Anos atrás, suspendi uma iminente mostra na galeria Gamela, para surpresa de Rosely Garcia. - O que houve?! - Está faltando alguma coi...

Densidade

Ambiente de leitura carlos romero waldemar jose solha literatura paraibana exposicao galeria gamela unidade da arte

Anos atrás, suspendi uma iminente mostra na galeria Gamela, para surpresa de Rosely Garcia.

- O que houve?!

- Está faltando alguma coisa nesses meus quadros e não vou expô-los assim.

Voltei à literatura, olhando a toda hora aquelas telas nas minhas paredes, com angústia. Até que... percebi que aqueles quadros todos somente funcionariam juntos. Faltava-lhes, individualmente, ... densidade.

Ambiente de leitura carlos romero waldemar jose solha literatura paraibana exposicao galeria gamela unidade da arte
Doei, então, o lote à sala da COEX, da UFPB, com o compromisso do Fernando Abath, seu administrador, de mantê-lo sempre... como uma instalação intitulada: Ando Muito Confuso.

Mas ao fazer o papel do Senhor X, num episódio-piloto rodado por Dowling na Biblioteca Central da UFPB, em cima de uma história de Georges Perec, tive o desprazer de ver algumas daquelas minhas telas agora dispersas – com sua vacuidade - em várias salas, a instalação desfeita pelo substituto de Abath.

Densidade.

Sua falta foi – paradoxalmente – o grande tema dos quadros de Edward Hopper durante a vida toda. Passei a prestar mais atenção neles depois de ver, no Museu Thyssen-Bornemisza de Madri, a tela em que uma solitária mulher jovem, aparentemente cansada, tem os olhos parados, num quarto de hotel. Hopper capta, noutro quadro, o vazio que já senti tantas vezes entre duas sessões de cinema, e que Bráulio Tavares define muito bem, num de seus extraordinários artigos, que cito de memória:

- É a expectativa difusa de que algo miraculoso, impossível, começará a acontecer quando as cortinas se abrirem, algo maior que a vida real, e com o poder de fazê-la parar durante duas horas.

É por essa densidade que a senhora solitária espera, e que vamos encontrar numa obra-prima da comédia, como Quanto mais quente, melhor, de Billy Wilder, nos quadrinhos de um Batman cabisbaixo e sombrio, de Frank Miller, no Gonzaga Rodrigues de A Mulher da Foto, num Dom Sertão, Dona Seca, de Sitônio Pinto.

Ambiente de leitura carlos romero waldemar jose solha literatura paraibana exposicao galeria gamela unidade da arte
A angústia da criação é o reverso dessa, da senhora. É a que está justamente na operação capaz de obter espessura de conteúdo e forma que a tirará do nada. Angústia insaciada que travou minha mostra na Gamela e que – aparentemente resolvida - acabou inútil para a COEX.

E quantas vezes vi essa tensão dar em nada trabalhando no setor de criação de agências de publicidade. É curioso como existe o suspense do criador no acabamento de um romance, tanto quanto no fecho de um comercial de 30 segundos. É curioso como foi catártico o momento em que vi o quanto uma câmera U-Matic, de TV, se parece com uma metralhadora, e fiz um líder sindical encapuzado voltá-la pro espectador e dizer “Mas agora temos uma nova arma: a televisão!”

Ou aquele em que o tenor Vianey, no grupo com máscaras do carnaval de Veneza, canta o "Largo al factotum" (“Abra caminho para o faz-tudo”), do Barbeiro de Sevilha, cantando que “se você for um dos dez a comprar primeiro / seu apartamento no Firenze ou Venezia, / vai pra Itália com acompanhante, / grátis!”, mas vi muitas vezes ideias rejeitadas pelo cliente ou pela própria agência, justamente pela falta da densidade buscada.

Certa vez, o grupo de amigos fanáticos por Mozart – Burity, Kaplan, Yerko, Luiz Carlos, Dr. Paulo Maia – não gostou quando – ao assistirmos em DVD a um dos trinta concertos para piano e orquestra do Amadeus, eu disse: “Esse foi puramente burocrático”. Mas é verdade. O próprio Bach, obrigado a apresentar nova cantata toda semana, nem sempre se saiu essas coisas todas. Eficiente, sempre, claro. Miguelângelo deixou inúmeras esculturas inacabadas, certamente porque percebeu que acabariam mal.

Não é fácil.

Ambiente de leitura carlos romero waldemar jose solha literatura paraibana exposicao galeria gamela unidade da arte
Conta-se que Schubert – cuja timidez impedia de acercar-se de Beethoven – ousou entrar na casa dele depois de sabê-lo morto... e se chocou ao ver as partituras intrincadas de tantas correções, pois tinham marcante aparência de fácil concepção, como aquela torrente de variações das quatro notas iniciais da Quinta Sinfonia.

O título para este texto poderia ser Agonia e Êxtase – como no romance de Irving Stone e no filme de Carol Reed sobre Miguelângelo. Foi terrível, para o Buonarroti, deixar de esculpir – atividade com a qual se identificava – pra pintar o teto da Sistina, por exigência da densidade que o Papa Júlio II queria também lá em cima!

Em 1980, a artista plástica Fayga Ostrower foi convidada, pela Encadernadora Primor S/A, do Rio de Janeiro, a ministrar um curso de arte para os operários da sua fábrica, e disso nasceu um trabalho estupendo chamado Universos da Arte. Bendita ansiedade da encadernadora, que acabou por saciar também a minha!

Todo trabalho marcante exige um empenho acima do humano e, quando nosso superego não faz isso, o resultado só aparece com esses agentes externos a nos infernizar. Por sacarem, ao seu redor, essa maldita falta... de densidade!


W. J. Solha é dramaturgo, artista plástico e poeta
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também