Espelho Seria um espelho Ou um poço profundo, Que refletia imagens Que ainda não sei decifrar.

Retratos pálidos

volia loureiro do amaral ambiente de leitura carlos romero poesia paraibana espelho

Espelho

volia loureiro do amaral ambiente de leitura carlos romero poesia paraibana
Seria um espelho
Ou um poço profundo,
Que refletia imagens
Que ainda não sei decifrar.

O céu às vezes muda de cor,
Os azuis são enigmáticos,
Com também é o meu olhar.
Será que reflete dor ou amor?

O que calo transborda,
Em torrente não contida,
Não se pode conter o mar
Nem simplificar uma vida.

Olho para o poço de minha alma,
Quão profundo!
Quantos por quês!
Quantos segredos!

Tudo sussurra em versos brancos,
Tudo geme em redondilhas tortas,
A poesia é como a chuva forte
Que me abre as comportas.


Convite


volia loureiro do amaral ambiente de leitura carlos romero poesia paraibana
Convidei-te a minha casa
Preparei tudo com carinho,
Havia café na mesa
E também pão quentinho.

Coloquei flores no vaso
E no rosto meu melhor sorriso,
No piano toquei uma música suave
Que compus de improviso.

Tanto eu tinha a te dizer,
Histórias pra te contar,
Confissões a te fazer,
Segredos a te revelar.

Tinha guardado um abraço
E para teu cansaço
O meu colo, meu regaço.
No meu sofá teu espaço.

O tempo passou e passou,
O relógio da parede marcou,
E já era a vida inteira,
Porém você não chegou.

E no bule o café esfriou,
No vaso a rosa murchou,
Meu rosto com rugas o tempo marcou,
E os braços ficaram lassos,
Também morreu meu abraço.

A porta da casa se fechou,
E lá só vivia a solidão
E alguns retratos já pálidos,
Pelo tempo gastos.

E só por teimosia,
Eu respirava poesia
E os meus lábios sussurravam
A nossa velha canção.


Vólia Loureiro do Amaral é engenheira civil, poestisa e escritora
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também