Parte I Procedentes de Paris chegamos à Cidade Eterna onde hospedamo-nos no apartamento de Salomé Espínola. Sassá, como carinhosamente...

Breve passeio pela Toscana

literatura paraibana toscana assis umbria italia viagem roma
Parte I

Procedentes de Paris chegamos à Cidade Eterna onde hospedamo-nos no apartamento de Salomé Espínola. Sassá, como carinhosamente a chamamos, é a nossa sobrinha-filha e afilhada.

Ela mora num apartamento da Via Sebino. Região prazerosa no nordeste de Roma, dispõe de construções antigas e imponentes, e lugares aprazíveis, como a Villa Copedé, um conjunto de palácios residências do século XIX, com a esquisita Fonte das Rãs.

Em Roma, Sassá nos levou para lugares pouco conhecidos pelos turistas, como uma cervejaria fundada em 1846, a Antica Birreria Peroni, onde bebemos deliciosas cervejas e devoramos um prato muito saboroso: tripa alla Romana! É uma espécie de dobradinha muito gostosa, com vísceras de boi. É um pouco apimentada, porém muito saborosa.

O apartamento de Salomé fica a cerca de 30 minutos do centro histórico, de ônibus. Partindo da Via Sebino o nosso ônibus percorre várias ruas, até atingir a Via Vittorio Veneto, endereço de boutiques chiques. E muito caras. Ao final desta rua está a Praça Barberini, onde tem uma fonte muito interessante, a Fontana Del Tritone.

Esta praça dá origem à Via Del Tritone. Percorremos essa rua a pés, até chegarmos à Via Del Corso, que nos levou à Piazza Del Popollo, onde muitas pessoas brincavam com uma bola gigante, jogando de uns para os outros.

Voltando, Sassá nos levou até uma igreja, a Basílica de San Silvestro in Capite. Esta fica por trás da Via Del Corso.

A igreja de São Silvestre tem uma história muito curiosa, para não dizer tragicômica ou mesmo macabra, que merece um parêntese. Ou alguns parágrafos. Ela dá guarida a uma relíquia que é nada mais, nada menos que a cabeça de um santo! Pois é, lá encontramos dentro de uma caixa de vidro uma cabeça horrorosa, carcomida, arroxeada, que é atribuída a São João Batista.

Diversas lendas afirmam que o santo sacramenteiro, quando foi decapitado a pedido de Salomé (não a minha!) teve o seu corpo enterrado num vilarejo da Cisjordânia, e a cabeça foi enterrada num monte de esterco, por ordem de Herodes. Depois foi resgatada por Santa Joana, e percorreu longo caminho até chegar a Roma. Ou à Catedral de Amiens, na França. Ou a Residenz, na Alemanha. Também à mesquita de Omíadas, em Damasco. Ou até mesmo a Prodromos, na Romênia. Todas sugerem o fenômeno da multiplicação das cabeças, a partir do século IV, quando ela (sic) foi reencontrada.

Em 1881 o jornal The New York Times noticiou que os monges de dois mosteiros rivais na França costumavam exibir as cabeças de São João. Um dos mosteiros dizia que a sua era a cabeça de quando o santo era garoto. O outro, que era a cabeça dele já adulto. Meu Deus! Que história sem pé nem cabeça...

Não só cabeças, mas outras partes do santo estão exibidas em diversas igrejas pelo mundo afora: a mão direita que batizou Jesus, o pé direito, dedos, joelhos, cotovelos, tornozelos... Por aí.

Eu acho mesmo é que o pessoal que partiu para a Terra Santa, os cruzados, voltaram de lá com sacos e mais sacos de ossos e cruzes de Cristo, para tirar o prejuízo vendendo como relíquias aos incautos. Devem ter ganhado muito dinheiro, porque essas relíquias macabras exercem fascínio sobre os fiéis, que não poupam donativos. Estes então se sentiram mais atraído por aquelas igrejas que têm relíquia, desdenhando as demais.

Essas igrejas que têm cabeças de São João só são concordantes numa coisa: todas são uníssonas em afirmar que a sua cabeça é a verdadeira e única!


... Após quatro dias passeando por Roma, ciceroneados por Salomé, alugamos um carro ao lado da Estação Termini e partimos para o nosso destino: a Toscana. Para chegar lá peguei carona na Vespa de Salomé, circulando por Roma numa lambreta, como nos filmes da minha juventude...

