Flávio Ramalho de Brito envia-me crônica de 45 anos atrás, lembrança do que senti com a morte de Raiff Ramalho, seu tio, que faria 100 nes...

Raiff Ramalho

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana gonzaga rodrigues raiff ramalho pediatria medicina campina grande flavio ramalho de brito
Flávio Ramalho de Brito envia-me crônica de 45 anos atrás, lembrança do que senti com a morte de Raiff Ramalho, seu tio, que faria 100 nesse 10 de janeiro. Por Raiff e por mim mesmo, peço ao leitor aceitá-la como matéria de hoje, com o mínimo de supressões:

Quando eu subia o Alto de Santa Terezinha, na entrada de Campina, e descortinava a cidade com a matriz da Conceição empanada por andares mais altos, já sabia, antes de chegar, as pessoas que sem querer me esperavam.
Passava pelo curtume dos Motas, no Açude Velho, antevendo a porta do São Braz. A ideia de chegar a Campina nunca foi dissociada da de encontrar Raiff, um homem que sempre esteve nesse meu itinerário. Havia acerto de partes ocultas, (...) para que Raiff demandasse o café São Braz no justo momento em que eu lá chegasse. A maneira como ele via as coisas era a minha maneira. A Campina Grande que eu sabia era a que ele me informava.

Nunca fui a sua casa, nem ao consultório, nem a qualquer lugar em que se pudesse consignar a existência de um convívio espacialmente estabelecido. Não era amizade nem de copa nem de sala. Nem ao menos de uma mesa de bar. Era uma estima forte, sólida, feita de encontros fugazes e num tempo de conversa que nunca foi além de uma conjunção: enquanto ele tomava o pequeno pra voltar ao consultório, enquanto eu esperava o carro que me trazia a Joao Pessoa. Passávamos de raspão nos assuntos, entre um gole e outro, e era como se falássemos uma tarde inteira. Sempre nos encontramos em menção de despedida. Com algum exagero, antes de chegar já estávamos saindo. Apesar da brevidade, vinha dele a impressão que mais demorava. Quando não o via, eu perdia a viagem.

Sempre me pareceu um homem à vontade com o mundo e com os outros homens. O que sucedesse ou deixasse de suceder nunca lhe foi surpresa. O jeito de dizer, uma palavra em cima da outra, contínua, solta, conferia-lhe uma veemência sem gritos nem gestos. Exercia, em Campina, a desenvoltura de qualquer grande ambiente. Sempre conversei com ele como se eu viesse do sítio e ele da rua. Era, na minha visão aldeã, o autêntico praciano, à vontade em política, em esportes, em usos e costumes de qualquer rua ou centro. (...) Raiff Ramalho, mesmo vendo pela primeira vez, sabia esconder a surpresa, sempre se comportando como quem assistia a uma reprise. Via os grandes sem perder o seu tamanho. (...)

Era pediatra, todos dizem que bom, mas nunca me falou de pediatria. Fernando Wallack (...) foi quem me disse: “É dificil a criança em Campina que não tenha parte com a Medicina de Raiff.”

Quis ir ao seu enterro. Ainda tirei do guarda-roupa o paletó escuro, mas vi, nessa arrumação, um ato forçado. Por que ir a um encontro que nunca marquei com Raiff? Por que ir a um lugar que não era o dele? Suprimi-lo do Café, encostado no balcão, a falar aos amigos, o olhar na rua, para levá-lo a um lugar que nunca cogitou de ir, a pose perdida, o inteligente olhar subtraído?! Trocar o Raiff da minha amizade, o que sempre me espera em Campina por um que se foi? Não, Raiff não é homem para isso. E muito menos eu para acreditar.”


comente
  1. Bravo 👋👋👋Gonzaga Rodrigues..gostei muito de seu texto.
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir
  2. Como sempre, preciso. Traça em poucas e boas linhas vários perfis, do amigo, amizade, cumplicidade e, mais que tudo respeito pelo bem querer do encontro fugaz na coincidência da vida. É sempre um prazer de leitura suas crônicas, como de outros nesse espaço privilegiado.

    ResponderExcluir

leia também