N esse negócio de pai, eu sou PHD. Tenho dois filhos maravilhosos,cada um com o seu modo de ser. Um moreno o outro louro. Um nascido em Camp...

O pai mais feliz do mundo!



Nesse negócio de pai, eu sou PHD. Tenho dois filhos maravilhosos,cada um com o seu modo de ser. Um moreno o outro louro. Um nascido em Campina Grande, outro aqui em João Pessoa.

Dois temperamentos díspares. O primogênito, hoje Pós-doutor em Física e o segundo, caçula, que desde pequeno anda sonhando com as alturas. É arquiteto, cronista, articulista e parceiro da RCTV. Eu não sei como é que ele estica o tempo para tantos compromissos.

O físico me deu dois netos: o Carlos Augusto Romero Neto, vulgo Tuquinha, e a Raíssa. Sou pai e avô! Como pai nunca bati nos filhos, a não ser uma palmadinha no caçula, que, um dia, cismou de não querer ir para a escola. Como são homens de bem, julgo-me um homem de bem. Nem o caçula, nem o primogênito tiveram vícios, embora o pai fosse um fumante inveterado, que só não morreu de câncer pulmonar porque largou o vício em tempo.

Ambos eram loucos pela mãe, que morrera de meningite e que não está mais, neste mundo. E o importante é que ambos se dão muito bem com a madrasta, minha esposa Alaurinda, chamada“boadrasta”.

Sou talvez o pai mais feliz do mundo. E agora estou me lembrando de Jesus, que só vivia falando no Pai, nosso Deus. Não fez referência ao pai terreno, o pai marceneiro, José, casado com Maria, mas como amava o Pai, que está nos céus!

Ser pai! Que grande responsabilidade! Pai de consciência tranquila, pois é à consciência a quem devo prestar contas. Não há travesseiro melhor do que uma consciência limpa.

Dois filhos, dois netos, uma nora muito meiga, chamada Aninha. E é isto que dignifica a vida. O neto, Tuquinha, que vai completar 18 anos, é um amor de rapaz. E a irmã, Raíssa, de 14 anos, me telefonou, outro dia, dizendo que acabava de ler um livro de RubemAlves, falecido recentemente.

Dia dos Pais! Pensando bem, todo dia é dos pais. A eles Deus entregou o comando da família. Infeliz daquele que não faz da paternidade uma missão...

E, antes de fechar a crônica, me vem a lembrança do meu pai, que foi um paizão com quem muito aprendi. Quando ele morreu, à beira do túmulo, eu disse algumas palavras de saudação que terminou com um “até logo, papai”. Isto em homenagem ao espírita que ele foi.
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também