Os plátanos vivem séculos. E há séculos embelezam o mundo. Solenes, ornamentais, margeiam memoráveis boulevards, bordejam praças e parques ...

Paixão pela vida e natureza

ambiente de leitura carlos romero arquiteto germano romero platanos handel haendel ombra mai fu amor pela natureza amor pela vida opera canto lirico recordacao dos ausentes

Os plátanos vivem séculos. E há séculos embelezam o mundo. Solenes, ornamentais, margeiam memoráveis boulevards, bordejam praças e parques monumentais, marcam e simbolizam paisagens que definem com singularidade a beleza de cada estação.

ambiente de leitura carlos romero arquiteto germano romero platanos handel haendel ombra mai fu amor pela natureza amor pela vida opera canto lirico recordacao dos ausentes
Do brilho intenso e verdejante, suas folhas se amarelam, douram-se, enferrujam-se e caem pelo chão atapetado, ensinando-nos sobre os caminhos da vida e do tempo. Cada tom, cada fase tem sua graça e em todas se impõem na variedade que assumem durante anos a fim.

Na Inglaterra, os plátanos inspiraram Händel a compor uma das árias de ópera mais apreciadas pelos amantes da Música, estreada em Londres há quase 300 anos, ambientada entre a Pérsia e a Grécia de 500 anos antes de Cristo. Na cena que abre o drama,  a canção “Ombra mai fu",  que ficou conhecida como “Largo de Händel”, o rei persa, austero e dominador, recompõe-se de seus conflitos ambiciosos à sombra de um belo plátano, exaltando o amor e dirigindo-lhe simbolicamente toda sua admiração.


Embora a árvore figure como metáfora do amor apaixonado, a escolha é bem apropriada por se tratar de espécie presente e decantada em muitas partes do mundo. O libreto de “Serse” (Xerxes) diversifica-se em simbólicas releituras, homenageando a paixão humana como “Cântico dos cânticos”, em várias tonalidades. Talvez “Ombra mai fu” seja uma das árias transcritas com maior número de variações, cantadas e instrumentadas em diversos timbres e registros.

ambiente de leitura carlos romero arquiteto germano romero platanos handel haendel ombra mai fu amor pela natureza amor pela vida opera canto lirico recordacao dos ausentes
Para nós, a obra tem significado mais que especial, por se referir a uma das favoritas árvores de Carlos Romero, admirada e referenciada em crônicas de vida e viagem. Com que embevecimento ele as olhava quando passeávamos pelas alamedas de cidades europeias, ressaltando-lhes as mensagens que delas implicitamente exalavam sobre a transitoriedade, efemeridade e mudanças a que estamos sujeitos!... Ora verdes, ora amarelados, depenando-se no outono e completamente secos no inverno, os plátanos guardam o simbolismo que talvez tenha inspirado Händel na sua ode às virtudes do amor.

O cronista se contagiava tanto com a poesia das folhas secas, a cobrir espessamente o passeio, que chegava a colhê-las, beijá-las, pedir fotos, e trazer muitas delas dentro dos bolsos, dos livros, que depois viravam marcadores de páginas e enfeitavam prateleiras de sua biblioteca.

E terminaram emolduradas em quadros que hoje retratam suas doces lembranças, nas paredes do gabinete onde tanto escreveu, leu, inspirou-se, ouvindo largos e cantatas eternizados no amor de Serse. Tão intenso como sua inesquecível paixão pela vida e pela natureza.


...Germano Romero é arquiteto e bacharel em música
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também