Eu tinha 8 anos, mal sabia ler, e já conhecia de cor a primeira parte de “O Canto do Piaga”, de Gonçalves Dias. Ainda que essa primeira pa...

Memória e ritmo no poema

literatura paraibana canto piaga gonçalves dias tupi iliada eneida dança tapuia albert eckhout
Eu tinha 8 anos, mal sabia ler, e já conhecia de cor a primeira parte de “O Canto do Piaga”, de Gonçalves Dias. Ainda que essa primeira parte tenha 24 versos, distribuídos por 6 quadras, confesso que não sou nenhum prodígio. Um prodígio saberia Gonçalves Dias de cor. O fato é que três das minhas irmãs mais velhas do que eu — eu sou o sétimo de uma família de 10 — estudaram em colégio de freiras, em Bananeiras, e uma delas mais afeita às artes cantava no coro. Foi através de minha irmã e da música, que a já citada primeira parte de “O Canto do Piaga” se alojou na minha memória.

Constituído de 3 partes, com 20 estrofes de 4 versos, “O Canto do Piaga” é um poema, como o nome diz, que trata do canto de um pajé ou piaga da tribo Tupi aos seus guerreiros. O termo canto não está ali apenas com o
literatura paraibana canto piaga gonçalves dias tupi iliada eneida dança tapuia albert eckhout
sentido poético de quando o poeta grego era chamado de aedo (ἀηδών) e ο poema de ode (ᾠδή), palavras etimologicamente ligadas ao verbo grego “aidō” (ᾄδω), cantar. O termo vincula-se a uma característica essencial do poema, criado, na sua origem, mais para os ouvidos do que para os olhos. No caso específico, trata-se de um canto especial, traduzindo um sonho profético do piaga, que o transmite a sua tribo.

Os versos são eneassílabos, com uma marcação bem feita, num ritmo ternário e pausas obrigatórias em três sílabas, 3ª, 6ª e 9ª, cuja harmonia agrada ao ouvido e ajuda a memória a reter o conteúdo. Além disso, o ritmo faz parecer um batuque de tambor, propício a representar o que o poeta supunha ser uma musicalidade indígena:


Ó guerREIros da TAba saGRAda, Ó guerREIros da TRIbo TuPI, Falam DEUses nos CANtos do PIAga, Ó guerREIros, meus CANtos ouvi.

Em minha experiência como professor de literatura, procurando compreender a métrica portuguesa e a métrica clássica do latim e do grego, ajudado, por outro lado, pelo ouvido atento à cantoria de viola, aprendi que a força da musicalidade do verso tradicional encontra-se em seu ritmo e na sua imposição sobre a métrica, ainda que muita gente pense o contrário. É o que acontece com o eneassílabo de Gonçalves Dias, com duas sílabas átonas precedendo uma sílaba tônica. Já vi muita gente boa, referindo-se a esse tipo de verso como um anapesto. Nada mais errado, pois o anapesto pertence a uma estrutura poética e linguística diferente, a estrutura greco-latina, que compreende a métrica a partir de pés e não a partir de sílabas, como o sistema da língua portuguesa. O anapesto é formado de duas sílabas breves e uma longa, não podendo ser comparado com a métrica da língua portuguesa, sistema em que não subsistiu a diferença de intensidade entre vogais breves e longas, como no latim e no grego, cuja combinação compõe, de modo engenhoso, um pé, concebido para ser um conjunto de sílabas, sem qualquer relação com a tônica das palavras, como em português.

literatura paraibana canto piaga gonçalves dias tupi iliada eneida dança tapuia albert eckhout
Na primeira parte de “O Canto do Piaga”, composta de 9 quadras, o Piaga fala à tribo de um fantasma que o visita em sonho. O intuito do fantasma é advertir o Piaga dos augúrios terríveis de que ele não se deu conta por estar dormindo: o sol ofuscado pelo negrume do céu, a coruja piar de dia, a lua de fogo e sangue nascendo entre as nuvens. O Piaga, então instruído, incita todos a ouvir a profecia terrível que ele recebeu do fantasma (segunda parte, 5 quadras). Na terceira parte (9 quadras), revela-se, então, a profecia: um monstro vem para destruir os Tupis e os que escaparem à destruição fugirão de suas terras, tendo perdido tudo, inclusive as filhas e as mulheres, levadas pelo monstro, sob a proteção de Anhangá. Escravidão, destruição, rapto, morte e dispersão é o que resultará da chegada desse monstro. Nada a fazer, a não ser invocar a piedade dos deuses contra a ira de Anhangá.

A síntese acima, nem de longe diz da grandeza do poema, composto de imagens belíssimas, como a metonímia genial para os navios — “Basta selva, sem folhas, i vem” (Parte 3, estrofe 1 — atente-se para o uso arcaico de aí, “i”). É preciso ler e revisitar sempre o poema, para haurir a sua beleza e poder ver ali,
literatura paraibana canto piaga gonçalves dias tupi iliada eneida dança tapuia albert eckhout
literatura paraibana canto piaga gonçalves dias tupi iliada eneida dança tapuia albert eckhout
muito bem disfarçados os elementos clássicos construindo o seu arcabouço. É costume se dizer que o Romantismo, como projeto literário, repudia o clássico. Como programa de escola literária, é verdade. Isso não significa, no entanto, que os temas clássicos não possam ser trabalhados e recriados, como acontece, por exemplo, em “O Canto do Piaga”. Em primeiro lugar, há o canto profético que surge de um fantasma, durante o sono do Piaga; em segundo lugar, os augúrios, elementos que permeiam épicos como a Ilíada e a Eneida. Neste último, o herói Eneias vê em sonhos o fantasma de Heitor que lhe diz da destruição da cidade e de sua fuga necessária, levando consigo os Penates Troianos, para fundar outra cidade — os Manitôs que já fugiram da Taba, como diz Gonçalves Dias, na última estrofe do poema. Em seguida, Eneias dá de cara com outro fantasma, o da esposa Creúsa, que lhe profetiza a respeito do novo reino que ele haverá de fundar. Estas duas aparições fantasmagóricas se dão no Livro II da Eneida.

Observe-se, pois, esta estrutura: uma profecia fundamentada em augúrios, fala da destruição da cidade, operada por um inimigo que virá pelo mar, provocando a morte, a escravização das mulheres – filhas e esposas — e levando à fuga por ínvios e errantes caminhos aqueles que escaparem a essa ruína. Diante dela, qualquer leitor íntimo dos clássicos verá a Ilíada e a deixa para a Eneida, com a fuga de Eneias forçada pelos fados, o que já se anuncia na Ilíada. No entanto, é exatamente essa estrutura que temos na construção de “O Canto do Piaga”. A nova roupagem que lhe dá Gonçalves Dias cumpre o que é programático do Romantismo, com a sua característica de buscar as bases da nacionalidade, mas não apaga o que se encontra subjacente na memória, espicaçada pelo ritmo e pela musicalidade.

comente

leia também