Resolvi ir longe nesta caminhada mental que ainda me fica. Dessa vez aonde nunca imaginara, mesmo andando para trás e por caminhos nunca p...

Como sair dessa

literatura paraibana julio dinis gonzagarodrigues poesia portuguesa
Resolvi ir longe nesta caminhada mental que ainda me fica. Dessa vez aonde nunca imaginara, mesmo andando para trás e por caminhos nunca percorridos.

Apeio-me onde a eletricidade ainda não chegou, tampouco o telefone. Automóvel nem pensar, sendo as febres, as endemias e epidemias, de um modo geral e cada uma a seu tempo e mais carregadas, os grandes incômodos de sempre.

Que escuto, de livro na mão, já terminando de rodear um pequeno outeiro? De que tempo e de qual regiãooa com tan ressta harmonia essa toada em voz de timbre ainda infantil?:

Morena, morena Dos olhos castanhos, Quem te deu, morena Encantos tamanhos? Encantos tamanhos Não vi nunca assim, Morena, morena, Tem pena de mim

E segue um verso se encadeando à estrofe seguinte, enquanto, entre cabras e ovelhas, além de um cão pastor, um padre velho se agacha escondido para se surpreender com o menino Daniel, seu aluno de latim e candidato ao seminário, deitado à relva e muito bem deitado a louvar num canto ou récita a sua pastora, uma pequena rapariga ou zagala que folheava um livro enquanto tirava o retrato do moço cantor com seu olhar de sorriso.

Pelo cenário e mais a zagala como é chamada a pastora, dá para ver que fui muito longe. E onde nunca havia ido, ainda que não faltassem os estímulos do velho professor Milton Delone, do antigo ginásio Castro Pinto, seguidor estrito da gramática e da mais antiga antologia: “Leia Julio Diniz, seu Lula. É um campestre como o senhor, sendo que num quadro virgiliano, um Bernardes de simplicidade”. A recomendação não me era estranha. Esse nome sempre vinha de cambulhada com outros que, de Alagoas, o prefeito Graciliano já enjeitava como gente que escreve de trás pra diante.

Eu havia chegado há pouco de Alagoa Nova , passado pelos cantadores de Campina e arremedado, por escrito e sem nenhuma espontaneidade, as suas quadras e sextilhas. Camões me chegara a retalho, num ou dois versos extraídos para análise lógica que nunca aprendi. Por causa do ginásio e desse professor Delone, andei soletrando uns dois ou três clássicos, armando a rede com Eça e achando que não precisava mais. E passei em branco muitos e muitos, inclusive esse Julio Diniz que o sebo de Anacleto faz cair em minhas mãos.

E numa hora em que me acomete a funda necessidade de retornar ao lugar de onde nunca devera ter saído e a situações que deixei em livros como esse do bom Diniz, “As pupilas do senhor reitor”. De voltar a éclogas que a poesia de 1922 não consentia. Como essa que acabo de ver cantar o meninote feliz porque efetivamente imortal em pessoa e em seu momento. E de um tempo em que o romance sempre tinha epílogo edificante.

O que a alta ciência não me dá, sem mais o Pasteur ou o Oswaldo Cruz, estou vendo se acho nesse livrinho de R$ 5 reais que o Anacleto não quis receber: “Não, seu Gonzaga, não precisa pagar, eu nem dava mais por ele, pode levar.”

Não há infelicidade que o novelista não atenue. Toma-se dos poderes de Deus para governar as ações do homem e do mundo segundo a sua fé e, sobretudo, o seu coração. É o romancista da velha burguesia portuguesa, do fim feliz, e encanta o desvelo com que fixa os seus tipos femininos, as Claras e Margaridas que são quase todas uma bela estilização da vida. Eça, que vem um pouco depois, já nos prepara para o realismo que tem dado trabalho encarar, quanto mais sair dele.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!

leia também