A caminho da Toscana passamos pela Úmbria. A Úmbria é tão bela e fascinante como a Toscana, apresentando relevo muito parecido com o desta última. Porém não tem o charme dela, sendo bem menos divulgada. Enquanto a Toscana é renascentista, a Úmbria é predominantemente medieval. A região já foi objeto de crônica anterior.

Assisi é uma cidade medieval magnífica e, como muitas outras, elevada no alto de uma colina. A distancia, no fim da tarde, tivemos a impressão de que ela estava flutuando! Nós ficamos hospedados fora da cidade, em uma fazenda produtora de azeite chamada “Locanda Dellangelli”. Muito confortável, porém não aproveitamos do hotel, pois nosso objetivo era a cidade. Cuidado, não prove das oliveiras no pé: são horríveis!! Têm o gosto de veneno.

Estacionamos na extremidade oeste, e seguimos pela via central. Nela encontramos a igreja (chiesa) de Santa Clara (Santa Chiara), com alguns pedaços, digo: relíquias desta santa. Ao final da via encontramos a Basílica de São Francisco. A basílica é rica, contrastando com a filosofia do santo, como ele nunca imaginou que fariam com ele, pois tinha aversão às coisas da terra.

Dedicamos um bom tempo explorando a basílica. As suas paredes são ricas em afrescos, alguns de Giotto, e que sofreram danos devido a um terremoto acontecido alguns anos antes. No subsolo estão enterrados São Francisco e seus primeiros discípulos.

Um evento curioso. Os sanitários ficam, também, no subsolo da basílica, porém em outra ala. De lá é possível descortinar a planície abaixo, em torno da cidade histórica. Eu estava lá quando percebi corvos grasnando, esvoaçando agitados. Subitamente o tempo escureceu, e irrompeu uma ventania muito forte, seguida de um temporal, que havia sido previsto pelas aves.

Após haver explorado a Basílica de São Francisco nós partimos para explorar a cidade, nos perdendo nela. As ruas de Assisi são vielas, becos estreitos e escuros, que nos evocam cenas de muitos filmes medievais. É nítida a impressão de que, ao dobrarmos a esquina, vamos encontrar um Bórgia encapuzado vendendo veneno, com um punhal na cintura. Antes de partirmos visitamos a Basílica de Santa Maria Dellangeli, que fica na Assis moderna, ao pé da colina e próxima à estação de trens. Dentro da igreja está a Porciúncula, uma capelinha aonde São Francisco fazia a sua pregação. A basílica foi construída em torno e acima desta capelinha!

Anos antes havíamos assistido a A Vida é Bela, um filme italiano rodado na cidade de Arezzo. Isso despertou a curiosidade, e fomos conhecer esta bela cidade, um pouco menos medieval que as outras. Arezzo fica ao sul da Toscana, perto de Siena.

Estacionamos na estação de trens e subimos a via central chamada Il Corso Itália, até a Igreja de Santa Maria, com sua bela fachada de granito verde. Atrás dela está a Piazza Grande, uma praça esquisita, inclinada, que foi locação de cenas importantes do filme A Vida é Bela. Vale a pena ser visitada.

Já no final da tarde deixamos Arezzo para trás, nos dirigindo à cidadezinha de Poggibonsi, que escolhemos como ponto central para explorarmos a Toscana. Mas isso fica para depois.

comente
  1. Mais uma viagem onde nós leitores mergulhamos no itinerário tal a maestria da crônica, rica em detalhes e bom humor. Parabéns Zé Mário!

    ResponderExcluir
  2. Agradeço a todos por comentários tão generosos!

    ResponderExcluir
  3. E, la nave và!
    Nada mais a dizer, se não do deleite com essas excursões do nosso Zé Mário, pela terra do romantismo, fundado na alegria de seu povo e na beleza de suas paisagens.
    Infelizmente, resta-nos, por enquanto, a vontade de lá voltar.

    ResponderExcluir
  4. Arael, Vicente, Walter, Marilia, e Karlisson, nosso inseparável companheiro de viagens... A todos vocês, o meu agradecimento!

    ResponderExcluir

leia também