No caminho da vila do Bujari, na região da Serra de Cuité, havia uma casa bem caiada, de três varandas com piso de tijolo e esteios de aroe...

O homem que procurava Deus

ambiente de leitura carlos romero celio furtado conto misticismo mediunidade consciencia cosmica transcendencia espiritual sabedoria autoajuda

No caminho da vila do Bujari, na região da Serra de Cuité, havia uma casa bem caiada, de três varandas com piso de tijolo e esteios de aroeira. Era agradável de ver: ela arrodeada por canteiros de roseiras e plantas medicinais, cerquinha de ripa para amparar dos bichos, frondosas jaqueiras com sombra depois do meio dia e terreiro varrido onde se viam dois pavões criados soltos para o encanto de quem por ali passava.

ambiente de leitura carlos romero celio furtado conto misticismo mediunidade consciencia cosmica transcendencia espiritual sabedoria autoajuda
Mas nada encantava tanto quanto a pequena torre de pedra imitando uma construção medieval que sobressaía para além das árvores. A edificação era extraordinária pelo formato circular recortado por quatro janelas viradas para os quatro pontos cardeais. Acima ficava um mirante coroado por dentes também de pedras. O dono do lugar explicava: era um observatório que lhe custou o período de dois anos para levantar. De uns tempos para cá, dizia, estavam acontecendo coisas estranhas no céu, como essa história de disco voador, e que ele precisava ficar atento. Além do mais, o mirante tinha o propósito de acompanhar as transformações do universo e o movimento dos corpos celestes para, só depois então, fazer as previsões sobre o tempo, a agricultura e o destino das pessoas.

O homem se chamava Eugênio e passava a maior parte do tempo confinado na parte térrea da torre - o quarto de estudo e pesquisas. Debruçado sobre os livros de muitas páginas, descobria os mistérios do universo, e se realmente existia vida para além da terra e terra para além da vida.

ambiente de leitura carlos romero celio furtado conto misticismo mediunidade consciencia cosmica transcendencia espiritual sabedoria autoajuda

Por isso, era conhecido pela alcunha de "professor", mas só por quem admirava seu apego aos livros; e de "Pai Eugênio" por quem, não raro, batia-lhe à porta em busca de alguma dita ou desdita, solução para o mal da mente e do espírito ou alguma previsão de destino.

Dizia-se ter adquirido o dom da vidência depois de uma febre que durou sete dias e sete noites e quase o levou à morte.
Certa vez uma mãe, desesperada pelo desaparecimento do filho, subiu os batentes da varanda e entrou de porta adentro, já escuro da noite, para saber do seu paradeiro. A mulher tentava conter o choro enquanto respondia a perguntas como: "se fugiu com bom dinheiro, se levou roupa para muitos dias e se montava uma égua que não fosse ronceira."

Mas a mulher disse: "que nada, que o rapaz tinha fugido no começo da manhã, e foi numa bicicleta velha – se aquilo podia-se chamar de bicicleta, pai Eugênio... só com a roupa do corpo, com a roupa do corpo, imagine só... e sem nenhum recurso de dinheiro ou comida!"

Diante do exposto, Eugênio não precisou recorrer às forças do além iniciando uma sessão de invocação espiritual. Esperou a pobre mulher terminar a ladainha e deu-lhe uma xícara de chá bem doce. Depois disse que fosse para casa, pois o filho, que não tinha ido muito longe, já estava preocupado com ela.

ambiente de leitura carlos romero celio furtado conto misticismo mediunidade consciencia cosmica transcendencia espiritual sabedoria autoajuda
Ninguém sabia dizer, com certeza, há quanto tempo o "professor ou pai Eugênio" estava por ali, porque só vieram dar notícia da sua existência depois que a torre apontou por cima das árvores e os pavões começaram a se exibir no terreiro. E também, essa coisa de conhecer a casa por dentro, e que a parte de baixo da torre era a sua sala de estudo com livros de várias ciências, isso só foi sabido quando correu a notícia que o homem também era adivinhão.

