Algum vento soprará destas montanhas Dias trará de longo pavoroso sofrer Espalhando esverdeado ocluso sofrer Do enregelado deixado à pró...

A soma de todos


Algum vento soprará destas montanhas
Dias trará de longo pavoroso sofrer
Espalhando esverdeado ocluso sofrer
Do enregelado deixado à própria sorte
Que por cáfilas cáfilas de anos
Sibilou entre penedos Irmão da névoa

Viu as engrenagens do luar Solidão de picos
Praticou alongada fome Foi fiel à sede
Soube estar só alcançado na febre

Foi um dia aderindo às rochas fincas
Até que encurvado insensível se fez
Sob madrigal desejosa névoa vã

Descerá gelo na lavoura amesquinhada
Terra banida de sais Limpa de profetas
Sobre estranhas nossas searas Veios de fogo
Chuva rica de ursos Selvas arrancadas
Nenhuma imagem ou som articulados
Visões de um instante Coro sem voz

Apagará os desenhos fibrilas da terra
Outros fará clássicos nítidos terríveis
Formalismos severos volúveis da água
Rápidos croquis abstratos do fogo
Exposição solar Antros de sombra

(Até que um silêncio seja a soma de todos)


Alberto Lacet é artista plástico e escritor
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também