Dou-me ao vinho e à carne aos sábados. Em compensação, gasto os domingos a alimentar o espírito com missa e música, muita música. Coisas de ...

A travessia

ambiente de leitura carlos romero cronica poesia literatura paraibana irenaldo quintans travessia de rio smetana rio do meio rio do espinho rio paraiba moldava
Dou-me ao vinho e à carne aos sábados. Em compensação, gasto os domingos a alimentar o espírito com missa e música, muita música. Coisas de cristão indisciplinado. Num destes recentes, depois de uma homilia sublime em que o sacerdote reproduziu o libelo do apóstolo Paulo ao amor, calhou de cair na vitrola “O Moldava”, parte do comovente poema sinfônico “Minha Pátria”, de Smetana.


Diz-se que o autor homenageou o rio, na antiga Boêmia, hoje República Checa, que o nomina. Por certo fê-lo, sim. A paixão desses virtuoses pelas paisagens pátrias é combustível infinito e leitmotiv invariável das suas belas e perenes obras, a exemplo de Liszt e Wagner, o primeiro considerado o pai do gênero, porque criador da célebre transformação temática, base sobre a qual evolui o poema sinfônico.

Todavia, para mim “Vltava” – em louvor à sonoridade da língua natal do compositor - soa mais como uma metáfora da sina inexorável do belíssimo e sofrido Leste Europeu, trespassado, desde sempre, pelas cimitarras otomanas e pelas espadas dos cruzados.
ambiente de leitura carlos romero cronica poesia literatura paraibana irenaldo quintans travessia de rio smetana rio do meio rio do espinho rio paraiba moldava
Rio Moldava (Vltava) / Týn nad Vltavou, Rep. Tcheca
Massacrado em nome de Deus ou de Alá, pouco importa; Saladino e Ricardo Coração de Leão a disputar o imaginário Santo Graal, nas planícies de Arsuf. A gente contemporânea se pergunta a que se prestou a fé ao longo do processo civilizatório.

Mas, vejamos: o tema nasce remansoso, na voz afetuosa dos oboés e clarinetes, ribomba nas cataratas, ecoando na potência das tubas e tímpanos, e, afinal, turbilhona nas corredeiras, vibrando o sabor intrigante das flautas e da harpa, a fim de espelhar, creio eu, as conflituosas sensações do pequeno Bedrich, cujo peito juvenil ofegava com a sensibilidade olímpica da qual era portador. Recordando o inescapável Dostoievski, penso que os clássicos são como as orações: transformam o coletivo em individual. A propósito, a mágica do som é tal que, pelo aparelho auditivo, fui transportado para um domingo distante, cuja névoa da fantasia desorienta a bússola temporal e obnubila a precisão da data.

O sol acabara de se deitar no leito pedregoso da pequena rodoviária quando, agarrado à mão da mãe, saltando da marinete enlameada que chegava da capital, o garoto ouviu o insólito vaticínio ser berrado aos quatro ventos: “Os rios vêm com água! Muita água!”.

Ou seja, mesmo vencido o velho Paraíba, já ponteado, três das seis léguas tiranas até o destino, haviam de ser tiradas a pé. O jipe de seis portas ziguezagueante, que habitualmente completaria o trajeto até o vilarejo satélite, estacaria como uma mula no obstáculo seguinte:
ambiente de leitura carlos romero cronica poesia literatura paraibana irenaldo quintans travessia de rio smetana rio do meio rio do espinho rio paraiba moldava
Rio Paraíba / Natuba-PB
o rio do Meio, avarento no estio, mas danado de valente no inverno. E até o do Espinho, o próximo, mais sereno, não havia vivalma.

Pois as pontes, prometidas à farta por políticos mil, só existiam na vã esperança do alcaide do lugarejo esquecido pelo Criador, na esquina da província. Na vera, as travessias eram feitas a nado, por intermédio de cordas seguradas por cabras fortes, de musculatura titânica, um fincado em cada ribanceira. Primeiro seguiam os adultos mais pesados, que balouçavam, emergindo e afundando, ao ritmo das correntes. As mulheres, mãos postas rogando à Senhora Santana, seguiam pespegadas nas costas do nadador - um terceiro homem, bom de pernas e pulmões. Crianças por derradeiro, escanchadas pela frente, olhos desorbitados, corações dialeticamente oscilando entre o encantamento e o terror.

O leitor já adivinhou que, graças à vontade materna de chegar, o menino assustado vadeou as enxurradas assim, precariamente, para nunca mais... Dali por diante, o troar da enchente na noite glacial substituiu o papa-figo nos seus pesadelos. Além disso, a trilha lamacenta comeu os sapatos de festa. Ao raiar da segunda-feira, os pés sangravam numa bacia com água quente, perscrutados pelo olhar severo do pai. “Que insanidade foi essa?”, disse, enfim. E emudeceu por uma semana, até as águas baixarem.


Irenaldo Quintans é economista e escritor
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Texto leve e bem articulado onde a sensibilidade brota das sinfonias clássicas citadas. Deliciosa leitura. Parabéns Quintana!

    ResponderExcluir

leia também