Saímos de Roma Itália afora, em direção à Toscana. A nossa viagem estava sendo muito agradável, circulando por estradas vicinais alter...

Breve passeio pela Toscana (Parte II)

literatura paraibana cronica viagem toscana san gimignano volterra
Saímos de Roma Itália afora, em direção à Toscana. A nossa viagem estava sendo muito agradável, circulando por estradas vicinais alternando com as auto-estradas. Viajávamos ao som das músicas que havíamos comprado em Roma, na maior parte rock italiano dos anos ‘50 e ‘60. Lembro-me muito bem de Luglio, Legatta a un Granello di Sabbia , Roberta, Aprite le Finestre, Nella Vecchia Fattoria,
Marinai Done e Guai, Vechio Scarpone, que foram as que mais me impressionaram. Lindas!

Passamos primeiro pela Úmbria, onde tivemos a oportunidade de conhecer uma aprazível cidade, típica da região: Orvieto, onde pudemos visitar o Pozzo de San Patrizzio. Ficamos tão encantados com a cidadezinha medieval que programamos a nossa volta, o que realizamos cinco anos depois.

Depois entramos na Toscana. Dois dias após conhecermos Assis e Arezzo, anoitecemos em Poggibonsi, na Toscana. A cidade foi escolhida por razões estratégicas: fica no centro da Toscana, Situa-se ao lado da estrada S-2, derivada da A-1, a meio caminho entre Siena e Florença. Pequenina cidade, de poucos encantos, abrigou-nos durante nossa breve temporada na Toscana. Lá, ficamos hospedados no Toscana Ambassador Hotel, o qual recomendamos: excelente, moderno, muito confortável, comida saborosa, delicioso vinho. E no início da baixa estação ostentava bons preços. Em seu restaurante tivemos a oportunidade de saborear uma divina trippa alla toscana regada ao chianti rosso.

Fica pertinho da estação de trens, onde se pode chegar a pé. Na plataforma da estação, encontramos uma estátua toda feita de latinhas de sardinha empilhadas, e que era a cara do nosso saudoso Ivo Bechara. Tem até a bandana na testa que Ivo usava!

Com destaque para as suas confeitarias, Poggibonsi fica no centro da região produtora de um dos melhores vinhos do mundo: o Chianti.


No terceiro dia na Toscana fomos conhecer San Gimignano. A cidade é um belo exemplar de cidade toscana: erguida sobre uma colina, protegida por uma muralha de pedra. Estacionamos logo na entrada, e seguimos até as muralhas que configuram o anel externo.

Através da Porta de San Giovanni tomamos a via principal, de mesmo nome, até a Piazza della Cisterna. Esta praça, muito graciosa, tem a forma triangular e em seu centro um poço que foi construído no ano de 1297.

Dobrando à esquerda, logo encontramos a Praça da Catedral, onde se situa o Palazzo Comunale, que abriga o Museu Cívico e a Pinacoteca de San Gimignano. Através do palácio, tivemos acesso à torre mais alta da cidade, a Torre Grossa. Subimos centenas de degraus acima até o teto, 54 metros de altura, de onde pudemos descortinar uma vista panorâmica da região. Devido à quantidade e à altura das suas torres San Gimignano é chamada de “Manhattan medieval da Toscana”. Construídas nos séculos XII e XIII, já foram 72, porém hoje são apenas 14, ao todo.

As torres foram construída por famílias abastadas rivais da cidade, e eram símbolo de poder. Elas eram edifícios residenciais: o térreo era reservado para as atividades comerciais, o primeiro andar continha a habitação dos seus proprietários e no andar superior ficava a cozinha.

A região de San Gimignano também é conhecida por produzir um vinho típico da Toscana, muito apreciado pelos conhecedores: o vinho Vernaccia.


De San Gimignano tomamos a direção oeste, entre vinhedos e moinhos, até chegar a Volterra. Esta cidade também se situa sobre um planalto elevado. Guardamos o carro no estacionamento La Dogana, no subterrâneo, na extremidade sudoeste da cidade.

Volterra é outra cidade típica da Toscana. Nela predomina a arquitetura medieval, porém guardando muitas evidencias da Renascença. E inúmeros traços da civilização etrusca, da qual foi a capital.

Os etruscos foram dominados pelos (então) bárbaros romanos. Estes por sua vez absorveram a sua cultura (eram mais evoluídos que os romanos). Devido aos seus aspectos medievais a cidade de Volterra foi cenário de um dos filmes da saga de vampiros adolescentes, Crepúsculo. A cidade tem um castelo assombroso, a Fortaleza Medicéa, que não pudemos visitar por ser hoje a Casa de Reclusão de Volterra. Mas só de fora já dá pra sentir arrepios...

Caminhando pela Via Porta all'Arco alcançamos a Via Antonio Gramsci, e daí seguimos pela Via Don Minzoni até o Palazzo Tangassi, onde está localizado o Museu Etrusco Mário Guarnacci.


Este museu é o que contém mais elementos da civilização etrusca na Itália. É uma magnífica exposição daquela civilização extinta. Contem, por exemplo, a maior coleção (600!) de urnas cinerárias, uma das marcas daquela civilização.

Lá ficamos impressionados com sinais da civilização romana, como, por exemplo, o hábito das reuniões sociais com os participantes semi-deitados, comendo cachos de uvas. As urnas são magníficas, e registram cenas da classe dominante da civilização etrusca.

Depois de passarmos a tarde no museu, descemos pela Via di Sotto, vendo lojas interessantíssimas com belas vitrines, como uma loja de lidas jóias feitas de vidros coloridos. Chamou-nos a atenção a policromia da loja.

Compramos algumas lembranças e paramos num café para passar o frio com uma pasta acompanhada por vinho vernaccia, seguida de delicioso té caldo (chá quente). Aquecemos-nos por dentro e por fora.

Quando fomos pegar o carro, demos uma olhada nos arredores. Rua abaixo à direita tem um portal que é outro dos muitos vestígios da civilização etrusca na cidade e seus arredores.

Mirando o poente vimos, no horizonte, um reflexo de água. Perguntei ao siciliano que estava ao meu lado que lago era aquele. E ele respondeu que não era lago. Era... il mare! Pois é, de lá é possível ver o mar, a 42 quilômetros de Volterra!

Essa foi a última imagem que guardamos de tão agradável visita. Voltamos para Poggibonsi, onde jantamos uma saborosa tripa alla toscana, regada a vinho chianti!

E dormimos mais cedo, pois dia seguinte iríamos reviver Florença.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!
  1. A Toscana, para mim, é a mais bonita e aconchegante região da Itália e até da Europa.

    ResponderExcluir
  2. Concordo parcialmente com você: a Úmbria tambem é muito bonita!

    ResponderExcluir
  3. Tenho um amigo que alugou uma casa em Florença por três meses para facilitar seus passeios pela Toscana e adjacências. Muito bom esse passeio pela Itália. Parabéns pela descrição da beleza e detalhes.

    ResponderExcluir
  4. A cada crônica integrante desse roteiro, temos não apenas belas lições de geografia e de história, como retratos da vida, pois acredito que realizar o que nosso Zé Mário nos mostra se fundamenta em uma capacidade que muitas vezes se faz difícil, para nós, entender.

    ResponderExcluir

leia também