Mostrando postagens com marcador Francisco Barreto. Mostrar todas as postagens

Dá-me um olhar que te direi quem és. Assim como o corpo é um continente, o olhar é o conteúdo. O olhar expressa o ser e o sentir de cada ...

literatura paraibana paris grandeza humana saber olhar francisco barreto rue regard pandemia expressão do olhar
Dá-me um olhar que te direi quem és. Assim como o corpo é um continente, o olhar é o conteúdo. O olhar expressa o ser e o sentir de cada vivente. Reflete o sublime êxtase da vida. É uma porta entreaberta que permite conhecer a alma em toda a sua profundidade.

Os olhos com generosidade e pureza exalam os sentimentos mais nobres da grandeza e da profundidade da condição humana. Permitem, sem restrições e preconceitos, nos conceder-nos um privilégio muito além da palavra, aproximar-nos da alma humana. Edificam com emoção a cumplicidade da vida em comum. Nos olhos encontram-se as narrativas dos mais profundos

Estar recluso numa UTI, e espreitar o entorno, a quem quer que seja é sentir-se incomodado como se estivesse numa ante-sala da morte. A...

Estar recluso numa UTI, e espreitar o entorno, a quem quer que seja é sentir-se incomodado como se estivesse numa ante-sala da morte. A racionalidade imposta pelos nossos sombrios e atuais cotidianos impõe-nos esta trágica e nua verdade. Os frios números da dura realidade se encontram expressos nas inexoráveis estatísticas que atemorizam, e pairam sobre todos infelicitados. Tristeza para os que vão. Felicidade para os raros que conseguem dela sair.

No sombrio tempo contemporâneo impera o sentimento de que a morte está à espreita e nos impõe a dura transcendência de que esta virá impetuosa, sem pedir licença. O tempo de viver, apenas, se reparte entre um abrir e fechar de olhos. Estranhamente, dilacerante é conviver com o sentimento de que um dia a mais, é sempre um dia a menos.

De repente, o prazer de todos os dias, de abrir os olhos que sorriem para a vida que em segundos, pode não mais ser perene. O dia surge radiante e cálido, e ao nosso mirar está a natureza que viceja compartilhando com a alegria dos viventes. Subitamente, o que seria mais um dia de celebração, me atingiu um ritmo cardíaco declinante dando às claras sensações de desaceleração e de inesperado declínio. As aurículas e ventrículos tão preciosos dão sinais imprecisos e convulsos, anunciando que a distância e o tempo nos aproximam e sinalizam que a morte ronda. Passo a viver uma mise en scène, e protagonizar um grave enredo ao mais comum dos mortais: simplesmente morrer.

E, celeremente, percebi que os meus batimentos, que tanto na minha vida se exultaram com belas e intrépidas emoções, em muitos anos, já não eram os mesmos. O coração vacilante não creditava mais ao cérebro, e a todos os órgãos, a energia e a eletricidade vital. O corpo demonstrava passos cambaleantes, a respiração ofegante, e a oxigenação dos pulmões se revelava precária. Os batimentos cardíacos se refletiam de modo grave em ritmo declinante e destemperado, o que sinalizava um estado de torpor arrítmico comandado por um bloqueio total que poderia estar anunciando a proximidade de uma morte súbita.

Médicos experientes me vociferaram: busque socorro! Olhei em paz ao meu lado, e fui acudido por um filho querido, também chamado de Francisco, que pelas mãos divinas estava ali numa grave hora. Acomoda-me num bólido, e infringindo todas as cautelas do trânsito, num ritmo alucinante, percorre 150 kms e calmamente diz – “Vamos, Pai.” E num piscar de olhos chegamos ao hospital.

Celeremente, me desembarcam numa UTI, diante da insistência de desatinados batimentos que já não ultrapassavam um percentual mínimo. O coração iria me decretar morte súbita.

Com o olhar vago, vejo uma UTI e seu sinistro ambiente. Tudo o que ninguém deseja. E de pronto, a aleatoriedade. De modo involuntário vão surgindo inconsistentes divagações e pensamentos. Não havia desespero. Sabia que tinha uma caminhada difícil, e, tinha a certeza de que diante das minhas orações obteria a benevolência divina.

Tive a felicidade de acalmar os meus filhos na porta da UTI. Dediquei-lhes o meu sorriso e os meus gestos de paz como um sinal de que eles me esperassem. Não iria demorar. Tinha certeza que o meu coração não iria ser indelicado com eles, e menos ainda comigo. Logo ele, que tanto havia dividido comigo mais momentos de felicidade do que de amargura. Havíamos de continuar juntos.

A Covid, tempos antes me atingira. Passou célere. E eu alegremente a observei dobrando a esquina. Pressentia desde que me enfurnei na UTI, e acreditei, mesmo vendo o lado soturno e desalentador daquele ambiente quase funesto, que iria mais uma vez ter um sursis divino que me restituiria a doçura da vida. Assim o foi.

Ninguém entra numa UTI impunemente, há sempre um preço a pagar. Hoje, apenas um mês depois, tenho a mais absoluta convicção do drama que significou para as 460.000 mil vítimas que vivenciaram o término de suas vidas cercados de desespero e dos sons aterradores do sofrimento. Um ambiente onde ressoavam gemidos e aterrissava a morte.

O pesadelo passou. E com coração novamente forte, tributário da cirurgia, solfejando alegremente num diapasão que o continuará sintonizado com a minha doçura de viver. Com clara percepção, sei hoje o que significa ir ao inferno e ressurgir em paz rumo ao céu da vida em paz. Longe, muito longe da mescalina de Huxley, me distanciei do mundo, viajei e vi quase tudo.

Cumpre-me agradecer aos que me propiciaram a alegria de me sentir redivivo.

Aos meus filhos, pelo afeto, em especial Francisco, que, competente e arrebatado, me conduziu ao hospital como um distinto Samaritano, iluminado pelo espírito franciscano da extremada e virtuosa amiga médica, Dra. Maria de Lourdes Lopes. Igualmente aos médicos Marco Antônio Barros, ao competente cirurgião André Avelino de Queiroga, e aos uteístas que me acudiram nos meus dias e incontáveis horas, meus distinguidos agradecimentos e homenagens.

Estou hoje vencido, como se soubesse a verdade. Estou hoje lúcido, como se estivesse para morrer. E não tivesse mais irmandade com as cois...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana francisco paula barreto nostagia existencial desesperanca tristeza interior pandemia desgoverno
Estou hoje vencido, como se soubesse a verdade. Estou hoje lúcido, como se estivesse para morrer. E não tivesse mais irmandade com as coisas.
Fernando Pessoa

De vez em quando me assomam impertinentes pensamentos de que os dias estão se esvaindo numa incontida hemorragia em que o tempo celeremente vai sendo consumido. Tempus Fugit. E, o que o resta dos dias são apenas fagulhas efêmeras que mal conseguem alumiar os sentimentos de esperança. A vida segue rumo ao seu final num curso imprevisível.