É muito comum nos despedirmos numa comunicação escrita ou quando estamos falando com alguém à distância, enviando um abraço. Fazemos isso p...

Saudade de abraçar quem amo

ambiente de leitura carlos romero rui leitao abraco pandemia saudade isolamento confinamento falta de abraço

É muito comum nos despedirmos numa comunicação escrita ou quando estamos falando com alguém à distância, enviando um abraço. Fazemos isso porque entendemos a importância desse gesto simples representando atenção, afeto, consideração. O abraço, em todas as circunstâncias, tem um efeito terapêutico. É uma atitude carregada de sentimentos e emoções. Compartilha alegrias, comemora solidariamente as conquistas, festeja os acontecimentos felizes. Mas também transmite conforto nos instantes de dor, sofrimento, decepções, tristezas.

ambiente de leitura carlos romero rui leitao abraco pandemia saudade isolamento confinamento falta de abraço
O abraço, na manifestação sincera e espontânea, traz uma carga de amor fraterno, com poderes de transformação no nosso estado de espírito. Após um abraço sentimo-nos outro. Por meio dele percebemos que não estamos sós, nem nas ocasiões de contentamento nem (principalmente) nas situações de dificuldades e desânimo.

Estou refletindo sobre o abraço afetivo, cheio de sentimento, não o que se dá por convenção social, frio, formal, numa saudação de chegada ou de despedida em encontros fortuitos. Quero falar do abraço que traz intensidade no encontro de corpos. O enlaçamento dos braços entre duas pessoas que se gostam, configura-se uma comunicação íntima de carinho, de respeito, de comunhão de sentimentos.

Não é de se estranhar que as relações sexuais se iniciem com um abraço, porque é o momento em que o amor, a paixão sentida um pelo outro, desperta a libido, potencializa os desejos, constrói o ritual dos prazeres da sensualidade. No abraço de enamorados tem que ter “pegada”, química, toque mágico de pele.

ambiente de leitura carlos romero rui leitao abraco pandemia saudade isolamento confinamento falta de abraço

O abraço, portanto, só nos faz bem, tanto quando oferecemos, quanto ao recebê-lo. Não há forma mais afirmativa de expor companheirismo, cumplicidade, adesão, aconchego, conforto, proteção, do que o ato de abraçar alguém.

A pandemia do coronavírus tem impedido, temporariamente, praticarmos esse gesto tão importante nas manifestações de amizade, amor, solidariedade, felicidade e compaixão. Estamos vivendo o sentimento da saudade dos abraços. O isolamento social que estamos obrigados a cumprir está fazendo com que aprendamos a valorizar esse gesto simples, mas tão reconfortante. Quando tudo isso passar, estejamos preparados para repeti-lo quantas vezes for possível. Confesso que estou ansioso para poder voltar a dar abraços apertados nas pessoas que amo e tenho apreço.


Rui Leitão é jornalista e escritor
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também