Sucessivas gerações lembram com saudade, certamente, dos antigos cinejornais, sobretudo do mais famoso deles, o icônico Canal 100, “o maio...

Quando o futebol ia ao cinema

nostalgia cinema futebol canal 100 nelson rodrigues
Sucessivas gerações lembram com saudade, certamente, dos antigos cinejornais, sobretudo do mais famoso deles, o icônico Canal 100, “o maior acervo cinematográfico do futebol brasileiro”, na justa avaliação dos seus idealizadores.

Para os que não sabem, aquilo que ia, semanalmente, aos cinemas do Brasil era muito mais do que a cobertura dos campeonatos e jogos amistosos. Conta-se que de 1959 até 1986, com um cinejornal por semana, o Canal 100, criação de Carlos Niemeyer com ajuda de Jean Manzon, difundiu 70 mil minutos de imagens sobre os principais acontecimentos jornalísticos de sua época.

nostalgia cinema futebol canal 100 nelson rodrigues
A verdade é que os cinejornais promoveram a cobertura de conquistas, dramas e situações por quase todo o desenrolar do Século 20. A queda de João Goulart, os carnavais, o evento da Bossa Nova, o da Jovem Guarda, os festivais da canção, os acontecimentos de 1964, o movimento das “Diretas Já” e a eleição de Tancredo foram exemplos de fatos assim chegados às telas de um Brasil que, à época, detinha um número de cinemas, no mínimo, quadruplicado. É preciso dizer que os governos militares tiveram no cinejornal um forte aliado, embora ninguém ali cantasse – como o fazia Sílvio Santos – “o Figueiredo é coisa nossa”.

Foi a cobertura do futebol o que fez do Canal 100 uma realização aplaudida e festejada, desde as maiores e mais luxuosas, até as pequenas e mais humildes salas de exibição nacionais. O rito era sempre o mesmo, qualquer que fosse a sala. As luzes apagavam, surgiam na tela alguns trailers de filmes futuros, o indispensável desenho animado e, então, o Canal 100 com seu noticiário variado e seu momento mágico, antes do filme principal.

Neste momento, os acordes de “Na cadência do samba” compostos por Luiz Bandeira e tomados como trilha da cobertura esportiva já levavam o público ao delírio.


A tela grande e a angulação de câmaras, até hoje não aprendida pela televisão, punham cada espectador dentro do gramado. Nada nem ninguém aproximou tanto o público dos passes, dribles e gols quanto o fizeram os cinegrafistas do Canal 100.

O genial Nelson Rodrigues assim descreveu a coisa:

nostalgia cinema futebol canal 100 nelson rodrigues
“Foi a equipe do Canal 100 que inventou uma nova distância entre o torcedor e o craque, entre o torcedor e o jogo, grandes mitos do nosso futebol, em dimensão miguelangesca, em plena cólera do gol. Suas coxas plásticas, elásticas enchendo a tela. Tudo o que o futebol brasileiro possa ter de lírico, dramático, patético, delirante”.

Talvez, o cinejornal não fizesse mais sentido neste momento em que os acontecimentos do mundo, esportivos ou não, têm difusão imediata com a ajuda de satélites que dispõem o que quer que seja, em tempo real, nas telas da tevê ou dos computadores. Mas, nos idos de 1986, as maquinações do Ministério da Cultura com os lobistas do cinema americano apressaram a morte do Canal 100. Como? Resposta: impedindo a ideia da propaganda em cinejornal. Lastimavelmente, este foi o golpe de morte.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!
  1. O "Canal 100" , na minha memória, tem o mesmo futuro antevisto que tiveram as telas de tv do Planeta Mongo, nos filmes de Flash Gordon. No comentário em destaque, do Nelson Rodrigues, algo do "Olympia" de Leni Riefensthal, de 1937. Curioso, como nossa época sempre esteve lá - nos anos 40, 50, 60.

    ResponderExcluir
  2. Germano Toscano de Brito6/11/21 18:15

    Meu caríssimo Frutuoso,não podia deixar de compartilhar assunto tão gostoso. Ouvir a trilha sonora Canal 100 e ver suas reportagens me reporta como num passe de mágica, para um passado de 65 anos atrás, precisamente para sala do cine São José em Guarabira. Ali via no Canal 100, antes de começar o filme da matinal, mesmo com trinta dia de atraso, as inaugurações de obras pelos governadores de São Paulo e Rio de Janeiro. Assistia com o mesmo atraso também lances relâmpagos dos espetaculares jogos do Flamengo x Fluminense, Botafogo x Vasco ou Vasco x Flamengo.
    Ah que tempo bom.
    Ah que saudade. Abç

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Compartilhamos a mesma saudade, amigo. Grato pela atenção.

      Excluir

leia também