O assoalho tingido de marcas de solados. Sujo. Crianças brincavam de ossinho, sacudindo aos ares carretéis desnudos cortados ao meio, apan...

Ninina

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana saudosismo lembranca infancia domestica lar doce lar
O assoalho tingido de marcas de solados. Sujo. Crianças brincavam de ossinho, sacudindo aos ares carretéis desnudos cortados ao meio, apanhando-os no ar. As mãozinhas enegrecidas pela poeira. Ninguém ligava para doenças, nem higiene. O dono da casa, que tinha mobilidade reduzida, pedia que parassem com o jogo: em vez de estarem ajudando as mães na cozinha, lavando pratos, cuidando em aprenderem a ser futuras mães e esposas! As meninas continuavam a divertir-se, as lições por estudar, os deveres da escola por fazer, a prova de português, amanhã, e elas nem aí.

Quando se aproximava o aniversário de Maroca, a casa era lavada da sala de visitas ao quintal. Maroca ficava apenas olhando o desenrolar do ossinho, dos anéis entre os dedos, dos pula-cordas, dos esconde-esconde. Tinha os olhos grandes, pretos, redondos, e ficava repetindo a ninina, a ninina, a ninina. Ria, incontrolável, se lembrando da irmãzinha mais moça que ela, de nove anos (Maroca ia completar onze). Uma injeção lhe estancou, para sempre, os movimentos, deixando-a meio alheia, com os bracinhos finos, as mãos amassadas, os dedos curvos. A ninina era Maura, que sempre fazia um carinho à doentinha.

Chegou o dia de arrastar os móveis e cuidar em lavar a casa. Era festa: água à vontade, espuma, vassouradas, as garotas e a mãe de Maroca arrastando a sujeira concentrada, cantarolando. O dono da casa lia o jornal. Ficava em sua imobilidade próximo a um janelão. Gostava de ver todas em atividade.

No final, o piso enxuto, o lustrar dos móveis com óleo, o cheiro de alfazema, a toalha posta, o bolo, o dia do aniversário, todos participavam da festinha. Todos, não.

Maroca, a aniversariante, não tinha sopro para apagar as velas. Olhava tudo, noutro mundo. Como quem enxerga por um espelho turvo. Nem sabia ser a homenageada. Recebia o primeiro pedaço do bolo da ninina, Maura. Um furtivo beijo do pai imóvel. Outro da mãe, exausta.

comente via facebook
COMENTE
  1. Parabéns👋👋 José Leite Guerra..Muito emocionante a sua crônica!!
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir

leia também