Dizia-se ter adquirido o dom da vidência depois de uma febre que durou sete dias e sete noites e quase o levou à morte. Entre delírios e inconsciência teria visitado entidades que lhe entregaram a missão de, no plano terreno, orientar para o bem e prevenir contra o mal quem lhe batesse à porta. Não cobrava nada por isso, mas agradecia a quem lhe desse o que pudesse em nome de São Jorge. Ele ajudava a alcançar graça e socorria a quem precisasse de saúde, proteção e luz.

As sessões aconteciam num quartinho que ficava nos fundos, do lado oposto da torre, onde a única claridade existente, sem contar a das velas, era a projetada pelas frestas do telhado. Depois de apontar para o banquinho onde o cliente devia se acomodar, acendia as velas postas ao lado do santo na mesinha com toalha branca, esperava um minuto de olhos fechados. Eram as mãos segurando a cabeça, os cotovelos apoiados na mesinha. Nesse instante a respiração mudava de ritmo e sentia pequenos espasmos pelo corpo. Aí entrava em transe e começava a fazer perguntas e revelações. A entonação estranha da voz ajudava a reforçar o mistério da atmosfera adensada pelo cheiro de incenso, pela fumaça das velas. Dava medo de ouvir os avisos de riscos de alguma desgraça iminente.

ambiente de leitura carlos romero celio furtado conto misticismo mediunidade consciencia cosmica transcendencia espiritual sabedoria autoajuda
Assombrado e desprotegido, o cristão precisava de escudo e guarda, mas bastava olhar de lado para encontrar alívio. São Jorge estava ali com suas armas poderosas pronto para combater, proteger e guiar. E do mesmo modo que a estátua, também estava ali o cestinho das oferendas. Na frente do santo ninguém ia embora sem, antes, deixar algum dinheiro para pai Eugênio que, para facilitar a garantia da oferta, nunca terminava sessão esquecendo de dizer algo promissor e uma esperança de notícia boa para os dias vindouros

Eugênio foi sentindo o peso da idade. Veio a canseira das pernas, que piorou com uma queda enquanto descia a escada da torre. Passado aquele dia começou a andar de bengala e só pôde observar o céu da varanda, numa cadeira com forro de palha de junco. Graças às massagens com sebo de carneiro, arranjou algum vigor temporário, e isso também graças aos chás e compressas quentes feitas com as plantas milagrosas do jardim, que continuava bem cuidado, assim como o terreiro, mas agora sem o encanto dos pavões que morreram, um a um, com o intervalo de algumas semanas.

O segredo de todas as coisas reside na natureza, em cada planta germinada, cada verdura colhida
Sem mais poder subir as escadas do mirante e sem vista que prestasse para ler os muitos livros que ainda esperavam por ele no quarto de estudo, passava a maior parte do dia dentro de casa ocupado com serviços leves ou do lado nascente do terreiro, onde fez um jirau para cultivar flores, verduras e legumes.

E foi observando o poder surpreendente de renovação da planta em semente e da semente em planta que tomou uma decisão.

A partir dali abandonou o estudo sobre os fenômenos celestes, a origem das coisas e também as sessões com os guias espirituais. Estava convicto:

ambiente de leitura carlos romero celio furtado conto misticismo mediunidade consciencia cosmica transcendencia espiritual sabedoria autoajuda
"O segredo de todas as coisas reside na natureza, em cada planta germinada, cada verdura colhida, nas vargens cheias de grãos."

"E sendo toda criatura uma parte do seu criador, então a vida não podia ter fim nem começo, era uma eterna renovação. Deus era a terra, a semente, a planta, os frutos e a semente outra vez."

Eugênio nunca esteve tão feliz. Quantas vezes tinha observado o céu, mirado nas estrelas mais distantes, naqueles pontinhos lá no finalzinho do universo... Procurando o segredo da vida, querendo entender os mistérios de Deus... Não precisava ir tão longe...

E pensando nessas coisas, disse a si mesmo:

"É esse o nosso maior erro, o de se gastar o tempo de uma existência querendo encontrar no lugar mais distante o que a gente pode encontrar tão fácil e que está tão pertinho da gente!"


Célio Furtado é artista plástico e cronista
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também