Cada uma de nossas felicidades encontra no afeto e no amor suas mais elevadas dimensões humanas. E quando elas se amalgamam numa superi...

O encantamento de ser avô e pai a um só tempo

Cada uma de nossas felicidades encontra no afeto e no amor suas mais elevadas dimensões humanas. E quando elas se amalgamam numa superior e única entidade, derivada da presença, condição física e afetiva em um só tempo de viver os dois maravilhosos cenários: o de pai e avô, é algo indescritível, sobretudo, quando o critério da verdade é o afeto liberador. A vida nos propicia caminhos surpreendentes quando o lirismo amoroso nos cristaliza pelo advento de ser e de desfrutar esta múltipla vivência. Tudo à conta do afeto e do amor.

Poucos viventes experimentaram em algum tempo a felicidade desta unicidade de ter o mesmo olhar de ser avô, em sendo pai de uma criatura provinda de divinas providências e que a natureza deposita na nossa alma e coração apenas os atributos de sentir a emoção e o afeto dedicado a um filho querido.

Filho meu este que se chama Victor Francisco. O primeiro nome em homenagem ao grande Victor Hugo, o de Francisco em honra humilde ao Assis, ao santo homem príncipe da
Andrew Yurkiv
Igreja que se dedicou aos pobres seres humanos e aos desvalidos animais.

Há de se indagar, com perplexidade, como caminhar e conviver a aparente dualidade ser avô e pai, e como estas se completam, e que apenas se repousam harmonicamente nos sentimentos destas vivências, em que clivagens em nada se confrontam. E que são aparentemente insuperáveis, subordinadas a situações etárias distintas. Para o comum dos mortais, emerge a limitada compreensão de que há um tempo de ser pai, ao tempo de ser avô.

Muitos creem que as duas representações são afetivamente distanciadas temporalmente por paternidades conflitivas, que se configuram e podem parecer uma antagônica contradição a ferir a ordinalidade do ciclo da paternidade. Mas o ser avô e ser pai são representações afetivamente uníssonas regidas pelo afeto comum e reciproco.

Ser pai, e não apenas avô, tributando afeto a percorrer caminhos que não existem, fazendo-os apenas ao caminhar. E caminhando, fazendo caminhos que presidem os mesmos passos. Mesmo não sabendo que existe uma temporal distância, o fundamental é ter forças para ser sempre um caminhante de olhos abertos. A distância e o tempo são sempre aliados. Não há contradição de viver o que se tem que viver.

Johan Mouchet
A questão do tempo é desprezível. O que importa ao tempo de vida é o saber viver, e se possível aterrissar sempre no universo do afeto. A idade não existe, porque o afeto é muito maior e atemporal. E nada é mais feliz do que reeditar emoções, desejos, que estavam esmaecidos à espreita de um feliz final de vida. Nem sempre damos crédito à emoção de rejuvenescer, ter um filho abençoado. Esta é a dádiva de ter tido um filho que, na minha maturidade, tornou-me jovem, lucidamente pronto a viver com ele o tempo de viver. Muitos são incapazes de entender e de sentir os desafios do tempo.

Com ele, meu filho, hoje sempre à distância, reinventei com  meu modo de amá-lo sem o sentimento de posse. Quero muito que, um dia, ele entenda que a vida dele é apenas dele, que se autodetermine, e
Marek Piwnicki
seja um ser superior. Não exijo nada dele, não o reprimo, nunca o causei angústias e sofrimentos. Como ele lindamente me disse: pai, nós nunca brigamos porque somos apenas uma dupla. O quero sem donos ou patronos. Que a sua inteligência, o seu caráter, a sua coragem e os seus desejos sejam apenas fios condutores de sua bela vida.

Sei que não estarei por muito, perto das suas caminhadas. A minha vida útil não permitirá. Bem o sei, e hoje mais do que nunca, que ele alçará voos serenos e venturosos. Quero-o como um Homem de bem, e do bem. É o meu mais extremado desejo. Tenho a convicção de que ele será grande. Desejo e espero que as suas virtualidades e sonhos nunca sejam mutilados pelos que o cercarão ainda por muito tempo.

Ao presenciar seu nascimento, desde os seus primeiros passos, que nasceram em minhas mãos, pude sentir que ele será predestinado à independência e à coragem de ser e viver.

A minha solidão, assim como o vento, apagam as pequenas chamas e atiçam as grandes envolvidas pelo afeto paternal e filial.

Assim somos, e seremos sempre, eu e o meu amado pequeno grande Victor Francisco.

COMENTÁRIOS
  1. José Mário Espínola17/7/22 18:40

    O autor nos oferece uma bela declaração de amor aos seus descendentes, herança maior que deixará para o mundo.
    Parabens, Barreto!

    ResponderExcluir

leia também