Sou do tempo (isto é apenas um fato, não um juízo de valor) em que experiência era algo que se fazia em laboratório, com pipetas e tubos de...

Sobre experiências

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana francisco gil messias pandemia ano novo experiencia aventura surpresas banalidade confinamento
Sou do tempo (isto é apenas um fato, não um juízo de valor) em que experiência era algo que se fazia em laboratório, com pipetas e tubos de ensaio. Coisa de cientista ou candidato a. Agora tudo mudou. Tudo se tornou experiência.

Você vai ao restaurante desejando apenas degustar uma boa bebida e um bom prato, às vezes algo até mesmo simples, sem sofisticação, tipo um honesto filé com fritas ou uma feijoada decente (se for no almoço, claro), e aí chega o garçom, o maitre ou até o próprio chef para lhe anunciar solenemente que, ao invés da degustação pedida e desejada, você vai na realidade usufruir de uma “experiência”, assim mesmo, com aspas e tudo, para dar maior transcendência, de modo que você fica até receoso, sem saber o que irão lhe servir. Puxa, você pensa, eu só queria tão somente meu filezinho (ou meu feijãozinho) e de repente vem esse cara dizer que em seu lugar terei uma experiência. Mas será que eu quero fazer essa troca? Afinal, estou pagando, e, segundo o ditado, o freguês tem sempre razão. Porém, que fazer se não lhe foi dada nenhuma opção? É pegar ou largar. E você já está com fome. E já está ficando tarde para procurar outro lugar. Então seja o que Deus quiser, você conclui, que venha a tal da experiência.

E ela vem, pousa na sua mesa e você a experimenta. Para concluir das duas uma: ou a sua comida está tal e qual a respectiva tradição, sem nada de muito diferente, e aí onde está mesmo a experiência?, ou o seu prato, de tão elaborado, é algo totalmente diverso do que você pediu, e talvez essa seja a experiência que lhe prometeram, ou seja, um filé que não é filé (ou um feijão que não é feijão). De qualquer modo, supõe-se que você teve uma experiência (boa ou má, não importa). E que não pagou barato por ela.

No hotel, a mesma coisa. Você vai contratar um para hospedar-se, desejando apenas conforto, boa comida e tranquilidade, ou seja, apenas aquilo que se espera de um hotel adequado, qualquer que seja, com mais ou menos estrelas. E aí a pessoa que lhe atende vem com toda aquela conversa: que você não vai apenas aproveitar uma belíssima vista, uma suíte confortabilíssima, um restaurante maravilhoso, um serviço de primeira; você vai, além de tudo isso, vivenciar uma ... uma experiência. É quando, nesse instante, você, cauteloso como sempre, atreve-se a perguntar: “E essa experiência tem algum custo extra?”

Absolutamente. Não tem. Está tudo incluído no preço, ainda bem. E você se submete aos argumentos experientes e vai descansar em seu quarto, ainda apreensivo com o que poderá vir a ser sua experiência. Passado o final de semana, já retornando para casa, você remata aliviado (ou com decepção) que, graças a Deus, não pagou nada a mais pela apregoada experiência. Simplesmente porque você não conseguiu identificá-la em nenhum momento de sua estada no hotel, o qual, ainda bem, entregou-lhe exclusivamente o que se esperava dele. Quem sabe, talvez a experiência fosse essa, ou seja, não ter experiência nenhuma, só a expectativa, você conclui, entre satisfeito e pesaroso.

E assim com quase tudo, como sabemos. Sexo há muito que virou experiência - banal, diga-se de passagem. Assistir a um filme, idem (a pipoca ainda é a mesma, viva!). Nos relacionamentos afetivos, mesmo nos casamentos, não se tem mais o mínimo de compromisso, tudo é apenas - e tão só - experiência. Namora-se, vive-se junto ou se casa por experiência. O amor é um despreocupado experimento a dois (ou a três), no mais das vezes fadado a dar errado nas primeiras tentativas, como nos laboratórios. Não há perseverança; logo, é mínima a possibilidade de acerto.

E há um detalhe que poucos percebem. Para ser realmente uma experiência, com o caráter extraordinário com que é anunciada, ela, por princípio, só pode acontecer uma única vez, já que se se repete se banaliza, isto é, perde o encanto, deixando, portanto, de ser uma “experiência”. Não se pode viver duas vezes o mesmo inusitado fenômeno, do mesmo modo que ninguém se banha nas mesmas águas do rio de Heráclito.

O fato é que até Deus virou experiência a estas alturas. Já se ouviu padre e pastor convidando os fiéis: “Venha experimentar Deus em sua vida!” Veja só. Só falta completar, como bom vendedor: “Se não gostar, você parte pra outra, sem problema, pois é só uma experiência.”

Neste fim de ano pandêmico, estamos tendo a oportunidade de vivermos o que para muitos deve ser uma inesperada experiência: a renúncia (mesmo que involuntária) às aglomerações barulhentas e o requintado prazer das celebrações sóbrias e restritas apenas aos mais amados. Isto sim parece ser um avanço civilizacional na barbárie reinante e uma experiência que vale a pena.

Feliz 2021 para todos os leitores do ALCR e suas famílias.

comente via facebook
COMENTE

leia também