E assim se passou o dia dos Namorados. Fiquei a pensar sobre o assunto e, como estou numa fase de acesso ao Fundo do Baú (comunidade virtua...

Fundo do baú

ana adelaide peixoto tavares ambiente de leitura carlos romero dia dos namorados revirando bau nostalgia recordar musica brasileira revista antiga dia dos namorados namorar

E assim se passou o dia dos Namorados. Fiquei a pensar sobre o assunto e, como estou numa fase de acesso ao Fundo do Baú (comunidade virtual da qual faço parte), completamente rendida às mídias sociais, revirei meus baús e... Nossa! Gostei do que vi.

E assim se passaram dez anos! Vinte! Trinta! Quarenta! Esse tal de tempo é mesmo tinhoso!
 Sonhei acordada quando pré-adolescente e fiz muitos filminhos ao som de "Al Di La" (Emilio Pericoli), "Quando" (Roberto Carlos) e "Eu Não Sabia que Você Existia" (Leno & Lilian)...

Meu primeiro namorado, peguei na mão no cinema... Bom! Disse a que veio. O primeiro amor, também fui eu que peguei na mão! No terceiro amor, telefonei, convidei e dei vinho na boca. Ih! Parece que está faltando algum para ter pego na minha mão primeiro. Como era ansiosa, quem sabe por nervoso, dava sempre o primeiro passo. Até hoje chego antes nos lugares marcados... ou estados de espíritos...

Ouvi muitas serenatas. Ana, de Roberto Carlos era a preferida dos tocadores de fita...

ana adelaide peixoto tavares ambiente de leitura carlos romero dia dos namorados revirando bau nostalgia recordar musica brasileira revista antiga
Me apaixonei perdidamente. Perdi o prumo, o senso, os sentidos e a cor. Fiquei amarela, roxa, vermelha, branca, lilás. E revirei os olhinhos.

Recebi flores, bilhetinhos picantes, bombons, telefonemas de madrugada, declarações como se o mundo fosse acabar amanhã... Dei tudo isso em troca também. Ou foi mesmo ao contrário?

Viajei léguas para encontros amorosos. Quis até ir à França! Ou fui ali na esquina mesmo. A pé, correndo, sem fôlego. Tive rompantes de pular no pescoço de paixão e raiva. Fiz as pazes em almofadas hippies com direito a trilha sonora.

Me agarrei muito no escurinho do cinema, nas esquinas, nos bancos, em lugares estranhos e comuns. Os filmes? Quem sabe!

ana adelaide peixoto tavares ambiente de leitura carlos romero dia dos namorados revirando bau nostalgia recordar musica brasileira revista antiga
Fiquei indignada como ele preferia namorar aquelazinha sem graça e não eu tão cheia de graça, ao doce balanço do mar.

Inventei mentiras. Assumi verdades. Transgredi. Perdi o sono.

Lugares românticos? No outono, na lavanderia, trocando livros em Notting Hill e na Ponte de Waterloo. So long, Farewell. Na Sorvelanche, no Liceu, no Cine Municipal, nas madrugadas, no portão de casa, à beira mar, no mar (alguns caldos!), no ar, no chão. Comendo éclair, ovos mexidos, sopa de feijão ou vatapá. Sim!

No Dentista ou na ladeira do ponto de cem réis! Na praia da Penha, dançando agarrado, e sem música (essa é a melhor coreografia!). No orelhão, no bar Motorcar ou em Sampa, com alguém que diz que lambeu o asfalto enquanto esperava a sua hora.

Lugares de um aceno, de um beijo, de um olhar quente e eletrizante; lugares de um sexo casual, selvagem ou bem comportado. Tudo ao seu tempo e à sua hora. Mas nem sempre tão organizado assim. O amor (des)organiza. Acho que tive meus momentos de devaneios, de prisão e libertação. Perambulei por zonas perigosas ou inocentes e deliciosas;

Nossa! desencavei Cuscu, a música "Poco a Poco" e um estrangeiro de chapéu por entre as brumas, por entre os Incas. Festa no Reino!

Quando jovem, tem gente que faz você parar no tempo e no espaço. E aquele momento único de êxtase faz com que se perca a cabeça, o senso e todo e qualquer limite. Vivi isso poucas vezes, mas confesso que vivi!

Disse adeus algumas vezes. Que dor. Que vazio. Que maus tratos. Que desolação. Que Desejo sem reparação!
Fiz parte da Ciranda do Amor. Afinal, numa província e estudando nas Lourdinas, não havia tantos candidatos assim. Ana que namorou fulano, que namorou Maria, que namorou José. Hoje, quando vejo fotos... engraçado.

Os maridos trocados, as estórias entrelaçadas, os enredos? Coisa da pós-modernidade? Fragmentado, estória e autobiografia costurada; fronteiras nebulosas; alguns gêneros nunca dantes navegados: prosa, poesia e tragicomédia. Ironias da vida, destino, sincronicidades, alcovas, nostalgias, entre-lugares, ficção e realidade. Mas quem há de negar que essa lhe é superior?

ana adelaide peixoto tavares ambiente de leitura carlos romero dia dos namorados revirando bau nostalgia recordar musica brasileira revista antiga

Disse adeus algumas vezes. Que dor. Que vazio. Que maus tratos. Que desolação. Que Desejo sem reparação!

Também levei foras, tabefes de luvas de pelica, desilusões, traições, ões ões - Perdoa-me por te traíres! Faltas, ausências, silêncios. Mas... interessante é que essa parte, inteligentemente, a gente não aciona tanto as gavetas do amor. Hoje só quero a maçã vermelha e adocicada. Hoje somente o abraço enamorado. Hoje, só os afagos dos "Botões da Blusa" e a sua barba mal feita de que tanto gosto. Sim! Suas mãos delicadas e lindas, percorrendo os meus arrepios.

Que bom que temos a memória para acessar as coisas boas. E deletar as inconvenientes. Hoje só quero dengos. Beijos. Na boca. Hoje só quero amor. Parece bobagem? Parece coisa de adolescente? Pois que venham esses anos de loucura e pouca idade, pois que venham toda e qualquer irresponsabilidade. Hoje eu não tenho idade. Hoje eu sou só amor.

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto

Que mesmo em face do maior encanto

Dele se encante mais meu pensamento.

(Vinicius, sempre Vinicius)

Feliz dia dos Namorados. Em algum lugar da vida. A qualquer tempo.


Ana Adelaide Peixoto Tavares é doutora em teoria da literatura, professora e escritora
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também