Vai, aqui, um teste para você. Será que seu olhar já foi atraído pelos coqueiros das praias de Tambaú e Cabo Branco? Ou passou indiferent...

Saber olhar

coqueiro praia tambau cabo branco joao pessoa ambiente de leitura carlos romero

Vai, aqui, um teste para você. Será que seu olhar já foi atraído pelos coqueiros das praias de Tambaú e Cabo Branco? Ou passou indiferente a eles, como se fossem postes? Lembrem-se de que nem sempre quem olha, vê. Ver é outra coisa, é olhar com profundidade, com o sentimento.

Mas vamos à crônica. Ao sair da avenida Epitácio Pessoa, ao invés de olhar para o busto de Tamandaré, que, por sinal, está de costas para o mar, dê uma espiada nos muitos coqueiros daquela orla, com seu perfil feminino, e veja como eles são belos. Aí me chega à memória aquela modinha, cantada nos cocos da praia (coco, aqui, é a dança folclórica), e que dizia assim: “Segunda-feira, vou comprar um sítio, os coqueiros estão bonitos à beira-mar...”

Só isso. E, aqui para nós, nada encanta mais os nossos olhos do que um coqueiral. Como os coqueiros lembram pontos de admiração! Admiração pela paisagem, que tanto embeleza a vida e que tanta admiração causa!

Os coqueiros, é verdade, não dão muita sombra, mas dão frutos, cuja água parece limpar, não só os rins, mas a alma. E como ela é pura, hidrata e nutre! Bem que poderiam substituir o vinho de missa pela água de coco.

Meu pai dizia que a água de coco é a melhor bebida do mundo. Não embebeda, não enjoa e parece purificar a alma.

Assim como na Índia a vaca é sagrada, o mesmo poderíamos fazer aqui com a água de coco.

Mas o coqueiro não dá apenas água. Do coco se faz tanta coisa... canjica, pamonha, tapioca, molhos, cocada, doce, e por aí vai. Além disso, ele dá palha para cobrir as choupanas e caiçaras, e do seu tronco se faz cercas, bancos, mesas...

Tiremos os olhos dos espigões que esmagam e asfixiam as cidades, que dificultam e impedem a passagem do vento e do sol, e olhemos para os coqueiros das praias, com o mesmo lirismo com que Jesus contemplou os lírios do campo...

E fico a refletir. Por que o coco, o fruto do coqueiro, é tão duro de abrir, exigindo uma foice? Tão diferente da maçã, da banana e de outras frutas, com exceção do nosso abacaxi e da jaca?...

Mas voltemos aos coqueirais de Tambaú e Cabo Branco. Ali, os coqueiros parecem sentinelas defendendo a praia. Como eles são femininos! Esguios, elegantes.

E para finalizar, repito o conselho. Não faça como o almirante Tamandaré, que, com seus olhos de bronze, e de costas para o mar, não vê a praia, nem as ondas, nem as gameleiras, as castanholas, os coqueiros... Não vê a vida e sua beleza.
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também