Como cidadão, tenho tido, já há algum tempo, poucos motivos para comemorar alguma medida ou decisão governamental, em todos os níveis. Is...

Um motivo para comemorar

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana francisco gil messias colegio nossa senhora das neves preservacao historica centro historico joao pessoa
Como cidadão, tenho tido, já há algum tempo, poucos motivos para comemorar alguma medida ou decisão governamental, em todos os níveis. Isto me entristece, claro, mas não me surpreende; afinal, por nossa história, o que certamente me surpreenderia seria se fosse o contrário. Mas o fato é que , surpreendentemente, entusiasmei-me esta semana com a notícia da desapropriação, pelo governo estadual, do antigo e belo prédio do Colégio das Neves, ali ao lado de nossa Catedral Basílica. A finalidade do governo é ali instalar o “Parque Tecnológico Horizontes de Inovação”, entidade voltada para o estímulo à tecnologia, especialmente no viés da inovação.

A notícia é alvissareira por várias razões. Primeiro – e talvez principalmente, aos meus olhos – pela consequência positiva que a desapropriação certamente provocará, que é a recuperação e preservação da imponente construção, um dos ícones do nosso centro histórico, ameaçada que estava de completa degradação, após o encerramento das atividades do antigo colégio e da mais recente Faculdade de Ciências Médicas. As poucas freiras que restam ainda morando no local não dispõem de recursos para a manutenção do prédio, cujo destino fatal seria inevitavelmente deteriorar-se, como tantos outros, igualmente importantes, estão se acabando, à vista de todos, naquela região da cidade.

Depois, pela própria instalação do “Parque Tecnológico”, iniciativa que, espera-se, deverá gerar muitos frutos benéficos para a Paraíba, através do fomento à pesquisa, à criação de empresas e, consequentemente, à geração de empregos, sem falar, naturalmente, nos aspectos culturais correlatos. E mais uma coisa que não podemos esquecer: a revitalização de toda a área urbana ao redor do colégio, a qual se encherá de vida e de movimento a partir do funcionamento dessa nova entidade, com o fluxo de funcionários, pesquisadores, empresários, estudantes e público em geral num local atualmente quase morto, em termos de trânsito de pessoas.

Vê-se, portanto, só por isso, a relevância da medida governamental. Medida, diga-se de passagem, que só o Estado poderia tomar, em seu papel intransferível de zelador e promotor do interesse público, quando a iniciativa privada não se sente atraída para atuar em certas áreas. Assim, essa função estatal é fundamental, reconheça-se, principalmente nas sociedades de livre mercado, em que a presença do Estado é reduzida mas não suprimida, já que nem tudo os particulares podem fazer, seja por falta de recursos ou de simples interesse.

Esse salutar exemplo deveria ser repetido pelo governador relativamente a outros prédios importantes do centro da capital, inclusive o do antigo IPASE, ali no coração da urbe, há décadas ostentando um degradante espetáculo de abandono e de descaso administrativo das autoridades competentes. Sabe-se que o referido edifício pertence ao Ministério da Previdência, mas nada impede que o governo estadual faça gestões no sentido de assumi-lo, para dar-lhe uma destinação digna, livrando o Ministério de um bem que não lhe serve para nada e, ao mesmo tempo, recuperando a dignidade urbana do nosso Ponto de Cem Réis, de resto já tão maltratado.

Que o exemplo também sirva ao prefeito recentemente empossado. Ele pode fazer muito nesse sentido, contribuindo para a recuperação de edificações históricas e injetando vida no Centro e no Varadouro, áreas que, sem a ação decisiva dos poderes públicos, estão condenadas cada vez mais à degradação, com prejuízo para a cidade como um todo.

Outros pessoenses preocupados com a aldeia estão vibrando com essa decisão do governo estadual. Isso é bom. Precisamos disso com mais frequência. Nossa autoestima de aldeãos ( e de brasileiros) anda em baixa. Comemoremos, pois.

comente

leia também