Parado em busca de um transporte que pare e o leve. Inicialmente, acredita ser enviado ao futuro num ônibus com uma placa qualquer com u...

Paradas repetidas

literatura paraibana andar onibus urbano cotidiano rotina transporta publico
Parado em busca de um transporte que pare e o leve. Inicialmente, acredita ser enviado ao futuro num ônibus com uma placa qualquer com um número e um nome indicativos de um destino previsível. De fato, um caminho feito em ritmo de dejá-vu, uma volta ao mesmo lugar, uma revolta ao ponto inicial. E um veículo se aproxima. Braço esticado, velocidade reduzida, embarca, senta, respira, transpira.

Aos solavancos balança, avança. Feito a vida o ônibus segue seu itinerário. Parada, para, engole pessoas por uma porta, cospe outras. Portas são bocas que comem e vomitam passageiros. As catracas são as vísceras e o intestino que com som metálico da falta de lubrificante funcionam como calculadoras que trituram os seres alimentos. Em seus pés, o número feito sorteio viciado gira infinitamente e aponta quantos foram levados, trazidos, deixados.

E segue o ônibus com seus passageiros, passados, presentes e futuros. Buracos, balanço, cigarra, mais braços estendidos, novas paradas, mesmo ritual. Em cada ponto sobe uma nova história, as conversas se misturam e as solidões idem. As vozes se repetem fantasmagoricamente em mil histórias, futilidades, politicagens, futebolidades, desigualdades, muitas idades, "misturidades", em discursos, monólogos, debates, opiniões, questionamentos, afirmações, definições, perdições.

É preciso equilíbrio mesmo para quem está sentado em meio ao desequilíbrio coletivo. Conto as paradas, perco as contas dos rostos, dos sussurros, dos caminhos, iguais e desvios... E cruzam-se olhos, mãos desconhecidas se esbarram, pés indiferentes se pisam. Colisões, encontrões e empurrões solidários nos apertos rotineiros.

O coletivo também traz silêncios. Mergulhos perdidos pelos vidros das janelas buscam saídas de emergência mais fáceis. Bocas fechadas, olhos falantes, rostos inexpressivos, alheios aos vendedores e seus apelos ao passar por cruzamentos, para as difíceis encruzilhadas da vida. Aberta, a janela é um salva-vidas amarrado a uma canoa sem vela e sem vento, solto na calmaria nervosa no mar concreto, fuga aos cheiros, importunações e às companhias indesejáveis, porém, inescapáveis.

Lá vai o ônibus de parada a parada, ponto a ponto, avançando e atrasando horários, rígidos na planilha, flexíveis na maré do trânsito. Até chegar ao suposto ponto final, tão somente uma nova parada, o reinício da viagem, o reencontrar as almas e seus braços esticados, pedindo embarque, crentes ser um transporte, tão só uma pausa. A descida nunca é realmente a chegada. A única é a morte, que não pede nada, tão somente ordena que se suba aos que não querem parada... e prossegue sem indicar o destino.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!
  1. Genial..caro Clóvis Roberto!!
    É exatamente assim assim como você contextualisa em sua prosa.. a experiência que ocorre nos transportes coletivos.
    Muito bem expressa as situações/ emoções/ e os desdobramentos dos diversos.. eteceteraetal!!
    Bravo pelo inspirado texto.
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir

leia também