Ele queria medir o mundo. Com as mãos ou com as ideias. O mundo e vários outros que cabiam na imaginação fértil, na mente encantada das cr...

O mundo mágico das crianças

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana germano romero mundo infantil reino dos ceus imaginacao brincadeira crianca
Ele queria medir o mundo. Com as mãos ou com as ideias. O mundo e vários outros que cabiam na imaginação fértil, na mente encantada das crianças.

Havia se afastado dos adultos, decerto sorrateiramente ou mesmo sem se aperceber. Atraído pela penumbra da rua perpendicular à praça, ambiente mais propício a libertar o imaginário, engrandeceu-se no sossego da solidão.


Ali, à certa distância dos familiares, bem entretidos no banco da praça iluminada e dominicalmente festiva, ele se sentia livre, jamais só. É admirável a capacidade das crianças em construir e interagir num mundo próprio, com infinidade de sonhos e personagens. Naquele instante, na calçada que beirava o muro alto e comprido, era imenso o universo do garoto simples, de uns 6 ou 7 anos.

Com o pedacinho de uma régua ou trena velha que deveria ter achado no chão, ele media o muro meticulosamente, palmo a palmo. Completamente absorto na cuidadosa e importante tarefa, não se importava com quem passava na rua. Talvez não mais lembrasse de que dia era, nem dos pais que não notaram sua ausência. Era tudo o que ele queria. Medir o muro. As gangorras e balanços que se movimentavam alegremente na praça cheia de gente não o atraíam tanto quanto o trabalho de aferição métrica.

Com as mãozinhas pequenas, levantadas acima dos olhos, palmilhava os pedaços de parede chapiscada, que a desgastada tira de trena permitia. Corpo e mente imersos, silenciosamente caminhavam juntos, a passos miúdos, nos centímetros que se multiplicavam ao longo da rua.

Qual seria a expectativa da relevante medição, do levantamento que ora requereria precisão tão atenciosa do dedicado topógrafo? Sabe Deus. São imponderáveis os encantos que habitam a mente pura da infância. Nem o olhar revela.

Somente a ele importava. Quem sabe estaria medindo sonhos de ser um futuro pedreiro, um mestre de obras, construtor, arquiteto? Quem sabe media a distância entre realidade e imaginação? Ou mesmo o tamanho dos limites impostos por sua condição...

Não, ele ainda não ligava para isso. Não tinha noção da dimensão das injustiças inerentes ao tecido social em que se inseriu desde que nasceu. Nem imaginava que eram muito maiores do que aquele muro, cuja extensão devagarzinho tentava aquilatar.

Antes que concluísse a esmerada tarefa, já perto da esquina, misteriosamente iluminada pelo poste, ouve o chamado da mãe:

— “Vem simbora, menino, que danado tás fazendo aí nesse escuro, ôxe?!!

E tudo desabou na seca realidade, que agora podia ser medida. Ainda bem. Melhor que ele não concluísse a sonhada medição. Assim se preservaria e guardaria, sem limites, os sonhos que aferia, dos quais jamais alguém saberia. Nem eu, nem você, leitor. Já saímos deste mundo, chamado por Jesus de Reino dos Céus...


Germano Romero é arquiteto e bacharel em música
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Parabéns Germano...gostosa crônica!!👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir
  2. Os sonhos de criança sãó sempre encantados. Quando contados com maestria tornam-se mágicos. Parabéns, Germano!

    ResponderExcluir
  3. Maravilha Germano, esse passeio no sonho de uma criança.

    ResponderExcluir
  4. Maravilha Germano, esse passeio no sonho de uma criança.

    ResponderExcluir
  5. O lúdico e a fantasia, chaves da vida infantil e instrumentos de elaboração da vida real, exterior, mantidos no adulto que nos tornamos como capacidade criativa...
    Parabéns, Germano! Amei o texto!

    ResponderExcluir

leia também