Nesse tempo de isolamento, abri mão da diarista que, duas vezes por semana, vinha deixar minha casa limpa e perfumada. Nunca fui madame. D...

Antes tarde do que nunca

literatura paraibana cronica cotidiano pandemia isolamento servicos domesticos
Nesse tempo de isolamento, abri mão da diarista que, duas vezes por semana, vinha deixar minha casa limpa e perfumada. Nunca fui madame. Dei muito duro na vida, na casa, no trabalho, com filhos e tudo o mais. Mas sempre deu pra ter uma trabalhadora em casa, com carteira assinada, e-social, férias, décimo terceiro e todos os direitos trabalhistas. O dinheiro do mundo todo era pouco, para que eu pudesse trabalhar, ter uma cabeça pensante, tempo, principalmente esse, para desfrutar outras coisas da vida. Claro que, desde pequena, tive obrigações: fazer a cama, arrumar o quarto... e sempre nunca gostei dessa parte. Para minha vergonha, nunca precisei lavar totalmente um banheiro. Limpar, limpei muito, mas lavar de água 'pra que te quero', vassoura em punho e os azulejos cheios d'água, não.

Depois de muito limpar e passar pano em tudo, resolvi estrear nessa modalidade de limpeza. Era preciso. Levei balde, vassoura, rodo, detergente, água sanitária, estopa etc etc, e comecei. Quando o chão estava com dois dedos d'água,
dei início ao ritual. Primeiro o vaso, bucha limpa, perfex; depois sabão em pó no chão, até as bolhas começarem a dançar. O box, o vidro que estava manchado, e eu feliz. Fiquei a pensar nos meus estudos, nas aulas do doutorado na UFPE, em textos como “A Arte como Procedimento” de V. Chklovski, e na minha inutilidade nesse ofício a que me propunha.

Quando dei por mim, estava dançando, mas não era de alegria, não. O chão ensaboado, tive que patinar sem ser no gelo, para me equilibrar e não cair. E enquanto escorregava nas bolhas de sabão, lembrava de: Hein, Walter Benjamim? E “A obra de Arte na Era de Sua Reprodutibilidade Técnica”? . Nesses tempos de reclusão, tudo o que eu não queria era levar uma queda. E quanto mais eu tirava o sabão e a água, mas ela se multiplicava, feito aqueles germes que se cultivam para probióticos. Pra piorar, o meu banheiro é grande, mas a sagacidade dos arquitetos faz tudo meio espremido em cantinhos que, só de joelho, alcançamos os sujos. Aí pensei, em Roland Barthes e O Prazer do Texto. Nesse momento, o anti-prazer era sim, a minha inabilidade com a lavagem do banheiro! Ao me ver toda ensopada, achei por bem tirar logo a roupa para em breve cair no chuveiro. Fazer disso logo uma diversão, feito criança dançando na chuva. E ao O cheiro do ralo..., eu fui.

Depois de litros de água parada atrás da porta, por trás do cabide , do armário suspenso, e do vaso, vi o resultado na minha conta de água este mês! Não tinha rodo que desse conta. Mas a luta continuava. E Antonio Candido e o seu texto “Direitos Humanos e Literatura”, passaram na cabeça.

Por fim, caí na água, digo, no chuveiro. E depois de tirar os lodos, manchas, opacidades dos vidros e arredores, finalmente terminei. Saí descabelada, encharcada e exausta. Enxuguei tudo, inclusive a mim mesma,
com medo de uma gripe qualquer, e com essa eu piraria de medo, caí na cama de cansada. Na cabeça? Mario Vargas Llosa e “A Literatura e a vida”.

Outro dia, em estado de urgência, chamei a diarista para uma faxina. Máscaras, distanciamento e tudo, passei o dia todo a segui-la para ver o seu desempenho e a sua velocidade no trato com a limpeza do apartamento. “O Leitor Comum” de Virginia Woolf me rondava, nem comum eu conseguia ser nessas tarefas ditas básicas. E foi por isso que me animei a lavar esse bendito banheiro. Com a auxiliar, tudo parecia tão fácil. Joga a água, põe o sabão, lava, enxuga, tudo perfeito e cheiroso. Esnobou meu MOP, meu rodo mágico, e tudo mais. Num minuto amarra uma estopa no rodo, passa o pano, depois água, depois enxuga. A casa fica limpa e linda. E ao vê-la com tanta destreza a fazer tudo com maestria, pensei em como cada um tem os seus saberes. E poderes!

O meu banheiro? Ficou também um brinco, sem pérolas. Mas só eu sei o alvoroço que foi. Sem prática, sem paciência, sem objetividade. Mas me senti orgulhosa de ter conseguido. E pensei em como aquele velho ditado cabia aqui – Antes tarde do que nunca!

T. S. Eliot teria ficado orgulhoso de mim como a minha “Tradition and My Individual Talent”. Nesse momento em que eu aprendia a fazer algo tão substancial nessa vida, lavar um banheiro completo. Terminei, com Virginia Woolf, e Um Teto Todo Seu, procurando o meu lugar, não na literatura e na vida, mas na minha inabilidade em lavar um banheiro. Acho que achei!

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!

leia também