Existem profissionais que de tão dedicados ao ofício terminam se confundindo com ele. São pessoas que se entregam ao que fazem de maneira ...

Fernando Teixeira: uma vida em cena

teatro cinema atores paraibanos filmes independentes
Existem profissionais que de tão dedicados ao ofício terminam se confundindo com ele. São pessoas que se entregam ao que fazem de maneira tão plena e profunda que se tornam sinônimos de suas respectivas profissões. Este é, sem dúvida, o caso do paraibano Fernando Teixeira, que está para completar oitenta anos de vida e já celebra agora sessenta anos de carreira no mundo do teatro e do cinema, orquestras onde toca vários instrumentos.

Fernando – que não conheço pessoalmente – é antes de tudo um ator, um homem do palco, da cena, sem prejuízo de sua competente atuação também nos bastidores, como diretor, por exemplo.
O que é natural - os casos semelhantes são inúmeros -, pois uma coisa termina levando à outra: de tanto ser dirigido(a), o ator ou a atriz sente-se tentado(a) a mudar de lado e assumir eventualmente a direção da peça, do filme ou do espetáculo. E casos há de ator que se tornou diretor em caráter exclusivo, como Denis Carvalho. Fernando Teixeira, não: gostar de exercer seus múltiplos talentos, sem abdicar de nenhum.

Pode-se afirmar, sem nenhum demérito para ele, que seu reconhecimento é maior na aldeia, ao contrário do que vem acontecendo com outros colegas seus, como Everaldo Pontes e Zezita Matos, cujas oportunidades, principalmente na televisão, lhes proporcionaram renome e prêmios para além dos muros tabajaras. Mas como disse, isso não lhe diminui absolutamente, são apenas circunstâncias da vida, sobre as quais, sabemos, quase sempre não temos controle. Para ele, suponho, o importante é viver o teatro e o cinema, independentemente de tudo o mais, como costuma acontecer com aqueles e aquelas verdadeiramente vocacionados. Os que se preocupam mais com fama e sucesso normalmente são os menos comprometidos com o ofício e os menos aptos para exercê-lo.

teatro cinema atores paraibanos filmes independentes
Aqui não posso deixar de lembrar outro abnegado das artes cênicas paraibanas, Ednaldo do Egypto, cuja vida aldeã foi toda de serviço e doação diuturnos à sua vocação. E assim foi e tem sido com muitos outros e outras, cujos nomes homenageio, sem citá-los.

Sempre fiel ao palco aldeão, Fernando Teixeira tem tido, ao longo dos anos, expressiva atuação no cinema, em curtas e longas-metragens, e já atuou em novela da Globo, a exemplo de Velho Chico,
teatro cinema atores paraibanos filmes independentes
de 2016, na qual interpretou o coronel Floriano. A exemplo do que tem ocorrido com Zezita Matos, seu tipo físico marcante, de acentuada nordestinidade, o tem habilitado a interpretar papéis que nas mãos de atores de outras regiões do Brasil perderiam muito em autenticidade.

No teatro como no cinema, a exterioridade dos atores e atrizes tem muito a ver com a fiel caracterização das personagens. É o que se chama de verossimilhança.

Soube que o ator está escrevendo a autobiografia, pretendendo publicá-la no próximo ano. Isso é muito bom, em todos os sentidos. Primeiro, porque dará ao público o conhecimento, em primeira mão, de uma vida humana e artisticamente rica, que merece ser compartilhada, em seus detalhes, para engrandecimento de todos. Segundo, porque conferirá perenidade a um testemunho valioso – e autêntico – sobre um importante paraibano e sua época, de muita valia para os estudiosos futuros de nossa vida cultural.

Vita brevis, ars longa. A vida é breve, a arte é longa. Que a vida e a arte do nosso conterrâneo sejam igualmente longevas. Da plateia, aplaudo ambas.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!
  1. Trabalhar com Fernando Teixeira foi uma das grandes experiências de minha vida. Mostrou-me o quanto as visíveis limitações do palco - ao contrário do sem-fim do cinema e, ainda mais, da literatura - levam, forçam a imaginação do encenador... e do público a criar além do que parece possível, produzindo-se, nesse processo, um prazer estético imenso Trabalhando com ele na criação de Papa-Rabo a partir do Fogo Morto de Zé Lins, orçamento zero, vi o quanto o Prólogo do Henrique V, de Shakespeare, ao incitar o público a "ver" o que seria impossível naquele Ó de madeira - como ele chamou o palco do Teatro Globe - é exato. As soluções cênicas do Fernando foram ... deslumbrantes. Daí o grande ... ator que ele é. Diante do público e do público atrás das câmeras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, pela leitura e pelo comentário, Solha.

      Excluir

leia também