Passar do choro para o riso em pouco tempo demonstra que emoções presumivelmente antagônicas podem estar bem mais próximas do que supomos....

Valsa Triste

literatura paraibana jean sibelius germano romero musica classica erudita valsa triste
Passar do choro para o riso em pouco tempo demonstra que emoções presumivelmente antagônicas podem estar bem mais próximas do que supomos. Algumas pessoas experimentam sentimentos diversos com admirável maleabilidade. Ou seriam mesmo parecidas a alegria e a tristeza?...

O ódio e o amor, segundo é dito por quem estuda e observa os impulsos sensoriais humanos, também guardariam alguma semelhança. O vínculo criado entre pessoas que se amam
literatura paraibana jean sibelius germano romero musica classica erudita valsa triste
seria tão forte e devastador quanto entre as que se odeiam.

O Taoísmo prega a complementaridade antagônica entre todos os opostos. Frio e calor, claro e escuro, silêncio e barulho constituem efeitos unidos pela mesma essência, suavemente dosados entre um extremo e outro. Ou seja, uma comprida barra de metal pode estar quente em uma ponta e fria na outra, com a mudança de temperatura ocorrendo gradativamente ao longo de seu dorso.

No campo das sensações, a alegria se mescla à tristeza facilmente. Choramos em ambas. O olhar extasiado tanto brilha com lágrimas como sob entusiasmada e transbordante felicidade. Quantos espetáculos de arte nos contagiam de emoção e mesmo criados sobre o mais dolorido tema ou enredo promovem-nos sensações entremeadas de deslumbre e nostalgia?... Quantas músicas, poesias, romances, filmes, pinturas, causam-nos arrepios e embalam-nos em sonhos amalgamados de choro e riso, luz e sombra?...

É tênue o limiar entre o júbilo e a angústia quando um frêmito comovido trepida em nosso interior, arrebatando-nos a estados que as confundem. Quando o êxtase eleva-nos à plenitude catártica, capaz de unir sentimentos dos mais variados tipos e origem, no assombroso fenômeno do existir. E não sabemos mais onde estamos, quem somos, quando ocorre a total dissolução do ego, seja em tormento amargurado ou no encantamento absolutamente cosmogônico.

literatura paraibana jean sibelius germano romero musica classica erudita valsa triste
Estes são estados de consciência que se expandem a ponto de não mais sentirmos incompatibilidade entre a vida e a morte, intuindo-as como partes integrantes do mesmo espetáculo existencial.

A arte é plenamente capaz de conciliar sentimentos opostos e promover enlevo ainda mais sublime perante a Música, ao consubstanciar o trágico, o mágico, o drama, a paixão, sob a aura da criação divina que tudo abrange e permeia.

Um dos exemplos da fusão de estados emocionais adversos em harmonia transcendental nasceu de uma peça chamada “Kuolema” (morte), de autoria do escritor e dramaturgo finlandês Arvid Järnefelt, que estreou no Teatro Nacional da Finlândia, em Helsink, 1903.

O músico Jean Sibelius, conterrâneo, amigo e cunhado do autor, pioneiro em composições para o teatro fínico, foi especialmente convidado para musicar este drama. Sua colaboração à dramaturgia começou quando ele ainda era jovem, compondo para o melodrama, “A Ninfa da Floresta” (Skogsrået), em texto do escritor Viktor Rydberg, membro da Academia Sueca, e com sua cantata “A “Origem do Fogo” (Tulen synty), para contracenar com episódios da mitologia finlandesa, Kalevala.

