Por enquanto Quando poderei brincar agora de viver sem receios nesses intervalos de tempo que dizem de recreios? A vida dolori...

Saudades vivas

literatura paraibana luto perdas pandemia tristeza poesia saulo mendonca

Por enquanto
Quando poderei brincar agora de viver sem receios nesses intervalos de tempo que dizem de recreios? A vida dolorida desbotou o matiz de quase todas intensidades! Por enquanto, o universo por um triz carcome as minhas trivialidades. As metonímias dos hormônios que reanimam o corpo e a alma puseram-me no exilio apagaram a luz me fizeram distâncias. Deixaram um pouco as saudades vivas das pessoas tangidas e do muito dos silêncios que ficaram no peito pelas almas idas! Interditaram o meu bom humor! Os encantos se atiraram pelos cantos da casa sem voos e sem asas. Por enquanto vou cuidando só das minhas lutas: OS MEUS LUTOS!


comente

leia também