Embora eu não tenha nenhuma habilidade para tocar instrumentos, a música sempre fez parte da mim. Costumo dizer que a minha vida tem trilha...

Música, maestro!

Ambiente de leitura carlos romero jose mario espinola bolero ravel maurice impressoes musicais literatura paraibana filme retratos da vida les uns et les autres joao donato maurice bejart ida rubnstein

Embora eu não tenha nenhuma habilidade para tocar instrumentos, a música sempre fez parte da mim. Costumo dizer que a minha vida tem trilha sonora, pois quase todos os momentos da minha existência são associados a uma canção.

A mais antiga lembrança que eu tenho é da música do cancioneiro gaúcho "Meu Boi Barroso". Era com ela que o meu irmão João Neto costumava me embalar para dormir, quando eu tinha uns três anos.
Foi o começo musical da minha longa caminhada de sete décadas.

No início do curso médico, recebi de meu irmão Paulo Fernando um presente que me marcou para o resto da vida: uma coleção de discos que incluía de clássicos a músicas latinas, passando por canções populares americanas e brasileiras. Paulo me chamou a atenção para uma música que eu não conhecia, e que era uma de suas prediletas: "Bolero", de Maurice Ravel, a qual me hipnotiza até os dias atuais.

Costumo escutar as músicas tentando analisá-las minuciosamente, como se estivesse realizando uma autópsia: identificando os instrumentos.

Em primeiro lugar, procuro logo os sons graves, que são os que mais me atraem: violoncelo, contrabaixo, viola trompas e tuba. Depois tento identificar os outros instrumentos: as cordas, os de sopro, as madeiras. Finalmente, a atenção se volta aos instrumentos de percussão, que geralmente dão o ritmo à música.

Paralelo a isso tudo, fico atento à letra e às vozes: a poesia envolvida, a história contada, a mensagem transmitida. Ou o vazio disso tudo. João Donato, para exemplificar, compôs músicas belíssimas, porém sem histórias, que foram letradas muito depois. E as letras das músicas de Rita Lee, salvo honrosas exceções, têm a consistência de um suspiro doce. São muito bonitas de se ouvir.


Voltando ao Bolero, procurei ler para conhecer como foi criada e como é executada. Quais são os instrumentos envolvidos e que despertam tanto a minha imaginação. Certo dia, deparei-me com o blog Euterpe, uma verdadeira preciosidade para quem quer aprender como ouvir músicas clássicas e suas respectivas histórias.

Ambiente de leitura carlos romero jose mario espinola bolero ravel maurice impressoes musicais literatura paraibana filme retratos da vida les uns et les autres joao donato maurice bejart ida rubnstein
Ali, fiquei sabendo que a canção foi composta sob encomenda de Ida Rubinstein, a dançarina clássica, para ser um balé com forte inspiração espanhola.

Relembrando Maurice Bejart, que a desempenhou no alto da Torre Eiffel no filme Retratos da Vida (Les Uns et Les Autres), pareceu-me que os seus acordes provocam uma dança inevitavelmente sensual, senão erótica. Dizem os historiadores que, realmente, o "Bolero" causou escândalo à época do lançamento, na década de 1920, provocando reação desagradável da crítica e da sociedade.

Eu não considero assim; ou melhor: não é assim que eu a escuto. Imagino o Bolero como o desfile apoteótico de um exército vitorioso retornando dos campos de batalha e se apresentando diante do rei. Sempre que a ouço solto a imaginação.

E me vejo dentro de uma cidadela antiga, à frente de um palanque elevado, onde está o rei à espera de seu exército glorioso. Em torno de mim, o maior frisson causado nos súditos, que esperam ansiosamente pelo desfile anunciado.


A aproximação do cortejo é materializada através da música, a princípio distante, a princípio distante, mas num ritmo firme e progressivo. Esta sensação de movimento de aproximação é proporcionada pelo crescendo da melodia do Bolero.

A música se comporta como um vórtice, uma espiral, que dá voltas cada vez mais fechadas. A cada volta se adiciona um novo instrumento. E nós estamos no meio desse vórtice.

A obra sinfônica começa com o toque da caixa, que marca o ritmo da música e chama a atenção de todos os presentes para silenciarem. Porém é a flauta que dá início ao desfile,
Ambiente de leitura carlos romero jose mario espinola bolero ravel maurice impressoes musicais literatura paraibana filme retratos da vida les uns et les autres joao donato maurice bejart ida rubnstein
tocando baixinho, como se fosse ouvida bem distante do palanque onde estão o rei e os nobres.

Em seguida, a música dá outra volta e o corte vem chegando ainda mais perto, ao som de um clarinete mais baixo, em si bemol (segundo os estudiosos). No palanque, o clima é de excitação.

A música, então, aumenta com a adição do clarinete em agudo e do oboé d'amore. Na sequência, entram, de mãos dadas, o trompete com surdina e outra flauta.

O exato momento da passagem do desfile sob o arco triunfal é marcado pelo trio formado pelo saxofone tenor, e os saxofones sopranino e soprano.

Mais uma vez a música aumenta, o desfile avança e a turba ensaia um delírio, ao ouvir a trompa acompanhada de dois flautins e da celesta (espécie de pianola), que tocam simultaneamente todas as notas iguais, variando as oitavas uma sobre a outra!

A esta altura, o cortejo passa diante do palanque real. Todos os nobres já estão embriagados. Lá embaixo, do outro lado da rua, me encontro eu, enebriado com a música.

Ambiente de leitura carlos romero jose mario espinola bolero ravel maurice impressoes musicais literatura paraibana filme retratos da vida les uns et les autres joao donato maurice bejart ida rubnstein

E a música continua a dar suas piruetas e adicionar instrumentos. Desta vez, o oboé retorna, acompanhado do oboé d'amore, do corne inglês e de dois clarinetes, causando estrondos na frente do palanque, como se quisesse exibir-se à Sua Majestade. E a multidão alucinada!

Então, todos os instrumentos se juntam: violinos, violas, violoncelos, bumbos, caixas, pratos, címbalos, sininhos. Todos explodem numa epifania apoteótica que lembram elefantes trombeteando ao máximo em frente ao palanque! É quando acaba o desfile e eu retorno à realidade.

Não tenho a erudição de um Germano Romero, nem a profundidade de pesquisa de Sérgio Rolim ou Flávio Ramalho de Brito. Mas, por ser uma das minhas grandes paixões, eu tento entender e ir profundo nas músicas que escuto.

É assim que eu sinto o Bolero de Ravel.


José Mário Espínola é médico e escritor
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Ângela Bezerra de Castro9/9/20 22:40

    Encantada, amigo , com esse entrelaçamento criativo de um imaginário prodigioso , de uma sensibilidade mágica que se associam a um notável conhecimento dos instrumentos musicais ,para recriar a transcendental embriaguez que a música produz em seu espírito .

    ResponderExcluir
  2. À proporção que você descreve o "Bolero", vamos entrando na Orquestra como se fossemos mais um instrumento em execução. Parabéns Zé Mário por essa viagem musical!

    ResponderExcluir
  3. Gostaria de agradecer a todos os que aqui teceram comentários. Digo que são muito importante para que eu possa aprimorar a minha escrita, tentando chegar perto da perfeição de um Gonzaga Rodrigues.

    ResponderExcluir

leia também