Canção enluarada Espero a noite que não tarda, E com as rimas da saudade Componho-te um poema branco. Deixei a rima em algum canto esq...

Canção enluarada

ambiente de leitura carlos romero volia loureiro do amaral poesia paraibana lua enluarada audaz noite de lua

Canção enluarada

ambiente de leitura carlos romero volia loureiro do amaral poesia paraibana lua enluarada audaz noite de lua
Espero a noite que não tarda,
E com as rimas da saudade
Componho-te um poema branco.
Deixei a rima em algum canto esquecida.

O firmamento que já se cobre
De tons mais gris,
Deixa na alma as marcas dessa saudade sufocada.
Que teima em me machucar.

E eu busco no céu os sinais,
Eu procuro onde deixei a minha rima perdida,
Eu busco me reencontrar,
Onde ficou perdida a minha vida?

Porém, a noite traz em seu regaço o luar,
E a minha alma perdida na tua, põe-se a sonhar,
E teu feitiço cigano me encanta, deixa-me dominada.
E nesse instante eu te escrevo a minha canção enluarada.

E, nesse instante, eu me cubro com a tua magia,
E deixo fluir de mim a minha maior poesia,
Porque o amor há de ser maior que uma realidade sofrida,
O amor há de vencer a rotina medíocre e formatada,
O amor há de saber nos fazer cantar essa canção enluarada



Audaz

ambiente de leitura carlos romero volia loureiro do amaral poesia paraibana lua enluarada audaz noite de lua
Quero ter um coração audaz
E ir além, mais adiante,
Do que me sinto capaz.
Quero ter um coração audaz.

Quero ter um coração audaz
E investir contra os moinhos de ventos
Dos meus medos, dos meus preconceitos,
Da comodidade que pequena me faz.
Quero ter um coração audaz.

Quero ter um coração audaz
E ter a ousadia dos loucos,
Quero trilhar os caminhos,
Que são escolhidos por poucos,
Quero ter um coração audaz.

Quero ter um coração audaz
E entrar pela porta estreita,
Quero subir a montanha,
Quero andar na corda bamba,
E me equilibrar entre a sanidade dos loucos
E a loucura dos normais.
Quero ter um coração audaz.

Quero ter um coração audaz
E amar com inteireza o amor,
Entregando-me à sua beleza,
E crucificar-me na dor,
Para enfim ressuscitar,
E, em meu eu, encontrar a paz.
Quero ter um coração audaz.



Clair de Lune

Sob o clarão da Lua,
Minh’alma se perde de tanto amor,
E rendendo-se, sem temor,
Oferece-se e se faz tua.

ambiente de leitura carlos romero volia loureiro do amaral poesia paraibana lua enluarada audaz noite de lua
Sob o clarão da Lua,
Meu olhar passeia sobre o teu corpo,
Que adormecido, nem presta atenção,
No doce enlevo que é te admirar, adoração.

Sob o clarão da Lua,
Escrevo os versos mais ardentes,
A falar de um amor inebriante,
Que me arde no peito em agonia constante.

Sob o clarão da Lua,
Guardo o segredo desse amor,
Em preces veladas, dirigidas a ti, somente
Que não ouves o meu verso candente.

Sob o clarão da Lua,
Deixo uma pequena lágrima rolar,
E, despedindo-me do Luar,
Volto ao mundo do sonhar,
Na luz da saudade plangente.



Vólia Loureiro do Amaral é engenheira civil, poetisa e escritora
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também