Quero unir as forças invisíveis e intocáveis de todos recantos do globo em forma de ventos, que formem um poderoso martelo de sopros feroze...

Ventos

clovis roberto ambiente de leitura carlos romero tempestade vento mitologia deuses dos ventos

Quero unir as forças invisíveis e intocáveis de todos recantos do globo em forma de ventos, que formem um poderoso martelo de sopros ferozes ou uma suave brisa. Deuses e infernais, vindos do coração da terra e das águas, das montanhas ou planícies, viajantes dos desertos e mares, companheiros e inimigos dos navegadores aéreos, náuticos ou terrenos.

...clovis roberto ambiente de leitura carlos romero tempestade vento mitologia deuses dos ventos
Poderes unidos de Euro, Noto, Zéfiro e Bóreas que, comandados por Eólo, o guardião dos ventos, que quase destruíram o ponderado e bom Ulisses, transformem o mundo! Irmãos de força de Ehecati, deus dos ventos dos astecas, e Ehecatotontli, deus da brisa, que se revezem nas superfícies.

E misturar pedaços do Bad-i-sad-o-bis-roz a varrer as desérticas regiões iranianas e afegãs durante grande parte do ano, com sua arte de esculpir montanhas ao longo de milênios, e trazer novas ordens mundiais.

clovis roberto ambiente de leitura carlos romero tempestade vento mitologia deuses dos ventos

Ainda convidar o Siroco para construir as paredes quentes da areia do Saara. Provação verticalizada em milhões de fragmentos em desafio de força aos mais resistentes nômades.

Cristalizar com o úmido e gélido Minuano que desce dos Andes para atravessar a Argentina e visitar o sul do Brasil com suas mensagens polares, mudando a paisagem, girando após chuvas e frentes frias, igual aos indígenas que lhe emprestaram o nome. Do norte brasileiro
...clovis roberto ambiente de leitura carlos romero tempestade vento mitologia deuses dos ventos
acordar a Cruviana, deusa do vento e da neblina, vento que bate frio durante a madrugada ao visitar as regiões amazônicas com suas lendas misteriosas.

E acompanhar a trajetória do interior da África rumo às águas do Atlântico de Harmatão, o "Vento Doutor", para curar os males que sobram à superfície terrena, preparando-a assim para o plantio. Que ele se espalha alhures para distribuir elixires, sopros de vida, brisas de bálsamos.

Que soprem na terra os mais fortes e leves ventos. Como furacões varram os homens maus, que se transformem em brisas para arar os campos, que vagueiem pelas planícies e montanhas movendo boas novas. Que as sementes não sejam palavras ao vento, mas sopros de esperança. E que se restar ao fim da jornada as pegadas na areia, que o vento sopre mais uma vez, como boa lembrança, e semeie apenas bons ensinamentos.


Clóvis Roberto é jornalista e cronista

COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também