TABAGISMO quando acho uma imagem, trago-o. e mais o trago se não a encontro. (de imagens e não-imagens, entulho os brôn...

Espreguiçando as tardes

sergio castro pinto poemas poesia paraibana fernando pessoa santos dummont
 
 
 
TABAGISMO
quando acho uma imagem, trago-o. e mais o trago se não a encontro. (de imagens e não-imagens, entulho os brônquios).
AEROFOBIA
dou duas voltas na chave da porta e trancafio a paisagem lá fora
SEDENTÁRIO
sob o interrogatório dos cabides as roupas são açougues onde falta a carne do meu corpo triste
FERNANDO PESSOA
sóbrio, bebes do teu copo. bêbedo, és objeto de um jogo de espelhos: bebes do teu copo e dos alheios. bebes a tua cota e ainda o sobejo de reis, de campos e de alberto caeiro.
SANTOS DUMONT
(...) amarrou uma gravata ao cano do chuveiro, subiu num pequeno banco e fugiu do mundo que o atormentava”. (Santos Dumont, o Pai da Aviação, livro de Alves de Lima)
morreu de gravata. mas a rigor não sai formal da vida quem antípoda de sua invenção corre o laço da gravata suicida pra morrer ao rés-do-chão.
PORTO INATIVO
entre mastros, docas e calados, o silêncio dos guindastes: espantalhos de gaivotas espreguiçando as tardes.

GOSTOU? DEIXE O SEU COMENTÁRIO!
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!
  1. Nosso poeta maior. Parabéns, Sérgio de Castro Pinto!👏👏👏

    ResponderExcluir
  2. José Nunes10/10/21 19:06

    O poeta Sérgio é sempre econômico com as palavras para dizer grandes coisas.

    ResponderExcluir
  3. Pequenas grandes pérolas do poeta maior. Parabéns, Sérgio.

    ResponderExcluir
  4. Francisco Gil Messias11/10/21 08:18

    Pequenas grandes pérolas do poeta maior. Parabéns, Sérgio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. gil, sempre te lendo, que é muito bom. obrigado. abraços.

      Excluir

  5. Gosto imensamente de ler poemas como esse, de Sérgio, em que se dá duas voltas na porta, trancafiando-se a paisagem lá fora ... e de ficar "vendo" o que eles dizem.

    Suas imagens são tão... marcantes, que esta me levou a um sonho:

    "sob o interrogatório
    dos cabides

    as roupas são açougues
    onde falta a carne
    do meu corpo triste".

    Entrei numa loja em que - em lugar de roupas - havia corpos jovens nos cabides. Comprei o de Sean Connery de quando ele fez o primeiro 007 : por 3.400 reais. Saí, "nele", feliz da vida.

    ResponderExcluir
  6. Maestria e precisão que emocionam. Só mesmo alguém que conheça intimamente as palavras
    para as economizar com tanta arte e beleza.

    ResponderExcluir

leia também