Muitos são os mundos que não vemos. Nem imaginamos quantos existem, ainda ocultos, desconhecidos. Com o tempo, a ciência foi e vai descob...

O Cisne de Tuonela

literatura paraibana germano romero jean sibelius cisne de tuonela mundo espiritual gluck orfeu euridice
Muitos são os mundos que não vemos. Nem imaginamos quantos existem, ainda ocultos, desconhecidos. Com o tempo, a ciência foi e vai descobrindo, revelando, provando uns e comprovando outros. E parece não ter fim. Tanto na esfera sideral como na microscópica, quando se pensa ter encontrado a menor das partículas, surge uma nova, supostamente indivisível.

E vão-se descobrindo mais e mais, outrora inconcebíveis. Os ambientes moleculares, atômicos, quânticos, nanos, assim como os espaços cósmicos, estão permanentemente a desvendar novidades em direções e
dimensões que se engrandecem progressivamente, como se encontrassem nas extremidades opostas um só universo: o infinito!

E assim muita coisa veio e prossegue chegando ao conhecimento, multiplicando-se na busca curiosa e insaciável por mundos misteriosos, que se entremeiam ao que vemos, palpamos e vivemos materialmente, ainda que invisíveis a olho nu.

Quanta coisa transita por planos incorpóreos! Imagens em ultradefinição percorrem frequências intangíveis para se exibir nos vídeos de quartz com extraordinária qualidade. Dados e informações viajam pelo planeta, de pólo a pólo, imaterialmente codificados e se reconstroem em dimensões surpreendentemente reais à nossa frente. Imagine o que se há de descobrir no futuro com o crescente aperfeiçoamento tecnológico, da inteligência e da percepção humana…

Há igualmente o mundo das emoções, por onde o amor trafega, imperceptível ao tato, mas sensível ao aconchego do espírito. Não existe mais como negá-lo perante o avanço da Ciência, da Física e das experiências que se aprofundam nos fenômenos do Magnetismo.

Embora ainda não inteiramente aceita em alguns segmentos científicos, a existência dos planos espirituais por onde a vida segue fortalece-se além da percepção mediúnica e intuitiva, que vem de séculos, para se consolidar nos experimentos cada vez mais sofisticados da Ciência.

A arte e a música também orbitam esta curiosidade acerca da transcendentalidade dos mundos e fomentam a inspiração humana há milênios. Nas antigas mitologias que tanto enriqueceram a literatura, o imaginário se espargiu a universos espantosamente fecundos, cenários deslumbrantes, trágicos, místicos e misteriosos, que encantam até hoje os amantes da criação estética.

As elucubrações sobre o chamado “mundo dos mortos” e suas repercussões no íntimo de cada ser arrebataram plateias, leitores e espectadores levando-os a estados nirvânicos, catárticos ou
mesmo a intrigantes angústias existenciais. E do belo ao bizarro, do trágico ao sublime, esculpiram-se lendas épicas e monumentais epopeias.

A música desfrutou gloriosa relevância nesta atmosfera, sempre enfatizando a força de seu poder criador em muitas formas de expressão artística.

No Mito de Caronte, em busca desesperada para ter de volta a sua amada Eurídice, Orfeu consegue convencer o barqueiro de Hades, encarregado de transportar os mortos para o “outro lado da vida” através do rio Estige. Ao ouvir a inebriante canção que soava da lira de Orfeu, Caronte concedeu-lhe, mesmo temeroso, a travessia que era proibida aos vivos. Ciente dos encantos de sua música, o herói grego, sem pagar o óbolo então exigido pela travessia, garante ao lúgubre navegador que não haverá problemas ao chegar em Hades, pois com sua lira emocionará todo o mundo dos espíritos.

Este virtuoso personagem foi notadamente dramatizado na ópera de Gluck, "Orfeu e Eurídice", que estreou em outubro de 1762, em Viena, e se insere entre as mais importantes do século XVIII. O tema já havia sido musicado nas óperas “Eurídice”, de Jacopo Peri e Giulio Caccini (1600), com libreto de Ottavio Rinuccini baseado nas “Metamorfoses de Ovídio”, e “Orfeu”, de Claudio Monteverdi (1607), fielmente inspirada no mito helênico e com grande ênfase ao poder da Música. A história registra os dois dramas líricos como possíveis fundadores do gênero operístico.


Embora as obras-primas de Gluck tenham origem nas riquezas culturais da Antiguidade, na concepção deste enredo mitológico, tudo gravita apenas e principalmente em torno dos três personagens “Orfeu, Eurídice e o Amor”, com resultado musical de rara beleza em todo o drama.

Quando Orfeu, enfim, realiza o sonho do reencontro e se depara com sua amada, ouve-se um dos mais belos solos de flauta já compostos na literatura musical erudita: A Danças dos Espíritos Abençoados , que preludia o aparecimento da ninfa Eurídice a surgir das profundezas do Tártaro. A inefável melodia sagrou-se mundialmente pelas plateias e influenciou compositores a diversas transcrições, inclusive para piano, como a versão de Giovanni Sgambati, fulgida em interpretações célebres dos pianistas Evgeny Kissin (Rússia), Hélène Grimaud (França), Yuja Wang (China) e dos brasileiros como Guiomar Novais e Nelson Freire.


