Os raios do Sol batem úmidos no cimento frio. A escadaria agora está desobstruída, limpa. Já não há mais corpos das folhas das castan...

Cimento frio

natureza desperdicio castanhola
Os raios do Sol batem úmidos no cimento frio. A escadaria agora está desobstruída, limpa. Já não há mais corpos das folhas das castanholas ressecados e gélidos em decomposição formando uma barricada pousada nos degraus, compactadas pelas chuvas do inverno. A posição mórbida após soltarem e planarem das copas das árvores durante o outono. Semanas esquecidas, largadas sem verde, grudadas umas às outras num abraço post mortem.

natureza desperdicio castanhola
Wilderness
Naquele formato não são mais naturais, apenas uma massa disforme colada pela umidade, ensopada após serem atingidas por milhares de gotas. Juntas, descartadas, resumidas a lixo. Os batentes de cimento não recebem os nutrientes da decomposição. Desperdício de vida. Ali, é túmulo, não adubagem.

Centímetros, metros adiante, o efeito seria outro. O contato seria fértil. Pele da planta solta decaída a acasalar com o tecido terra. Arte de amor, encontro, reencontro, seguimento de ciclo. Enfim, preparo um novo dia. A água da chuva é batizada, sêmem, semeadura, semente, nascimento.

Na calçada dura, nivelada por colher de ferro, porém, a folha é ineficaz após saltar sem paraquedas. No lugar de alimento será acúmulo sem propósito, esquecimento. Parada, inerte, reterá da chuva apenas peso, acumulará inutilidade. Pisada por pés desleixados, será compactada a demais folhas, virará irritante empapado. O sonho lá do alto era cair ao sabor do vento, pousar suavemente junto à terra, talvez à relva. E o tempo encarregava de desfigurá-la, transmutá-la em fragmentos férteis. Desmanchada, ela nutriria o solo, misturada ao bento líquido da chuva. Fortaleceria raízes, abraçaria carinhosamente sementes, contribuiria para um novo ser.

natureza desperdicio castanhola
DNB
A realidade foi outra. O vento até soprou, mas entortou o sonhado pouso, fez parada no áspero e frio cimento. De poética vontade, encontrou dura realidade. Se queria pasto, encontrou placa artificial de isolamento do lençol da vida, impossibilidade para a fecundidade.

Talvez, com a quietude de anos, através de uma fenda, um canal até a camada de terra que reside por debaixo, uma semetinha consiga arremessar-se teimosamente à superfície, rompa a casca de cimento e brote. A folha ali esquecida e já desintegrada poderá ter contribuído de alguma forma com aquela vida, ao ter escorrida nutrientes pelas brechas da imperfeita calçada. E, aí sim, cumpra o ciclo e reviva em algum outro verde. Sim, há uma possibilidade.
 

natureza desperdicio castanhola
Engin Akyurt

COMENTÁRIOS

leia também