“Kuolema”, título original que significa morte, veio a ser renomeada posteriormente pelo autor como “Valsa Triste”, opus 44. Mesmo sugerindo tema fúnebre, a música dedicada ao primeiro ato da peça teatral exprime comovente beleza e encadeia ânimos que oscilam entre a vida e o ocaso com fascinante harmonia.

literatura paraibana jean sibelius germano romero musica classica erudita valsa triste

No programa da performance, Sibelius escreveu descrição para a Valsa Triste em plena sintonia com o enredo envolvendo previamente a plateia no universo a ser encenado:

É noite. O filho observa a mãe doente na cama ao lado e adormece de puro cansaço. Aos poucos, uma luz avermelhada se difunde pelo quarto e ouve-se o som de música distante. O brilho da luz se intensifica até que os acordes de uma melodia em ritmo de valsa ecoam ao longe.
literatura paraibana jean sibelius germano romero musica classica erudita valsa triste
A mãe que estava adormecida acorda, levanta-se da cama e, em sua longa vestimenta branca, tal como um vestido de baile, começa a se mover, diáfana e lentamente, para lá e para cá. Acena com as mãos, no ritmo da valsa, e olha para o alto como se estivesse convocando uma multidão de entidades invisíveis. Estranhos casais visionários surgem girando e desfilando em atmosfera sobrenatural.

Ela se mistura com os dançarinos e esforça-se para que eles a fitem, mas os sombrios convidados evitam seu olhar, o que a faz perder as forças e voltar para a cama, exausta, quando a música quase silencia, mantendo apenas o ritmo. A seguir, ela reage e decide reunir todas as suas forças para entrar na dança outra vez, com ainda mais energia. Os dançarinos se aproximam girando ao seu redor em ritmo louco e selvagem. A estranha alegria atinge o clímax, quando ouve-se uma batida na porta, que se escancara. A mãe solta um grito desesperado e os convidados espectrais desaparecem furtivamente, enquanto a música se finda calmamente. “É a morte em seu limiar” - arremata Sibelius.

Tal narrativa se irmana à concepção melódica com beleza contagiante. A valsa que a anima se inicia suave como descreve a cena, com o tema concentrado nos violinos, cellos, baixos, e o compasso ternário marcado pelas violas.


Ainda que pareça soar distante, a envolvente formosura do tema encanta logo de início. E logo se percebe que a suavidade não permite que a tristeza embutida na melodia se sobressaia acima da envolvente sonoridade. As violas latejam nostálgicas, mas é realmente a beleza o que emana do contexto introdutório , que transcorre leve, em macios e aveludados afagos d'alma.

Após as duas primeiras exposições temáticas, que descreve a cena do filho contemplando a mãe enferma, uma seção se estende ritmada sustentada pela música quase em surdina, num pequeno interlúdio , anunciando o despertar da protagonista.
literatura paraibana jean sibelius germano romero musica classica erudita valsa triste
Um certo suspense precede os instantes de alegria quando ela imediatamente se ergue para integrar a coreografia dos dançarinos com surpreendente vigor.

E tudo rodopia em eloquente colorido com a entrada do segundo tema, repetido pela flauta em instantes de pura felicidade, justamente o momento em que a mãe se levanta para dançar esfuziantemente. A paisagem esmorece vagarosamente refletindo a falta de forças para continuar, quando ela volta a se deitar, esgotada.

Novamente contagiada pela magia musical, não demora para o segundo despertar, desta vez com movimentos que se aceleram freneticamente até culminar com a orquestra em longo tutti conclusivo, para findar-se tenuamente até desaparecer, morrendo delicadamente.

Embora haja sido criada com propósito dramatúrgico e perfil incidental, a Valsa Triste expressa outros contextos em que a tristeza pode se imiscuir de diversidade emocional que se alterna mediante o que a música produz em cada ouvinte.

Esta e outras célebres páginas da literatura musical possuem extraordinária capacidade de modular os sentimentos além das tonalidades, como ondas a gravitar no ego, pronto a se libertar dos limites que restringem a felicidade, quando a compreensão e a sabedoria escasseiam. É quando todas as valsas deixam de ser tristes...

comente
  1. Simplesmente 🤜Magistral🤛...caríssimo Germano Romero!!o desenvolvimento de seu texto narrativo ..diretamente proporcional ao texto da obra de Sibelius!
    Parabéns👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigadíssimo meu amigo Paulo Roberto! Bom demais ter você como leitor mais que especial

      Excluir

leia também