficam tristes quando chega o aguaceiro... Pelo contrário, põem-se a cantar, alegres e felizes. Pelo menos é o que acontece com o papagaio aqui de casa, que não cabe em si de contente quando vê a água caindo do céu. Grita que só ele. Mas os homens...

A chuva provoca desastres, calamidades, derrubando casas e árvores, destruindo barreiras, soterrando pessoas, inundando ruas... Mas de quem é a culpa de tudo isso que acontece? Da chuva ou dos homens? Dos homens, é claro. Por que as autoridades deixam as galerias entupidas? Por que providenciam um melhor sistema de escoamento das águas? A chuva serve de teste para as nossas imprevidências. Não a culpemos. Culpemos a nós mesmos.

Que venha, pois, a água. A água que mata a nossa sede, que limpa as nossas sujeiras, que faz o mar, os rios e os lagos. E que venha também a luz, que ilumina e aquece. Tanto a chuva como o sol merecem a nossa saudação, a nossa veneração. Jamais direi diante de um dia chuvoso - "Que dia feio!" Feia é a nossa visão das coisas.
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também