O espetáculo é contínuo. Sempre há uma luz diferente, um mar rejuvenescido, uma poesia que voa com a paisagem. Rimas nas palhas dos coqueir...

O Cabo Branco

clovis roberto praia cabo branco joao pessoa ambiente de leitura carlos romero

O espetáculo é contínuo. Sempre há uma luz diferente, um mar rejuvenescido, uma poesia que voa com a paisagem. Rimas nas palhas dos coqueiros, raios que tocam e acariciam com tons dourados a barreira tão sofrida pela dança das marés e dos ventos e pelas agressões dos homens, o verde que surge e resiste ainda como um lençol de abrigo por trás do concreto represado graças à lei inteligente. Dos mais belos recantos de João Pessoa, a praia do Cabo Branco é um presente para cada morador e visitante da cidade.

clovis roberto praia cabo branco joao pessoa ambiente de leitura carlos romero
No amanhecer, recebe os primeiros raios do Sol que avisa às Américas durante boa parte do ano que um novo dia chegou. A faixa de areia branca em momentos de calmaria durante a semana é um convite para a contemplação. E as linhas do coqueiral, a calçadinha, o movimento das pessoas são balés diários. Mais ao extremo, a vigilância constante da falésia que faz uma curva ao beijar as águas do mar é um marco da identidade da cidade.

No fim de tarde, no trecho próximo à subida para a Ponta do Seixas, o por do Sol cria novas fantasias de luzes. Tons de azuis e amarelos do encontro dia/noite se entrelaçam aos verdes escuros do mar e brancos da espuma das ondas que quebram com força em um canto estridente junto à mureta durante as marés mais altas. E por ali mesmo durante o dia com a maré baixa que as águas recuam e permitem que as pedras cravejadas de conchas formem pequenas piscinas e grandes telas, ofertam uma caminhada para pequenos bancos de areias ilhados pelas formações rochosas.

E se é Lua cheia, um novo quadro é pintado naquele trecho de mundo. A bola branca/amarelada a elevar-se da linha sólida do horizonte nas águas do Atlântico Sul.

clovis roberto praia cabo branco joao pessoa ambiente de leitura carlos romero
Na divisa com Tambaú, a praia do Cabo Branco vira o palco perfeito para tantos encontros de pessoenses e visitantes. Seja à meia-noite ou ao meio-dia. Do nadar num mar sereno, no mergulhar e sentir as ondas calmas ou agitadas, aproveitar as delícias das águas mornas (em que pese a inaceitável presença de esgotos clandestinos que chegam ao mar pelas ligações inescrupulosas feitas por alguns moradores/comerciantes do lugar).

Mas, voltemos ao belo cenário urbano. Mesmo em dias de chuvas, quando está desértica, a praia do Cabo Branco é pura poesia. Lugar que atrai apaixonados. José Américo de Almeida a escolheu com uma morada estratégica onde podia se deleitar com o mar e uma visão privilegiada. E o escriba Ascendino Leite, sentado numa cadeira de balanço na areia, a observar e ouvir o diálogo das águas com a areia? E o que dizer das múltiplas visões da barreira através das saudosas pinceladas de Hermano José? Enamorados pela sua beleza.

E a cada reencontro com o Cabo Branco um sorriso, um olhar de admiração, um rever-se de outras épocas.


Clóvis Roberto é jornalista e cronista
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também