O célebre conto (ou novela) “ Cândido ou O Otimismo ”, de Voltaire, termina com o personagem que dá nome à obra afirmando, conclusivo, “.....

Cultivar nosso jardim

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana francisco gil messias cultivar jardin beneficio jardinagem amor plantas vencer dificuldade otimismo voltaire candido ou o otimismo pangloss
O célebre conto (ou novela) “Cândido ou O Otimismo”, de Voltaire, termina com o personagem que dá nome à obra afirmando, conclusivo, “... devemos cultivar nosso jardim”. Essa foi sua resposta final ao otimista Pangloss, outro personagem, que, mesmo à vista das piores desgraças, insistia em dizer que vivíamos no melhor dos mundos, que todos os males que afligiam e afligem os homens eram necessários – e até benéficos – porque terminavam sempre, segundo ele, por conduzir-nos a finais felizes. Esta maneira otimista de pensar já vinha do poeta inglês Alexander Pope (1688-1744) e do filósofo alemão Leibniz (1646-1716), de modo que Voltaire tomou a si a responsabilidade de contestá-la, fazendo-o ao seu estilo, ou seja, com muita inteligência, humor e ironia.

Bom, é difícil aceitar que vivemos no melhor dos mundos, não é mesmo? A despeito dos antibióticos, dos analgésicos, da anestesia, do avião, do celular, da pílula, do Viagra e de tantas outras facilidades modernas e contemporâneas, é difícil compartilhar a opinião de Pangloss. Os males são tantos, o sofrimento é tanto, as injustiças são tantas que sobra pouquíssimo espaço para qualquer entusiasmo com o mundo, a realidade e os homens. Devemos, portanto, diante de tudo isso, tratar de “cultivar nosso jardim”, isto é, ir fazendo, no nosso quintal particular, a parte que nos cabe nesse latifúndio de frustrações. É o que Voltaire propunha e propõe.

“Tudo isso está muito bem dito, mas devemos cultivar nosso jardim”, assevera Cândido. E é o que também penso diante do Brasil e do mundo de nossos dias. E não estou nem considerando a pandemia, vejam só. A mim – e a tantos – aflige mais o cenário político, econômico, social e cultural, um cenário dominado por acontecimentos e personagens capazes de nos levar ao mais agudo pessimismo coletivo e individual. Mas não vou entrar em detalhes, que eu tenho juízo. O leitor há de entender e perdoar essa cautela.

A coisa está preta? Cultivemos nosso jardim. Tudo está difícil? Cultivemos nosso jardim. Parece não haver esperança? Cultivemos nosso jardim. Na frente da casa ou no quintal, cultivemos nosso jardim. Nosso jardim minúsculo, um simbólico pé de tomate que seja, cultivemos. Vai servir para algo, vai nos ocupar, vai nos dar força para seguir em frente.

Pascal dizia que todos os males nos vêm do fato de não conseguirmos ficar quietos em nosso quarto. Compreendo o que o filósofo quis dizer. De certo modo, ele também nos convida a cultivar nosso jardim, no caso, a cultivar, no quarto, pelo menos uma orquídea que seja, contanto que cuidemos de nossa vida, deixando de lado o louco mundo que nos cerca, com sua desesperança. Mas será possível, pergunto eu, ficarmos quietos em nosso canto?

Aqui é preciso, creio, ficarmos atentos a um ponto fundamental. Cuidar da nossa vida não pode significar uma atitude egoísta, isolacionista, que nos distancie, indiferentes, dos semelhantes. Pois isso, claro, não é bom. Cultivar nosso jardim consiste, enquanto o mundo desmorona, enquanto o absurdo domina, enquanto os maus e os idiotas reinam, em irmos tocando a vida como podemos, cada qual do seu jeito, dentro de suas possibilidades, seja como médico, gari ou aposentado, cada um colocando seu tijolo no grande muro da vida comunitária e pessoal.

Isto significa dizer que, enquanto indivíduos e cidadãos, não devemos ficar esperando pelo Estado, pelo governo (qualquer que seja), pela Providência, por Godot ou seja lá por que for. Devemos seguir fazendo o que nos compete, da melhor maneira, dependentes apenas de nós mesmos, na medida do possível.

Porque este não é o melhor dos mundos, caro dr. Pangloss. Nem o pior, certamente. Este é apenas o mundo que nos cabe, porque somos nós que o fazemos, a cada dia, com nossos muitos erros e poucos acertos, está claro.

É certo que cultivar o jardim não resolve tudo, mas não há dúvida de que nos ajuda a resistir e a continuar, o que, convenhamos, não é pouca coisa. Mãos à obra!


Francisco Gil Messias é cronista e ex-procurador-geral da UFPB
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Maravilha!!! disse tudo 〰️num simples alerta para cultivarmos nosso "jardim"
    Parabéns👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir
  2. Maravilha... Francisco Gil Messias👏🏻👏🏻👏🏻
    Disse tudo tão simplesmente em cultivarmos nossos jardim!!!
    Parabéns👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir

leia também