A frase é meio batida, surrada até, mas foi a que me ocorreu quando da leitura do livro “Harpia”, de Aline Cardoso: “Hay que endurecerse, p...

Flores de aço

ambiente de leitura carlos romero sergio de castro pinto poeta posia paraibana aline cardoso livro harpia

A frase é meio batida, surrada até, mas foi a que me ocorreu quando da leitura do livro “Harpia”, de Aline Cardoso: “Hay que endurecerse, pero sin perder la ternura jamás”. Seja ou não da autoria de Che Guevara, a mim apenas importa que poderia servir de epígrafe para o livro, uma vez que encerra, condensa, a atmosfera da maioria dos poemas que o compõem. Poemas fortes, incisivos, diria quase aforismáticos, e que aprofundam o conflito entre a “vida vivida e a vida pensada”, pois já não disse Oscar Wilde que, “Para a maioria de nós, a vida real é a vida que não vivemos?”

ambiente de leitura carlos romero sergio de castro pinto poeta posia paraibana aline cardoso livro harpia
Daí o desejo premente de o eu lírico interferir na realidade, transgredi-la, mudá-la, quer denunciando-a como quem corta na própria carne, quer através de uma visão utópica que, longe de externar uma visão ingênua e edulcorada do mundo, entra em consonância com um texto de Fernando Birri sobre a utopia, no qual ele a compara à linha do horizonte. Ou seja, mesmo sabendo-a inalcançável, fugidia, o esforço de quem se propõe a alcançá-la não é de todo inútil, pois obriga-o a caminhar, a perseguir um objetivo, um ideal, enfim, a utopia, o que me fez lembrar um verso do espanhol Antonio Machado sobre o caminhante: “Caminhante, não há caminho, o caminho faz-se a andar”.

Aline Cardoso anda e abre o seu próprio caminho não só quando cumpre um percurso ascensional no que se refere à sua poesia, como também no enfrentamento dos temas sobre os quais articula um discurso cuja contundência não desfaz de todo os laços de ternura que mantém com o mundo.

Conforme é sabido, a harpia é um gavião graúdo, de penacho, cujo tamanho e ferocidade levaram os primeiros exploradores europeus da América Central a nomearem-na como tal em função das monstruosas meio-mulheres, meio-águias, da mitologia grega. Porém, diferentemente dessa espécie de gavião graúdo,
ambiente de leitura carlos romero sergio de castro pinto poeta posia paraibana aline cardoso livro harpia
os poemas de Aline Cardoso no geral são minimalistas, breves, concisos, além de dispensarem o penacho ou quaisquer outros adereços, uma vez que, na esteira de Verlaine, cumpriu-lhe a função de “torcer o pescoço da eloquência”, da retórica, para torná-los substantivos.

Já o lirismo de “Harpia” é de outra ordem, diametralmente oposto ao dos que cultivam as flores da retórica borrifando-as com o orvalho da inspiração, pois Aline Cardoso cultiva flores de aço, flores que vergastam como chicotes, que cortam como lâminas, mas que possuem uma ternura implícita, oculta nas entrelinhas, cabendo ao leitor colhê-la “como a ponta do novelo que a atenção, lenta, desenrola...”

Diversamente da Sevilha de Federico Garcia Lorca, “(...) que preferia olhar o mundo por um binóculo invertido”, os poemas de Aline são lentes de longo alcance, olhos de águia que a tudo veem e a tudo captam com as garras cirúrgicas da concisão, da brevidade ou, mais uma vez para citar o poeta andaluz, com a “estética do diminuto”.


Sérgio de Castro Pinto é doutor em literatura, professor e poeta, membro da APL
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também