Há várias curiosidades e excentricidades imaginárias acerca dos mundos dos espíritos além e derivados do governado pelo deus Hades, como o Campo de Asfódelos, o Poço do Tártaro, a Ilha dos Afortunados, os Campos Elíseos. Alguns inspiraram a música, as artes plásticas e vice-versa. Um destes emblemáticos efeitos se consagrou na “Ilha dos Mortos” — série de pinturas de Arnold Böcklin que terminou motivando Sergei Rachmaninoff em seu formidável poema sinfônico de mesmo nome.

Contrapondo-se ao esquisito barqueiro Caronte, surge na mitologia finlandesa o belo e negro Cisne de Tuonela, com a função de transportar, pelo obscuro rio Tuoni os materialmente finados aos planos espirituais. É outro mito encenado na divina arte, pelo compositor finlandês Jean Sibelius, inserido no poema sinfônico “Quatro Lendas”, também conhecido como Suíte Lemminkainen e baseado na compilação de poesias da mitologia da Finlândia.

A música tem como protagonista um dos proeminentes heróis do poema épico nacional "Kalevala" um ser místico com poderes sobrenaturais de transmutar areia em pérolas por meio da música.

Em uma das versões da lendária Tuonela (terra dos mortos), que é circundada por um rio que a separa do mundo dos vivos, navega um garboso cisne negro que, como o grego Caronte, leva os mortos à “derradeira” morada. Para descrevê-lo, Sibelius originalmente compôs, em 1895, o que seria o prelúdio de uma ópera, “A construção do barco”, ideia abandonada e depois transformada em “O Cisne de Tuonela”, um dos quatro movimentos da “Suíte Lemminkainen”, estreada em Helsinque, em 1896.


O corne inglês foi o instrumento escolhido para delinear a imagem da elegante ave que desliza pelos obscuros cenários. Alguns sopros foram suprimidos para que o canto por ele entoado se sobrepusesse à orquestra com o pretendido destaque. Há quem insira o tema deste movimento da suíte entre os sublimes solos para corne inglês, a exemplo do Largo da Nona Sinfonia de Antonín Dvořák ("Novo Mundo").

Tudo se inicia em tons de alvorada. Logo surge o canto do cisne, dialogando nostalgicamente com a orquestra e os arpejos de violoncelo, numa introdução que bem delineia o contexto místico e sombrio . Então o cisne se exibe no primeiro canto enternecedor, envolvido pela orquestra, e prossegue solitário, como a se preparar para dar início a mais um percurso pelo rio que margeia a nebulosa região.

O romântico poema é triste pela fúnebre tarefa que o destino concedeu ao principal personagem, mas nele há lirismo, há doçura. O cisne e a paisagem estão sempre a se entreolhar na solidão e o solo ressurge com picos de angústia sucedidos pela resignação,
talvez ciente da importância de seu papel .

Após um interlúdio orquestral, o cisne se ergue com seu perfil nato de altivez e elegância, e principia o suave nado pelas águas que cintilam aos raios do luar, a se infiltrar sutilmente pela vegetação que guarnece o leito do Tuoni.

É noite, há mistério, um certo assombro no ar, e ele prossegue lindamente fluindo no sinuoso transcurso com os pizzicatos que beliscam a melodia, insinunado pingos de luz a se refletir na superfície aquática . Silhuetas e sombras da noite dançam entre as árvores, reverenciam a passagem da exuberante plumagem negra, aveludada, que voga serena por entre o córrego brumoso.

Ao enveredar por mais uma curva, eis que surge a lua inteira, soberana, acima da majestosa e eloquente paisagem .

Solenemente Sibelius assume a cena para exercer sua personalidade nacionalista, enaltecendo as belezas das terras fínicas e a punjança de sua história mitológica, num arroubo orquestral que evoca magistralmente a circunspecção exigida pela arquitetura romanesca da alegoria mística e transcendental .

Deste derradeiro proscênio, o cisne retoma o canto em registro mais grave e personificado pelo corne inglês para prosseguir ao final e concluir o poema com sua grandiosidade e formosura.

Por fim, Sibelius reexpõe o tema inicial encerrando o "Cisne de Tuonela", que permanece navegando nos recônditos e insondáveis mundos da espiritualidade, tão bem cantados e decantados há séculos pela Música.


comente
  1. Endossei as palavras de Saulo Mendonça Marques..!!que.. na sua linguagem literária..exprimiu o que senti e não saberia dizer em curtas palavras.
    Meu caro Germano Romero você é um SER especial!!...que foi destinado/ incumbido a nos codificar tais belezas..que se valorizam com as suas pautas literárias.
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir
  2. Brilhante!! Grandiosamente brilhante! Música e mitologia, entrelaçadas no estilo elegante de sua escrita! So para quem é profundo conhecedor mesmo! Parabéns Germano!

    ResponderExcluir

leia também