Em fins dos anos 1970, o jornalista e escritor José Castello conseguiu agendar uma entrevista com Vinicius de Moraes, que então estreava ...

Vinícius, poeta 'bipolar'

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana francisco gil messias vinicius de moraes bipolar depressao bipolaridade
Em fins dos anos 1970, o jornalista e escritor José Castello conseguiu agendar uma entrevista com Vinicius de Moraes, que então estreava um show no Rio de Janeiro. O jornalista não era ainda o consagrado biógrafo do poeta e compositor, condição que só alcançaria mais de uma década depois da citada entrevista, mas naquele encontro frustrante já detectou no entrevistado claros sinais de um tormento existencial que contrastava abertamente com a imagem pública do autor de canções leves como “Garota de Ipanema”.

Conta Castello, em texto publicado na revista BRAVO!, que a dita entrevista fora marcada para a hora de almoço, surpreendendo-o a chegada, com quase duas horas de atraso, de um Vinícius “em desalinho com o mundo”, que o tratava com “impaciência e dasatenção”, com nítidos indícios de tormenta interior, a tal ponto que, anos após, seria desse sombrio retrato guardado na memória que ele partiria para escrever a célebre biografia do bardo carioca.

Continua Castello: “Ainda hoje, dezesseis anos depois de publicá-la, a figura desse Vinicius atormentado e em descompasso com o mundo me incomoda”. E segue: “... Custo a admitir, mas a vida de Vinicius de Moraes foi uma linha irregular, em que os grandes momentos de prazer e euforia se revezaram com descidas íngremes rumo à tristeza e ao desamparo. Os médicos de hoje, provavelmente, o rotulariam de ‘bipolar’. Para além de qualquer diagnóstico, Vinícius foi, sim, um homem de alma duplicada. A paixão pela vida tinha, como avesso, íngremes descidas ao inferno”.

Ora, pergunto eu, o jornalista queria o quê? Um Vinícius sempre alegre, de bem com a vida o tempo todo, achando graça de tudo eternamente, como um completo idiota qualquer? Já não saberia ele, Castello, intelectual respeitado à época da entrevista, que os grandes homens, os artistas e escritores em geral, e mesmo as pessoas apenas medianas, são seres visitados regularmente pela angústia, que alternam na alma, na personalidade e no temperamento momentos e fases entusiásticos com momentos e fases melancólicos? Em suma, que a chamada “bipolaridade” faz parte do cotidiano humano?

Interessante é que a causa desse “distúrbio” é até agora desconhecida pela ciência. O que talvez seja a prova de que é algo real e absolutamente constitutivo de nossa natureza física e psíquica, a tal ponto que não dá para se identificar a sua origem, ou seja, é possível que faça parte de nós desde sempre, assim como o temor aos trovões. E seria mesmo um “distúrbio”, salvo em casos extremos, a simples alteração de humor, a compreensível alternância entre uma certa euforia e uma certa depressão?

Não creio. E perdoem-me os médicos, sempre tão ciosos de sua jurisdição, por aventurar-me em seara tão delicada. Mas é que considero aquele “distúrbio” tão humano e tão comum que, a rigor, não posso considerá-lo como tal, isto é, como algo extraordinário, fora do normal, merecendo possuir solene nomenclatura própria nos compêndios de medicina. Nesse sentido, parece-me algo tão natural como ... um espirro, por exemplo, nada que justifique nenhum alarde nem estranheza.

Mas voltemos a Vinícius, poeta do amor, homem que viveu na carne e na alma as vibrações e as dores das paixões avassaladoras, que casou-se oficialmente nove vezes e enamorou-se vezes sem conta. Como poderia ter escrito seus poemas e suas canções sem ter bebido, com frequência, do cálice amargo do pesar e do abatimento? Fosse ele sempre alegrinho, sempre risonho, sempre feliz, tê-lo-ia feito? Duvido. Os muito felizes e “normais” nunca produziram nada de relevante. Aliás, desconfio mesmo que os muito felizes são quase sempre idiotas consumados.

Seja-me, portanto, permitido concluir, para espanto de alguns, talvez, que só quem é normal é “bipolar”. Ou seja, dito de outro modo, quem não é “bipolar” é que é a exceção surpreendente. E que Deus me (nos) proteja de uma suposta normalidade rasa, tola e, sobretudo, estéril.

comente
  1. MaraMaravilha Francisco Gil Messias..brilhante texto..Concordo com você!!!
    Os rotulados normais são muito " Chatos"
    Parabéns!!!
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir
  2. Ótimo texto, Gil. Eu já tinha ouvido falar nas profundas depressões do Poetinha, que alternava esses estados com momentos de euforia. Penso que a bebida era para ela uma forma de aliviar os efeitos de tais oscilações. O importante de textos como o seu é endossar o novo conceito que se tem da depressão.
    Considerada um novo “mal do século”, hoje ela é vista como um problema ligado aos neurotransmissores (sobretudo a serotonina) — e não como um preço pago por quem se “afastou de Deus” (a propósito, como estender essa ideia a gente como os padres Marcelo Rossi e Fábio de Melo, depressivos confessos?). Ou seja, a depressão hoje é vista com humanidade. Os artistas e os intelectuais, por serem mais sensíveis e questionarem com intensidade a nossa condição, são mais suscetíveis aos distúrbios de humor (para os quais concorrem fatores genéticos). Vinicius não fugia a regra, talvez por sentir com particular agudeza a verdade de que “a gente, mal nasce, começa a morrer”.

    ResponderExcluir

leia também